Governo da Índia pede remoção de tuítes com críticas à gestão da pandemia

O Twitter reteve alguns dos tuítes após o pedido legal do governo indiano, disse uma porta-voz da empresa

Índia enfrenta aumento expressivo do número de casos e mortes por Covid-19
Índia enfrenta aumento expressivo do número de casos e mortes por Covid-19 Foto: Reprodução/CNN Brasil (16.abr.2021)

Reuters

Ouvir notícia

 

O governo da Índia solicitou que o Twitter retire dezenas de tuítes, incluindo de alguns de legisladores locais, com críticas à forma como país lidou com o surto de coronavírus, enquanto casos de Covid-19 no país novamente atingiram um recorde mundial.

O Twitter reteve alguns dos tuítes após o pedido legal do governo indiano, disse uma porta-voz da empresa à Reuters no sábado.

O governo fez uma ordem de emergência para censurar os tuítes, revelou o Twitter no banco de dados Lumen, um projeto da Universidade de Harvard.

No pedido do governo, datado de 23 de abril e divulgado no Lumen, foram mencionados 21 tuítes. Entre eles estavam tuítes de um legislador chamado Revnath Reddy, do ministro do estado de Bengala Ocidental chamado Moloy Ghatak e de um cineasta chamado Avinash Das.

O pedido do governo citou a Lei de Tecnologia da Informação de 2000. “Quando recebemos uma solicitação legal válida, nós a analisamos de acordo com as Regras do Twitter e a lei local”, disse a porta-voz do Twitter em um comunicado por e-mail.

 

“Se o conteúdo violar as regras do Twitter, este será removido do serviço. Se for considerado ilegal em uma jurisdição específica, mas não em violação às Regras do Twitter, podemos reter o acesso ao conteúdo apenas na Índia”, disse.

A porta-voz confirmou que o Twitter notificou os titulares de contas diretamente sobre a retenção de seu conteúdo e os informou da existência de uma ordem judicial relativa às publicações.

O caso foi relatado anteriormente pelo site de notícias de tecnologia TechCrunch, que disse que o Twitter não foi a única plataforma afetada pelo pedido.

Hospitais sobrecarregados na Índia imploraram por suprimentos de oxigênio no sábado, enquanto as infecções pelo novo coronavírus dispararam, estabelecendo um recorde mundial pelo terceiro dia consecutivo — e que foi chamado pela corte de Delhi de “tsunami”.

A Índia vive uma segunda onda da pandemia, registrando uma morte de Covid-19 a cada quatro minutos em Delhi, enquanto o subfinanciado sistema de saúde da capital falha.

O número de casos em todo o país aumentou em 346.786, informou o Ministério da Saúde neste sábado, totalizando 16,6 milhões de casos. As mortes no Covid-19 aumentaram em 2.624, chegando ao total de 189.544, de acordo com os números de sábado. A Índia tem cerca de 1,3 bilhão de habitantes.

Especialistas em saúde disseram que a Índia tornou-se “complacente” no inverno, quando novos casos chegavam a cerca de 10 mil por dia e pareciam estar sob controle. As autoridades suspenderam as restrições, permitindo a retomada de grandes reuniões, incluindo grandes festivais e comícios políticos para as eleições locais.

Mais Recentes da CNN