Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Jovens, crianças e soldados: quem são os reféns feitos pelo Hamas em Israel

    O tenente-coronel Richard Hecht, porta-voz militar israelense, disse à CNN neste domingo (8) que “dezenas” de pessoas foram capturadas pelo grupo islâmico

    Da CNN

    Shani Louk, de nacionalidade germano-israelense, estava entre os participantes do festival que se reuniram em terras agrícolas perto da fronteira Gaza-Israel para o que deveria ser uma festa que duraria a noite toda, celebrando o feriado judaico de Sucot.

    Em vez disso, nas primeiras horas da manhã de sábado (7), o local foi cercado por combatentes do Hamas que mataram a tiros os foliões e fizeram outros como reféns, enquanto lançavam um ataque sem precedentes a Israel.

    Veja também – CNN mostra vídeo de soldado israelense sendo capturado pelo Hamas

    Louk foi posteriormente retratada num vídeo, identificada pelos seus dreadlocks e tatuagens, sendo levada pelas ruas de Gaza enquanto pessoas gritavam “Allahu Akbar” (“Alá é grande”, em tradução livre).

    Ela está entre inúmeros cidadãos israelenses que foram feitos reféns por militantes do Hamas e estão agora detidos em locais por toda Gaza, complicando a resposta de Israel ao ataque mortal surpresa.

    Israel busca determinar o número exato de reféns levados para Gaza, um enclave costeiro isolado com quase 2 milhões de pessoas, amontoados numa área de aproximadamente 360 k², um dos locais mais densamente povoados do mundo.

    O tenente-coronel Richard Hecht, porta-voz militar israelense, disse à CNN neste domingo (8) que “dezenas” foram capturadas e enfatizou o quão complexa era a situação quando o exército lançou ataques aéreos contra Gaza em retaliação.

    Num comunicado anterior, ele disse que “civis, crianças e avós” estavam entre os mantidos em cativeiro.

    O Hamas afirma ter capturado dezenas de israelenses, incluindo soldados, e vídeos autenticados pela CNN mostram algumas das dramáticas apreensões.

    As Brigadas Al Qassam, o braço armado do Hamas, alertaram que os ataques na área poderiam afetar os reféns, com o seu porta-voz, Abu Obaida, dizendo numa mensagem de áudio gravada no sábado que estavam “presentes em todos os eixos da Faixa de Gaza”.

    O tenente-coronel Jonathan Conricus, porta-voz das Forças de Defesa de Israel (FDI), declarou à CNN que “não há precedentes em nossa história que tenhamos tantos cidadãos israelenses nas mãos de uma organização terrorista”.

    Já se passaram mais de 17 anos desde que um soldado israelense foi feito prisioneiro de guerra num ataque ao território israelense. E Israel não viu este tipo de infiltração em bases militares, cidades e kibutzim desde os combates cidade a cidade na guerra de independência de 1948.

    Festival de música

    Centenas de participantes do festival de música Nova correram pelas planícies do deserto de Negev, perto de Urim, uma comunidade próxima da Faixa de Gaza, tentando escapar dos homens armados do Hamas que os perseguiam em veículos numa perseguição terrível.

    Alguns foram mortos e outros foram capturados por captores armados, mostraram vídeos nas redes sociais.

    Num outro vídeo autenticado pela CNN, uma mulher inconsciente que estava no festival podia ser vista sendo exibida por militantes armados em Gaza. Posteriormente, a CNN confirmou a identidade da mulher como Louk.

    A CNN entrou em contato com sua família para comentar, mas ainda não recebeu resposta.

    Seu primo confirmou ao Washington Post que Louk compareceu ao festival de música.

    A CNN não sabe o paradeiro ou a condição de Louk neste momento e decidiu não reproduzir o vídeo por conter imagens fortes.

    “Nós a reconhecemos pelas tatuagens e ela tem longos dreadlocks”, disse o primo de Louk ao jornal Washington Post. “Temos algum tipo de esperança. O Hamas é responsável por ela e pelos outros.”

    Comunidades fronteiriças israelenses

    Os combatentes do Hamas fizeram reféns na comunidade fronteiriça de Be’eri e na cidade de Ofakim, 32 km a leste de Gaza, disse o porta-voz das FDI, o general Daniel Hagari, acrescentando que os dois locais eram os “principais pontos focais” do desdobramento da crise.

    Num discurso televisionado, ele disse que havia forças especiais com comandantes superiores nas duas comunidades e que os combates continuavam em 22 locais.

    Um vídeo, geolocalizado pela CNN para Be’eri, parece mostrar militantes do Hamas levando vários israelenses como prisioneiros.

    Moradores de Be’eri e de outra comunidade na fronteira de Israel com Gaza, Nir Oz, disseram à estação de televisão Channel 12 do país que os agressores estavam indo de porta em porta, tentando arrombar suas casas.

    O Canal 12 também informou que infiltrados fizeram reféns no Netiv HaAsara. As autoridades israelenses não confirmaram imediatamente quaisquer detalhes sobre essas informações.

    Uma mãe israelense disse à CNN que estava ao telefone com os filhos, de 16 e 12 anos, que estavam sozinhos em casa quando ouviram tiros do lado de fora e pessoas tentando entrar. Então, pelo telefone, ela ouviu a porta quebrar.

    “Ouvi terroristas falando em árabe com meus filhos adolescentes. E o mais novo dizendo-lhes: ‘Sou muito jovem para ir’”, disse a mãe. “E o telefone tocou, a linha tocou. Essa foi a última vez que ouvi falar deles.” A CNN não identifica a mãe e seus filhos por razões de segurança.

    Outro pai israelense disse à CNN que suspeita que sua esposa e suas filhas possam ter sido sequestradas enquanto visitavam Nir Oz.

    Ele disse que reconheceu sua esposa em um vídeo que mostra um grupo de pessoas sendo carregadas na traseira de um caminhão ladeado por militantes do Hamas, enquanto ressoam cânticos de “Allahu Akbar”.

    “Nem sei qual é a situação dos reféns e a situação não parece boa”, disse Yoni Asher, acrescentando que rastreou o telefone da sua esposa e descobriu que ele estava localizado em Gaza.

    Num outro vídeo, geolocalizado pela CNN no bairro de Shejaiya, em Gaza, uma mulher descalça é puxada do porta-malas de um jipe ​​por um homem armado e depois forçada a sentar-se no banco de trás do carro. Seu rosto está sangrando e seus pulsos parecem amarrados atrás das costas.

    O jipe ​​também parece ter uma placa das FDI, sugerindo que pode ter sido roubado e trazido para Gaza.

    Soldados

    As Brigadas Al Qassam alegaram capturar “dezenas” de soldados israelenses no sábado.

    “Trazemos boas notícias aos nossos prisioneiros [palestinos] e ao nosso povo de que as Brigadas Al Qassam têm dezenas de oficiais e soldados [israelenses] capturados em suas mãos”, disse o porta-voz do grupo, Abu Obaida, em uma publicação no Telegram.

    “Eles foram protegidos em locais seguros e túneis de resistência.”

    Um vídeo geolocalizado e autenticado pela CNN mostra pelo menos um soldado israelense sendo feito prisioneiro.

    O vídeo, publicado nas contas oficiais do Hamas nas redes sociais, mostra militantes arrancando dois soldados claramente aterrorizados e atordoados de um tanque desativado.

    Não está claro no vídeo como o tanque foi desativado, mas o Hamas já usou drones para lançar bombas sobre tanques israelenses antes.

    Um dos soldados é então visto em um pequeno trecho de vídeo sendo chutado no chão pelos militantes. No próximo clipe, o soldado é visto deitado imóvel no chão.

    O segundo soldado é visto sendo levado por militantes do Hamas. Um terceiro soldado – com o rosto muito ensanguentado – é visto deitado no chão, imóvel, perto da pista do tanque.

    A CNN não sabe o paradeiro ou situação atual dos três soldados.

    Um segundo vídeo, feito posteriormente, mostra vários homens armados diferentes ao redor do tanque. Os três soldados não estão em lugar nenhum.

    Os homens armados são vistos puxando um quarto soldado israelense do tanque. Ele fica imóvel enquanto é arrastado pela lateral do tanque até o chão. Os homens armados são vistos pisoteando seu corpo.

    FOTOS – Israel é bombardeado por foguetes do Hamas

    (Produzido por Hadas Gold, Abeer Salman, Kareem Khadder, Paul P. Murphy, Allegra Goodwin, Benjamin Brown e Sophie Tanno)

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original