Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Irã está por trás dos grupos que atacam tropas dos EUA, diz Pentágono

    Mais de 40 militares ficaram feridos e três morreram em ofensiva na Jordânia

    Imagem de satélite mostra a base americana "Tower 22", na Jordânia, que foi alvo de ataque de drone que matou 3 militares dos EUA.
    Imagem de satélite mostra a base americana "Tower 22", na Jordânia, que foi alvo de ataque de drone que matou 3 militares dos EUA. Planet Labs PBC

    Tiago Tortellada CNN

    O Pentágono informou que mais de 40 militares ficaram feridos no ataque a uma base com tropas dos Estados Unidos na Jordânia, destacando também que o Irã está “por trás” dos grupos que realizam ataques contra os soldados americanos no Oriente Médio.

    “Sobre a atribuição do ataque, sabemos que se trata de uma milícia apoiada pelo Irã, tem as “digitais” do Keitab Hezbollah, mas não [estou] fazendo uma avaliação final sobre isso”, destacou Sabrina Singh, secretária de imprensa do Pentágono em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (29).

    “As nossas equipes continuam fazendo análises, mas sabemos que… o Irã está por trás disso. E, certamente, o Irã continua armando e equipando estes grupos para lançar esses ataques e certamente iremos responsabilizá-los”, adicionou.

    Ainda durante a coletiva, Singh pontuou que o Irã “arma, equipa e financia” os grupos, tendo “digitais” no ataque. Entretanto, não informou outros detalhes, por exemplo, se líderes iranianos conduziram o ataque.

    A ação na Jordânia deixou ao menos três soldados mortos, segundo as autoridades norte-americanas, arrastando os EUA ainda mais para o conflito no Oriente Médio. O número de feridos pode aumentar.

    EUA não procuram guerra com Irã

    Ao mesmo tempo, os Estados Unidos “não procuram guerra” com o Irã, mesmo que não tenham excluído a possibilidade de ataques no país do Oriente Médio.

    “Não procuramos uma guerra com o Irã, não procuramos um conflito militar com o regime”, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby.

    “Não pretendemos escalar [o conflito] aqui. Este ataque no fim de semana foi escalonado, não se engane. E exige uma resposta, não se engane quanto a isso. Não vou me antecipar à tomada de decisão do presidente”, colocou.