Inspetor-geral da CIA revisa tratamento de casos da ‘Síndrome de Havana’

Causa de sintomas que afetam oficiais da agência americana em todo o mundo ainda é mistério que precisa ser desvendado

Embaixada dos EUA em Viena, Áustria
Embaixada dos EUA em Viena, Áustria Foto: Reprodução/US Embassy in Austria

Katie Bo Williams e Natasha Bertrand*, da CNN

Ouvir notícia

O inspetor-geral da CIA está fazendo uma revisão do modo como a agência lida com policiais adoentados com a misteriosa “Síndrome de Havana”, uma revelação que surge à medida que casos estão se multiplicando em todo o mundo.

Várias fontes familiarizadas com a inteligência descreveram um número crescente de relatórios nos últimos meses. Dezenas de vítimas foram relatadas em Viena, um conhecido hotspot de espiões, e casos também foram relatados na África este ano, de acordo com duas pessoas familiarizadas com a inteligência.

A comunidade de inteligência ainda não tem uma explicação oficial para a constelação perplexa de experiências sensoriais e sintomas físicos que já adoeceram centenas de diplomatas, espiões e soldados americanos em todo o mundo – alguns com gravidade suficiente para forçar sua aposentadoria. Cerca de 100 desses casos envolvem pessoal da CIA.

Uma hipótese de trabalho é que a Rússia está usando um micro-ondas ou outro dispositivo de energia direcionada. Mas essa teoria não se encaixa perfeitamente em todos os casos e, em qualquer caso, se for a Rússia, a intenção de Moscou permanece indefinida.

Ainda assim, as vítimas, legisladores e alguns funcionários do Departamento de Estado e de inteligência estão ficando frustrados porque seis anos depois que os primeiros casos foram relatados em Havana, Cuba, a comunidade de inteligência não conseguiu identificar o culpado – ou mesmo se os episódios definitivamente podem ser denominados “ataques”.

Algumas vítimas e ex-oficiais de inteligência também relataram que o ceticismo de alguns funcionários de alto escalão – em particular sob a ex-diretora da CIA Gina Haspel – dificultou que as vítimas recebessem o atendimento adequado.

“Em uma base bipartidária, o Comitê de Inteligência da Câmara tem conversado com indivíduos com conhecimento em primeira mão de como esses incidentes de saúde estão sendo tratados e como foram tratados no passado”, disse um oficial do comitê. “Por meio desse trabalho, temos preocupações significativas sobre como alguns indivíduos não conseguiram acessar os benefícios e cuidados médicos necessários”.

A senadora Jeanne Shaheen, democrata de New Hampshire no Comitê de Serviços Armados do Senado, foi ainda mais categórica em um comunicado na quinta-feira: “É vergonhoso que funcionários públicos dos EUA e seus entes queridos afetados por esses ataques direcionados tenham sofrido tantas dificuldades para ter acesso aos cuidados de saúde, e que ainda não temos clareza sobre a causalidade. “

Revisão da liderança

A revisão do inspetor geral, que ainda não atingiu o nível de uma investigação formal, está examinando especificamente como os policiais doentes são atendidos.

Ao mesmo tempo, o diretor da CIA William Burns está reformando a equipe de liderança responsável pelo assunto e reforçando o atendimento médico disponível para as vítimas.

A ex-chefe da força-tarefa responsável por descobrir a causa desses incidentes, Cynthia Rapp, se aposentou menos de um ano depois de assumir o cargo – a segunda saída importante desde que Burns assumiu o comando da agência. A oficial e médica-chefe, vista por alguns ex-oficiais como muito cética em relação às doenças misteriosas, anunciou sua aposentadoria e foi substituída no início deste ano.

Particularmente sob o escrutínio, estava um briefing que ela deu ao Comitê de Inteligência do Senado no início deste ano, onde os senadores ficaram frustrados por ela não ter fornecido respostas satisfatórias às perguntas sobre os incidentes e como a CIA lidou com eles.

A CNN não conseguiu entrar em contato com Rapp para obter sua versão sobre o caso.

Um funcionário da CIA disse que a saída de Rapp não estava relacionada ao seu desempenho no trabalho.

“[Rapp] adiou sua aposentadoria por alguns meses em virtude da dedicação à agência e seu pessoal”, disse essa pessoa. “Sempre foi uma questão de quando ela faria a transição. Ela pegou o que não era um trabalho bem estruturado e o transformou em uma organização forte.”

O substituto de Rapp é um veterano do contraterrorismo que esteve intimamente envolvido na operação para encontrar e matar Osama bin Laden.

Burns também “triplicou o número de profissionais médicos em tempo integral na CIA que se concentram nessas questões”, disse ele em entrevista à NPR na quinta-feira (22).

“Reduzimos o tempo que levava para esperar para entrar em Walter Reed para nossos oficiais de mais de oito semanas para menos de duas semanas”, disse ele. “Estamos muito focados nisso.”

Burns recebeu elogios de algumas ex-vítimas por ter lidado com a questão desde que assumiu o lugar de Haspel, que algumas vítimas consideraram lenta em responder ao que consideram uma crise de segurança nacional e saúde pessoal.

“[Burns] demonstrou um compromisso pessoal em fornecer assistência médica para policiais feridos e também está alocando recursos e pessoal adequados para descobrir quem está por trás desses ataques”, disse Marc Polymeropoulos, um ex-oficial sênior da CIA que se aposentou em meio a sintomas debilitantes que começou sofrendo em Moscou em 2017, onde ajudava a administrar as operações clandestinas da agência na Rússia.

“É uma mudança muito bem-vinda em relação à equipe de liderança anterior, que às vezes desconsidera as vítimas e tratou esta questão como um vício incômodo, um verdadeiro desafio à segurança nacional ”, acrescentou.

“Incidentes de saúde anômalos”

O desafio para os funcionários do governo rastrearem esses relatórios é que não há uma maneira infalível de diagnosticar casos como a Síndrome de Havana, que o governo chama de “incidentes de saúde anômalos”. As vítimas sofrem uma miríade de sintomas diferentes, inicialmente e ao longo do tempo, e cientistas, engenheiros e especialistas médicos estão divididos sobre se todos os casos sob investigação podem ser atribuídos a uma única causa.

Algumas vítimas relataram sentir vertigem repentina, dores de cabeça e pressão na cabeça, às vezes acompanhadas por um “ruído penetrante”. E alguns relataram ser capazes de escapar dos sintomas simplesmente mudando-se para outro cômodo – e voltando para dentro deles e ficando na posição original.

Outros incidentes relatados anteriormente apontaram que autoridades americanas adoeceram na China e no Reino Unido.

Os estranhos episódios também atingiram as famílias de autoridades americanas no exterior. Um oficial militar começou a sentir sintomas em um cruzamento no Tajiquistão. Seu filho bebê começou a chorar – e parou assim que o veículo saiu do cruzamento.

Também houve uma série de episódios sob investigação com possíveis casos nos Estados Unidos, incluindo dois membros da equipe do conselho de segurança nacional do então presidente Donald Trump que se sentiram mal perto dos pontos de entrada da Casa Branca.

Da Rússia com amor?

A Rússia é um dos poucos países que dedicou pesquisa e desenvolvimento ao que alguns especialistas acreditam ser o tipo de arma que pode causar sintomas consistentes com a Síndrome de Havana.

Mas as informações que apontam para a Rússia como possível culpado são todas circunstanciais, de acordo com várias fontes familiarizadas com o assunto, tornando difícil para analistas avaliar com alguma certeza que Moscou está por trás dos episódios.

“Pode ser, mas … não quero sugerir até que possamos tirar algumas conclusões mais definitivas sobre quem pode ser”, disse Burns à NPR. “Existem várias possibilidades.”

Na África, por exemplo, a Rússia é vista como um provável suspeito porque Moscou – em particular os quase-oficiais mercenários russos conhecidos como Grupo Wagner – é conhecida por ter uma presença em todo o continente.

Mas mesmo a tecnologia que pode causar esse conjunto inconsistente de sintomas é uma questão de debate público.

Um relatório de março da National Academy of Sciences descobriu que “energia de radiofrequência pulsada e dirigida” era a causa mais provável do estranho conjunto de sintomas – a chamada energia de microondas – mas alguns funcionários alertam que mesmo isso não é conhecido com certeza e alguns acadêmicos rejeitaram publicamente a teoria como sem suporte.

Depois, há a questão da intenção.

Alguns oficiais que rastreiam a Síndrome de Havana sugerem que, se um adversário estrangeiro estiver usando algum tipo de arma de energia dirigida, seu objetivo pode não ser assediar ou mutilar funcionários dos EUA, mas sim coletar informações de seus telefones celulares.

Pelo menos alguns ex-funcionários e legisladores que rastreiam a questão agora acreditam que os funcionários do Departamento de Estado e do Departamento de Defesa que adoeceram em todo o mundo podem ter danos colaterais, e que o alvo principal foram os oficiais de inteligência – mais uma questão em décadas no mundo da espionagem entre a Rússia e os Estados Unidos.

Mas, por enquanto, os oficiais continuam a ser afligidos em todo o mundo, e a verdade permanece desconhecida.

*Kylie Atwood da CNN contribuiu para esta reportagem.

 (Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN