Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Guiana confirma morte de cinco soldados em helicóptero que caiu perto da Venezuela

    Queda acontece em meio a tensões com a Venezuela por causa de disputa por região de Essequibo

    Helicóptero do modelo Bell 412 caiu perto da fronteira entre Guiana e Venezuela na quarta-feira (6).
    Helicóptero do modelo Bell 412 caiu perto da fronteira entre Guiana e Venezuela na quarta-feira (6). Reprodução

    Da CNN em Espanhol

    O presidente da Guiana, Mohamed Irfaan Ali, confirmou a morte de cinco dos sete soldados das Forças de Defesa da Guiana (GDF) que estavam a bordo do helicóptero do Exército que caiu nesta quarta-feira (06), perto da fronteira com a Venezuela.

    Em uma publicação em sua conta no Facebook, o presidente lamentou as mortes e fez um apelo para manter em orações estes homens, suas famílias, as GDF e o país.

    “Meu coração sofre e se afoga de tristeza diante da trágica perda de alguns de nossos melhores homens uniformizados. A magnitude desta perda para as famílias, nosso país, o GDF e para mim pessoalmente é incomensurável. Meus amigos e camaradas de confiança, meus irmãos, como isso pode ser?” disse o governante.

    O assessor de Segurança Nacional do presidente, Capitão Gerry Gouveia, disse nesta sexta-feira (08) que os dois sobreviventes estão a salvo e que serão resgatados ainda nesta sexta-feira (08).

    “Hoje nos aventuramos novamente nesta missão de resgate e recuperação. Estamos focados e decididos. Nossos bravos e altamente treinados oficiais das forças especiais estão na montanha do local, cuidando dos dois sobreviventes e preparando a área de extração”, publicou Gouveia em sua conta no Facebook nesta sexta-feira (08).

    O helicóptero, que era pilotado por um tenente-coronel de um batalhão de infantaria, tinha a missão de visitar tropas do Exército na fronteira oeste da Guiana quando caiu em uma zona montanhosa nesta quarta-feira (06), mas os esforços de busca e resgate, se complicaram pelas condições climáticas.

    Nesta quinta-feira (07), o chefe de pessoal das Forças, Omar Khan, descartou qualquer indicação de um ataque ou de que outra aeronave estivesse envolvida no incidente.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original