Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Houthis afundam mais um navio no Mar Vermelho; indústria fica sob alerta

    Militantes do Iêmen dizem que ataques são declaração de apoio aos palestinos na Faixa de Gaza

    Houthis afundam navio grego no Mar Vermelho
    Houthis afundam navio grego no Mar Vermelho Houthi Media Centre via Reuters

    Hanna Ziadyda CNN* Londres

    Os principais grupos marítimos instaram os governos “com influência” a pôr fim aos ataques Houthi a navios no Mar Vermelho, depois de um segundo cargueiro ter afundado esta semana.

    Pelo menos três marinheiros foram mortos nos ataques até agora. O último naufrágio provavelmente levou a outra morte, de acordo com um comunicado divulgado na quarta-feira (19) por mais de uma dúzia de associações marítimas, incluindo a Câmara Internacional de Navegação e o Conselho Mundial de Navegação.

    O seu apelo à ação destaca o crescente custo humano resultante da perturbação de uma das artérias comerciais do mundo, que está praticamente fechada aos navios de carga desde o final do ano passado. O desvio mais longo em torno do extremo sul de África fez disparar os custos de transporte e causou congestionamento nos portos da Ásia e da Europa, ameaçando perturbar as cadeias de suprimentos globais.

    “É deplorável que trabalhadores inocentes sejam atacados enquanto simplesmente desempenham o seu trabalho, que é vital e que mantém o mundo aquecido, alimentado e vestido”, afirmaram as associações marítimas no seu comunicado.

    “Esta é uma situação inaceitável e estes ataques devem parar agora. Apelamos aos estados com influência na região para salvaguardarem os nossos marinheiros inocentes e para o rápido alívio das tensões no Mar Vermelho”, acrescentaram.

    A declaração foi divulgada no mesmo dia em que as Operações de Comércio Marítimo do Reino Unido, parte da Marinha Real, confirmaram que um transportador de carvão de propriedade grega afundou após ser atingido pelos Houthis na semana passada.

    De acordo com os grupos de navegação, um marinheiro a bordo do navio, chamado MV Tutor, “parece ter morrido”.

    “Este é o segundo ataque fatal em que os nossos marítimos foram apanhados na mira de conflitos geopolíticos”, afirmaram no seu comunicado.

    O MV Tutor é também o segundo navio afundado pelos Houthis. Um navio de registo britânico, o Rubymar, foi abatido em março depois de ser atingido por mísseis balísticos disparados do Iêmen.

    Os rebeldes Houthi alinhados com o Irã, baseados no Iêmen, começaram a lançar ataques com drones e mísseis contra navios no Mar Vermelho em novembro, no que dizem ser uma vingança contra a guerra de Israel em Gaza. Desde então, também apreenderam um navio e a sua tripulação, que ainda são mantidos como reféns.

    Os custos de envio continuam aumentando

    Para além da perda de vidas, os ataques Houthi também causaram graves perturbações no trânsito através do Mar Vermelho, que liga ao Canal de Suez, uma via vital que representa de 10 a 15% do comércio mundial.

    As principais empresas de logística do mundo, incluindo a Maersk e a Hapag Lloyd, têm enviado os seus navios numa rota muito mais longa em torno do extremo sul de África.

    Como resultado, as taxas de frete aumentaram. Na semana até 13 de junho, o custo composto do transporte de um contêiner típico de 40 pés em oito grandes rotas Leste-Oeste atingiu US$ 4.801, um aumento de 202% em relação ao ano anterior, de acordo com a consultoria marítima Drewry, com sede em Londres.

    As operadoras também aplicaram sobretaxas de emergência para compensar a interrupção. No mês passado, a Maersk aumentou temporariamente alguns desses encargos adicionais.

    “A complexidade da situação no Mar Vermelho e os efeitos em cascata nas cadeias de abastecimento globais intensificaram-se nos últimos meses”, disse a empresa dinamarquesa num comunicado. “Continuamos a enfrentar desafios e custos adicionais”, acrescentou, citando “gargalos operacionais”.

    De acordo com a empresa de logística Freightos, os desvios forçados estão causando congestionamentos nos portos de Singapura, Malásia, Xangai, na China, e Barcelona, ​​em Espanha, levando a atrasos e cancelamentos de viagens, uma vez que os navios perdem as suas partidas programadas.

    O recente aumento nos atrasos e nos custos de envio também pode estar pressionando as empresas a movimentar produtos sazonais agora, antes que as taxas subam ainda mais, ou a evitar atrasos no final do ano, o que pode significar escassez durante a alta temporada de compras, escreveu o chefe de pesquisa da Freightos, Judah Levine em uma nota na terça-feira (17).

    “Os ataques Houthi continuam a tornar o Mar Vermelho inseguro, e os aumentos na atividade e nas taxas de fretamento indicam que as transportadoras esperam que o congestionamento continue a ser um fator por algum tempo”, acrescentou.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original