Indústria fóssil supera países em representantes na COP26, diz relatório

Pelo menos 500 lobistas de mais de 100 empresas de combustíveis fósseis estão na cúpula, o que aumenta "ceticismo" global sobre resultados da COP, denuncia grupo

Bomba de petróleo em Midland, no Texas, EUA.
Bomba de petróleo em Midland, no Texas, EUA. Reuters

Angela Dewanda CNN

Ouvir notícia

Mais de 100 empresas de combustíveis fósseis mandaram pelo menos 500 lobistas para os debates climáticos na COP26 em Glasgow  – um número que supera o total de representantes de todos os países na cúpula, diz um relatório feito pelo grupo ambientalista Global Witness.

O grupo analisou a lista prévia da Organização das Nações Unidas (ONU) com os representantes de corporações e encontrou ao menos 503 pessoas ligadas a indústrias do petróleo, carvão e gás natural esperadas na conferência.

O uso de combustíveis fósseis é o principal causador das mudanças climáticas conduzidas pelos humanos.

A lista inclui pessoas associadas diretamente às companhias petroleiras, como a Shell, Gazprom e BP, assim como membros presentes em nome de delegações e grupos que agem em prol da indústria dos combustíveis fósseis.

A análise também mostrou que o lobby da indústria petroleira era composto por duas dúzias de pessoas a mais do que o país com mais participantes na conferência.

Esse grupo também superou o total de pessoas oficialmente listadas como indígenas na escala de dois para um, assim como o número de delegados dos oito países mais atingidos pelas mudanças climáticas nas últimas duas décadas – Porto Rico, Mianmar, Filipinas, Moçambique, Bahamas, Bangladesh e Paquistão.

“A presença de centenas de pessoas sendo pagas para empurrar interesses tóxicos e poluidores das indústrias de combustíveis fósseis apenas aumenta o ceticismo dos ativistas climáticos, que veem essas cúpulas como uma evidência do atraso e hesitação dos líderes globais”, disse Murray Worthy, líder de campanhas sobre gás na Global Witness.

“A escala do desafio que está a nossa frente mostra que não há tempo para nós estarmos divididos por ‘greenwashing’ ou promessas vazias de corporações. Já é hora dos líderes mostrarem que eles falam sério quando dizem que irão acabar com a influência dos maiores poluidores sobre as grandes decisões políticas e se comprometerem com um futuro no qual as vozes de especialistas e ativistas estejam no centro”, complementou.

Canadá, Rússia e Brasil estão entre os países que registraram membros de companhias de combustíveis fósseis na cúpula do clima.

COP “excludente”

A análise chega em meio a um ceticismo crescente da sociedade civil sobre o evento, que não foi tão inclusivo quanto prometido.

O presidente da COP26, Alok Sharma, afirmou que a necessidade de distanciamento social é o motivo pelo qual algumas pessoas, incluindo aquelas listadas como observadoras, foram impedidas de adentrar conferências onde as negociações ocorriam.

Um relatório recente do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) mostrou que as maiores companhias de combustíveis fósseis ainda planejam aumentar a produção nos próximos anos, e estarão, em breve, queimando mais combustível em 2030 do que o esperado para se atingir as metas climáticas desejadas.

A análise da Pnuma combinou os planos das 15 maiores economias do mundo para estimar que o planeta irá produzir 110% a mais de carvão, petróleo e gás natural em 2030 do que o limite necessário para frear o aquecimento global em 1,5º Celsius acima dos níveis pré-industriais. A produção também será 45% maior do que o necessário para limitar o aumento de 2º Celsius.

*Esta é uma matéria traduzida. Leia a original, em inglês

Mais Recentes da CNN