Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Hamas está perdendo controle da administração de Gaza, diz Israel

    Milhares de palestinos fugiram do norte do enclave na quarta-feira (8), viajando quilômetros a pé através do território devastado

    Da CNN

    Mais de um mês após o início da guerra entre Israel e o Hamas, o grupo radical islâmico está perdendo o controle sob a Faixa de Gaza, de acordo com o governo israelense.

    Milhares de palestinos fugiram do norte da Faixa de Gaza na quarta-feira (8), viajando quilômetros a pé através do território devastado, num êxodo crescente motivado pela intensificada operação terrestre e aérea de Israel.

    Fluxos de pessoas – mulheres, crianças, idosos e pessoas com deficiência – percorreram a rua Salah Eddin, uma das duas autoestradas norte-sul em Gaza, ao longo de um corredor de evacuação anunciado pelas Forças de Defesa de Israel (FDI).

    Uma adolescente comparou o movimento de massas à “Nakba”, ou catástrofe, o termo árabe para a expulsão dos palestinos das suas cidades durante a fundação de Israel.

    Foi o quinto dia consecutivo que as FDI abriram uma janela de evacuação, e o número de pessoas que fogem para o sul tem aumentado a cada dia.

    ONU disse que 2.000 fugiram para o sul no domingo, aumentando para 15.000 na terça-feira. O governo israelense disse que 50 mil habitantes de Gaza viajaram pelo corredor de evacuação na quarta-feira.

    Esse número não pôde ser verificado de forma independente, mas um jornalista da CNN presente no local disse que o número de saídas era maior do que na terça-feira.

    Israel tem intensificado a sua ofensiva dentro da Faixa de Gaza, após os ataques de 7 de outubro que deixaram 1.400 mortos em Israel.

    O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, afirmou na terça-feira que as tropas das FDI estavam no “coração da cidade de Gaza” e visando a infraestrutura e os comandantes do Hamas. Não está claro onde exatamente Israel está lutando.

    “Gaza é o maior reduto terrorista que a humanidade já construiu. Esta cidade inteira é uma grande base terrorista. No subsolo, eles têm quilômetros de túneis que conectam hospitais e escolas”, disse Gallant. “Continuamos a desmantelar essa capacidade.”

    As FDI bombardeiam Gaza há semanas, dizendo que atingiu 14.000 alvos terroristas no território densamente povoado.

    Um homem que não forneceu o seu nome disse a um jornalista da CNN no sul de Gaza que ele e os seus vizinhos viveram “dias horríveis”. Ele disse que eles deixaram sua casa no norte de Gaza e se mudaram várias vezes, mas que era impossível escapar dos ataques aéreos.

    “Esta guerra não deixou nada seguro – nem igrejas, nem mesquitas, nem nada. Hoje largaram o panfleto ordenando que saíssemos para a suposta área segura. Agora já ultrapassamos esta área de Wadi Gaza e ainda ouvimos bombardeamentos. Não há lugar seguro em Gaza.”

    “Somos sete famílias. Todas as nossas casas desapareceram. Não sobrou nada. Não podíamos levar nada – nem roupas, nem água, nada. O caminho até aqui foi muito difícil. Se algo cair, você não poderá pegá-lo. Você não tem permissão para desacelerar. Cadáveres por toda parte.”

    Baraa, uma menina de 16 anos, disse que já caminhava há muito tempo.

    “Parecia a Nakba [catástrofe] de 2023”, disse ela, usando o termo árabe para a expulsão dos palestinos das suas cidades durante a fundação de Israel.

    “Passamos por pessoas que foram despedaçadas, cadáveres. Caminhamos ao lado de tanques. Os israelenses nos ligaram e pediram às pessoas que tirassem a roupa e jogassem seus pertences. As crianças estavam muito cansadas porque não havia água.”

    A CNN perguntou às FDI sobre a alegação de que os evacuados foram obrigados a tirar roupas e se livrar de pertences.

    “Fomos alvo de fortes bombardeios e não tivemos escolha a não ser deixar nossa área”, disse Hani Bakhit. “Acabamos usando carroças puxadas por burros porque não havia carro, combustível ou água potável. Nada nos resta. Eles forçaram-nos a sair, cortando todos os recursos disponíveis”, disse ele, referindo-se às forças israelenses.

    “Pessoas que não têm nada a ver com a resistência estão sendo bombardeadas e por isso fogem para o sul”, disse Khader Hamad. “São todas crianças, recém-nascidos, mulheres.”

    As pessoas carregavam poucos pertences nos braços ou nas costas. Alguns sentaram-se em carroças puxadas por burros. Na terça-feira, alguns puderam ser vistos carregando bandeiras brancas e segurando documentos de identidade.

    “As carroças puxadas por burros são o único meio de transporte que resta”, disse Abu Ida. “Não sobra energia solar nem combustível para os carros, mas também quem tem carro tem medo de usá-los. Não consigo andar porque tenho diabetes, não tenho como andar com os pés.”

    Uma mulher que não forneceu seu nome disse que “estamos sendo destruídos”.

    “Ninguém se importa conosco. Talvez estejamos seguros agora, mas não tenho certeza sobre aqueles que ainda estão para trás. Não sei onde está minha família. Meus irmãos estão atrás de mim. Por medo, não consegui olhar para trás. Nem direita, nem esquerda.”

    “Viemos do Al Shifa [Hospital] e vimos mortes no caminho. Cadáveres, destruição por toda parte.”

    Veja também – Dino: Investigações sobre Hebzollah no Brasil começaram antes da guerra