Inteligência da polícia dos EUA foi trocada dias antes da invasão ao Capitólio

Fontes afirmaram à CNN Internacional com exclusividade que a mudança repentina causou confusão interna antes da tomada do Congresso por apoiadores de Trump

Manifestantes invadem o Capitólio, sede do Congresso dos EUA
Manifestantes invadem o Capitólio, sede do Congresso dos EUA Foto: Stephanie Keith/Reuters

Whitney WildZachary Cohenda CNN*

Ouvir notícia

Cerca de dois meses antes da invasão ao Capitólio dos Estados Unidos — conhecido pelos norte-americanos como “motim de 6 de janeiro” —, a polícia do Congresso americano contratou duas pessoas incomuns para revisar a operação de inteligência do departamento, dando-lhes o controle sobre uma unidade que já havia respondido por treinamento inadequado e falta de padrões claros durante anos.

As mudanças tiveram como objetivo aguçar o foco da Divisão de Coordenação de Inteligência e Interagências, os olhos e ouvidos da Polícia do Capitólio. A necessidade era particularmente urgente, uma vez que as ameaças contra legisladores individuais estavam aumentando.

Mas fontes disseram à CNN Internacional que a revisão rápida, embora bem intencionada, causou confusão interna durante as semanas críticas antes da invasão ao Capitólio e embaralhou as prioridades da mesma divisão, cujo trabalho ajudou a determinar a presença de segurança da Polícia do Capitólio naquele dia.

Uma das autoridades de inteligência de alto escalão contratadas para reformar a unidade, Julie Farnam, compareceu na quinta-feira (4) perante o Comitê Seleto da Câmara que investigava a invasão, disse uma fonte familiarizada com o assunto à CNN. A fonte se recusou a fornecer detalhes sobre a natureza do que foi discutido.

Entrevistas da CNN com pessoas familiarizadas com a unidade de inteligência, bem como uma revisão de documentos internos não publicados anteriormente, mostram que antes de 6 de janeiro de 2001 (data da invasão ao Capitólio) como parte da revisão, os analistas estavam sobrecarregados com casos que outras unidades vinham tratando.

Alguns na unidade se sentiram despreparados para suas tarefas. Outros temiam que eles estejam duplicando os esforços de outros no departamento de polícia do Capitólio, com 2.300 pessoas.

Uma fonte familiarizada com a reforma disse que as mudanças foram feitas rápido demais, e que os funcionários da unidade de inteligência relativamente pequena — segundo alguns relatos, cerca de 20 pessoas — não receberam treinamento suficiente para realizar novas tarefas.

“Eles foram puxados em tantas direções diferentes que seria impossível pegar o que deveriam”, disse a fonte à CNN.

A revisão pareceu inoportuna a muitos familiarizados com a unidade de inteligência e suas lutas anteriores. Como as ameaças contra membros do Congresso se tornaram a prioridade, alguns pensaram que isso custava a preparação para um ataque generalizado de uma multidão no Capitólio.

“Iniciar mudanças significativas na missão, práticas e procedimentos da unidade de inteligência em meio a uma pandemia, convulsão político-social, enquanto anarquistas locais se metastatizavam nas redes sociais, foi uma receita para o desastre”, disse Terry Gainer, ex-chefe do Capitólio Polícia e agora colaborador da CNN.

“Mudanças dessa magnitude exigiam comunicação, treinamento, teste e coordenação quase perfeitos com os comandantes operacionais antes da implementação”, disse Gainer. “Não era hora de se distrair.”

Confusão era “um recurso, não um erro” da Polícia

Esses detalhes recém-relatados se encaixam em uma narrativa mais ampla de um aparato policial pego de surpresa pelo que aconteceu em 6 de janeiro. A Polícia do Capitólio não foi a única agência governamental surpresa com o ataque. O FBI e o Departamento de Segurança Interna não perceberam os principais sinais de alerta, incluindo aqueles que surgiram nas redes sociais nos dias anteriores ao ataque.

Mas os colapsos dentro da unidade de inteligência da Polícia do Capitólio foram particularmente graves, disseram fontes à CNN. Os relatórios do inspetor geral denunciaram a unidade por falta de treinamento, mesmo antes da reorganização, e as fontes dizem que o desempenho era insuficiente.

“Disfunção interna e confusão entre os analistas de inteligência do USCP [sigla em inglês para Polícia do Capitólio] eram uma característica, não um bug“, disse uma fonte familiarizada com as investigações do Congresso sobre as falhas da Polícia do Capitólio antes de 6 de janeiro.

Manifestantes pró-Trump invadem Capitólio
Manifestantes pró-Trump invadiram o Capitólio em 6 de janeiro de 2021 / Foto: Leah Millis/Reuters

Um relatório recente do inspetor geral detalhou as deficiências de longa data da Polícia do Capitólio. “Também identificamos deficiências relacionadas à inteligência na estrutura organizacional, treinamento, padrões profissionais, controles internos e capacidade de coletar, processar e disseminar informações de inteligência com eficácia”, diz trecho do documento.

Contra esse pano de fundo, apenas um dia antes do ataque ao Capitólio, enquanto os desordeiros chegavam a Washington com a intenção de invadir o Capitólio, a unidade de inteligência ainda estava lutando para saber como responder às perguntas mais básicas.

Em uma troca de e-mail reveladora revisada pela CNN, em 5 de janeiro, portanto, um dia antes da invasão, um analista de inteligência que tradicionalmente não trabalhava em avaliações de ameaças pediu a Farnam, o novo vice-diretor da divisão, que esclarecesse o que constituía uma ameaça.

“Existe um palavreado específico para determinar se é uma ameaça diferente do óbvio ‘Eu vou te matar?’”, escreveu o funcionário.

“Esta é uma boa pergunta”, Farnam respondeu. “Todos vocês são analistas e ao ler esses alertas, acredito que serão capazes de reconhecer uma ameaça.”

Nova liderança

Para reformar sua unidade de inteligência, a liderança da Polícia do Capitólio recorreu a duas pessoas incomuns — Farnam, uma ex-oficial do DHS, e Jack Donohue, um veterano de 32 anos do Departamento de Polícia de Nova York especializado em ameaças extremistas.

A Polícia do Capitólio se recusou a disponibilizar Farnam para uma entrevista. Donohue, que deixou a Polícia do Capitólio depois de menos de um ano no departamento, junto com vários outros funcionários do USCP, não foi encontrado para comentar.

Originalmente, o departamento pretendia contratar apenas Donohue para ocupar o cargo de diretor, disse uma fonte familiarizada com o processo de contratação. Mas Farnam teve um desempenho tão bom em sua entrevista que a liderança da Polícia do Capitólio a contratou para trabalhar com Donohue, disse essa fonte.

Após sua contratação, Farnam foi informada de que a unidade de inteligência precisava de uma revisão completa. Ela rapidamente começou a se reunir com cada funcionário dentro da unidade individualmente para explicar seus objetivos e visão, de acordo com a Polícia do Capitólio.

Pela primeira vez, o departamento diz que os analistas receberam expectativas de desempenho por escrito. Farnam identificou o treinamento que todo analista precisava ter e instituiu reuniões semanais da equipe para fornecer atualizações e responder a perguntas, disse o departamento.

Em meados de novembro, Farnam estava definindo novas prioridades. Em um e-mail, ela deixou claro que queria que os funcionários gastassem mais tempo investigando casos individuais de ameaças a legisladores, especialmente porque essas ameaças estavam aumentando.

Apoiadores de Trump invadem o Capitólio
Apoiadores de Trump invadem o Capitólio / Foto: Reuters

A Polícia do Capitólio diz que rastreou mais de 8.600 ameaças a membros em 2020, um aumento de mais de 20 por cento em relação ao ano anterior.

“Uma das funções mais importantes que desempenhamos como divisão é identificar ameaças aos membros do Congresso”, escreveu Farnam. “Identificamos ameaças, mas geralmente não damos os próximos passos para identificar a pessoa que postou as informações depreciativas.”

No entanto, fontes dizem que as novas demandas de Farnam vieram sem treinamento adequado. Comunicações internas obtidas pela CNN indicam que alguns funcionários de inteligência ficaram confusos sobre suas novas prioridades e ficaram sobrecarregados.

Após a rebelião em 6 de janeiro, a frustração entre alguns funcionários da unidade de inteligência transbordou, conforme demonstrado por um e-mail, que a CNN teve acesso, que um funcionário enviou a alguns líderes da Polícia do Capitólio em 9 de janeiro.

“Com muita frequência, analistas e investigadores são forçados a apagar pequenos incêndios à medida que surgem e não perder tempo pensando e fazendo avaliações abrangentes de qualidade”, escreveu o funcionário. “Ficar sobrecarregado com o trabalho do caso faz com que analistas e investigadores analisem as informações, em vez de dar tempo para produzir avaliações analíticas reais.”

A Polícia do Capitólio contesta a noção de que a revisão tirou os analistas de suas áreas de especialização, dizendo que, em vez disso, Farnam buscou “expandir o conjunto de habilidades e fortalecer as capacidades” da unidade.

Questionada sobre as alegações de que os analistas estavam confusos e frustrados com seus novos mandatos, a Polícia do Capitólio respondeu que “não é incomum que líderes nomeados para trazer mudanças encontrem resistência”. “Essas mudanças são essenciais mesmo se certos indivíduos na equipe não os abrace.”

Lista de tarefas aumenta

Fontes apontaram a CNN para dois projetos em particular que Farnam ordenou que parecessem um tanto fora do alvo, dada a crescente evidência na mídia social de que os apoiadores do ex-presidente dos EUA Donal Trump estavam planejando protestos armados em Washington.

Em dezembro de 2020, ela pediu a alguns membros da equipe uma visão geral histórica das tentativas de assassinato tanto nos Estados Unidos quanto no exterior, incluindo “todos os níveis do governo em todo o mundo”.

“Eu realmente não sei o propósito de uma tarefa como essa”, disse uma fonte familiarizada com o departamento, que soube do projeto meses depois. “Não acho que seja um bom uso de recursos.”

Apenas quatro dias antes da invasão ao Capitólio nos EUA, após a notícia de que as casas da presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e do líder republicano do Senado, Mitch McConnell, haviam sido vandalizadas.

Farnam pediu uma avaliação dos incidentes de manifestações e vandalismo contra as casas de membros do Congresso, bem como do estado e autoridades locais em todo o país.

Donald Trump discursa a apoiadores antes de ataque ao Capitólio em Washington
Donald Trump discursa a apoiadores antes de ataque ao Capitólio em Washington / Foto: Jim Bourg/Reuters (6.jan.2021)

Em resposta às perguntas da CNN para essa reportagem, a Polícia do Capitólio defendeu os pedidos de Farnman, dizendo que eles eram necessários dado que as ameaças contra os membros têm crescido “exponencialmente” nos últimos anos. A análise de assassinato “fornece um contexto importante ao investigar essas ameaças”, disse a Polícia do Capitólio por e-mail.

Nos dias após o ataque de 6 de janeiro, a credibilidade — já baixa — dentro da divisão de inteligência despencou de acordo com fontes com as quais a CNN falou. O funcionário que escreveu o e-mail de 9 de janeiro ficou perturbado com o que considerou uma catástrofe evitável.

“Fiquei propositalmente quieto por vários dias para me acalmar, mas saiba que estou cheio de raiva e frustração”, escreveu o funcionário.

“Nós, analistas, temos relatado há semanas que grupos Patriot estão comentando nas redes sociais suas intenções de invadir o Capitólio dos Estados Unidos com números esmagadores”, escreveu o funcionário. “Não sei o que estava acontecendo nos bastidores, mas espero que essa informação tenha sido informada com a veracidade que merece”, escreveu o funcionário.

(*Esse texto foi traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN