Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Inundações no norte da Itália deixam 9 mortos e cancelam corrida de F1

    Grande Prêmio foi postergado para evitar aglomeração de fãs em regiões inundadas; cerca de 14 mil pessoas foram retiradas de áreas mais afetadas, segundo Ministério do Interior

    Inundação na região italiana de Emilia-Romagna.
    Inundação na região italiana de Emilia-Romagna. Jennifer Lorenzini/Reuters (17.mai.23)

    Claudia GrecoCrispian BalmerAngelo AmanteAlvise Armellinida Reuters

    Bolonha, Itália

    Nove pessoas morreram e milhares foram retiradas de suas casas quando chuvas torrenciais atingiram a região de Emilia-Romagna, no norte da Itália, provocando inundações e deslizamentos de terra, disseram autoridades na quarta-feira (18).

    O ministro da Proteção Civil, Nello Musumeci, disse que algumas áreas receberam metade da precipitação anual média em apenas 36 horas, fazendo com que os rios transbordassem, enviando água em cascata pelas cidades e submergindo milhares de hectares de terras agrícolas.

    O Grande Prêmio de Fórmula 1 de domingo em Ímola, circuito que fica próximo de muitas das áreas mais atingidas, foi cancelado, em uma iniciativa para aliviar a pressão sobre os serviços de emergência e impedir que os fãs de automobilismo convergissem para a região inundada.

    “Estamos enfrentando eventos catastróficos que provavelmente nunca foram vistos antes”, disse o presidente da região de Emilia-Romagna, Stefano Bonaccini, a jornalistas. “Quantidades extraordinárias de chuva caíram em terras que não são mais capazes de absorvê-las.”

    A cidade costeira de Ravenna, no Adriático, famosa por seus antigos patrimônios cristãos, foi gravemente afetada. O representante local do Ministério do Interior disse que cerca de 14.000 pessoas teriam que ser retiradas da área o mais rapidamente possível.

    As autoridades disseram que as inundações atingiram 37 cidades e comunidades e cerca de 120 deslizamentos de terra foram registrados. Pelo menos uma ponte, perto da cidade de Bolonha, desabou, algumas estradas foram prejudicadas pelas enchentes e muitos serviços ferroviários foram suspensos.

    Nove corpos foram recuperados de vários locais, disse Bonaccini. Irene Priolo, vice-presidente da região, disse aos repórteres que, embora as chuvas estivessem diminuindo, o nível dos rios ainda estava subindo.

    O ministro da Proteção Civil, Nello Musumeci, disse que pediria ao gabinete que encontrasse 20 milhões de euros para a área afetada, quando se reunir em 23 de maio para considerar medidas de socorro.

    Funcionários do governo disseram que os pagamentos de impostos e hipotecas seriam suspensos para as regiões atingidas pelas enchentes durante a emergência.

    Foi a segunda vez neste mês que a Emilia-Romagna foi atingida pelo mau tempo, com pelo menos duas pessoas morrendo durante as tempestades do início de maio.

    Águas barrentas correram pelos centros históricos de Faenza, Cesena e Forli, lavando os tetos de carros estacionados, submergindo algumas lojas e forçando os moradores a fugir para os andares mais altos de suas casas.

    Musumeci disse que entre 200 mm e 500 mm de chuva caíram em algumas partes da região em 1 dia e meio, em comparação com a precipitação média anual de 1.000 mm.