Guerra deteriorou relações EUA-Rússia, diz embaixador norte-americano

O embaixador dos Estados Unidos na Rússia, John Sullivan, falou à CNN sobre a guerra na Ucrânia e as negociações recentes entre os países para a troca de prisioneiros

Bandeiras dos EUA e da Rússia
Bandeiras dos EUA e da Rússia 10/01/2022REUTERS/Denis Balibouse

Jennifer Hanslerda CNN

Ouvir notícia

A guerra russa contra a Ucrânia “impulsionou as relações EUA-Rússia para as profundezas”, disse o embaixador dos Estados Unidos na Rússia, John Sullivan, à CNN na quinta-feira. Embora não tenha dito que a relação entre Washington e Moscou estava em seu ponto mais baixo, Sullivan observou que era “tão ruim quanto poderia ser”.

“As relações EUA-Rússia eram ruins quando cheguei aqui em janeiro de 2020” e “elas só pioraram, descem desde então”, disse ele.

Em uma entrevista com Alisyn Camerota no CNN Newsroom, Sullivan, direto de Moscou, disse que há “muito pouco envolvimento com o governo russo”, e suas comunicações se concentraram nos cidadãos americanos detidos e “no funcionamento de nossa embaixada”, que está sob fortes restrições imposta pelo governo russo.

 

 

Na quarta-feira, o americano Trevor Reed foi libertado da custódia russa em uma troca de prisioneiros – uma grande operação na qual Sullivan foi um jogador-chave. No entanto, outros norte-americanos permanecem detidos, incluindo Brittney Griner e Paul Whelan, o último dos quais perguntou por que ele foi “deixado para trás”.

“Por que fui deixado para trás? Embora esteja satisfeito por Trevor estar em casa com sua família, fui detido por uma acusação fictícia de espionagem por 40 meses”, disse Whelan em comunicado direcionado aos pais e compartilhado com a CNN. “O mundo sabe que essa acusação foi fabricada. Por que não foi feito mais para garantir minha libertação?”

Sullivan disse à CNN que “não poderia concordar mais com Whelan no sentido de que ele foi condenado por uma acusação fabricada”. “Tenho defendido sua libertação publicamente em negociações com o governo russo desde antes de chegar aqui como embaixador, quando era vice-secretário de Estado quando Paul foi preso originalmente em dezembro de 2018”, disse ele.

“Eu nunca cedi em minha defesa de Paul no envolvimento com o governo russo, para a libertação de Paul”, acrescentou Sullivan, observando que o caso de Trevor é apenas um passo.

Sobre a guerra russa na Ucrânia, Sullivan sugeriu que cabe a um homem – o presidente russo Vladimir Putin – pôr fim ao conflito brutal. “Esta guerra começou com uma decisão do presidente Putin; esta guerra terminará com uma decisão do presidente”, disse ele, acrescentando que os Estados Unidos “farão tudo o que puder para garantir que essa decisão seja uma derrota estratégica para ele e seu governo, e não uma vitória para ele na Ucrânia”, acrescentou.

O embaixador dos EUA disse que a retórica sobre o uso potencial de armas nucleares pela Rússia aumentou de “uma maneira dramaticamente irresponsável recentemente”, mas observou que “não é nova”.

Ele lembrou que em conversas passadas com o governo russo relacionadas a questões da Ucrânia, a discussão começaria normalmente e depois mudaria para alertas sobre confronto nuclear se os EUA e a Otan continuassem apoiando a Ucrânia.

“E minha reação do outro lado da mesa é de espanto”, disse Sullivan. “E, infelizmente, o que vimos mais recentemente, está nos níveis mais altos do governo dos EUA, uma escalada dessa retórica.”

Sullivan disse que os EUA reduziram a resposta, observando que o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, fez uma pausa e depois cancelou um teste de míssil, apesar de pré-planejar e notificar o governo russo.

“Não nos envolvemos em retórica irresponsável com relação às armas nucleares”, disse ele à CNN. Os EUA estão “preparados para impedir a agressão nuclear contra os Estados Unidos. Nós não vamos sucumbir à chantagem nuclear, mas não vamos tolerar o barulho do sabre nuclear e a violência nuclear”, disse ele.

Mais Recentes da CNN