Homem que ficou famoso por foto do 11/09 morre de Covid-19

Informação foi confirmada pela família da vítima; Stephen Cooper morreu em março, mas notícia só veio à tona meses depois

Stephen Cooper morreu aos 78 anos de Covid-19
Stephen Cooper morreu aos 78 anos de Covid-19 Foto: Janet Rashes - 31.out.2019 / Facebook

Ouvir notícia

Um homem que ficou conhecido por uma famosa foto de norte-americanos correndo após o colapso da torre sul do World Trade Center, em Nova York, no dia 11 de setembro de 2001, morreu de Covid-19 durante a pandemia. A família confirmou a informação à CNN.

No dia do atentado às Torres Gêmeas, Stephen Cooper entregava documentos políticos em Manhattan, quando um policial disse a ele e outras pessoas próximas para fugirem do local.

Cooper é visto à esquerda da famigerada foto, usando óculos e uma camisa preta. Ele e outros estão correndo, em uma tentativa de se afastar da fumaça e dos detritos.

Assista e leia também:

Coronavírus nos EUA: um desafio equivalente à 2ª Guerra Mundial e ao 11/09

Número de mortos por coronavírus nos EUA é maior do que no 11 de Setembro

“Ele não percebeu que tinha sido fotografado até algumas semanas depois”, afirmou a esposa de Cooper, Janet Rashes. “Ele estava vendo um jornal ou uma revista e viu a própria foto”, lembrou.

Ela também conta que marido era “muito orgulhoso” dessa história e “mantinha uma foto na carteira e sempre mostrava a qualquer pessoa que acabasse de conhecer.”

Stephen Cooper, de 78 anos, morreu no dia 28 de março na Flórida, mas a notícia só veio à tona agora. 

Fotógrafa que eternizou o momento

Suzanne Plunkett, a então fotógrafa da agência Associated Press que capturou o momento, relatou à CNN que ela manteve contato com algumas pessoas da foto, mas nunca chegou a conhecer Cooper.

“Ele parecia um homem sociável, caloroso”, disse ela em um e-mail enviado à CNN. “Entrei em contato com algumas daquelas pessoas da foto, e nos falamos ao longo dos anos. Sempre me perguntei sobre os que nunca consegui encontrar. Foi uma honra para mim saber que o senhor Cooper tinha orgulho de aparecer na foto.”

Sobre o fatídico dia, a fotógrafa conta que, na manhã de 11 de setembro, recebeu uma chamada de emergência dos editores dela da AP. Após ligar a TV e ver a fumaça saindo da torre sul, ela correu para as ruas Fulton e Broadway, onde conseguiu fazer 13 fotos antes de um policial a mandar correr e buscar abrigo, segundo ela.

Depois de enviar algumas das fotos para os editores em uma loja próxima, Plunkett afirmou que a imagem foi publicada em todo o mundo.

“Eu adoraria ter conversado com o senhor Cooper sobre aquele dia. Teria sido catártico para mim falar com ele e refletir sobre o que aconteceu conosco nos anos que se seguiram”, contou ela.

Cooper deixa a mulher, Janet Rashes, e a filha, Jessica.

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN