Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Irã pode ser expulso de corpo de mulheres da ONU

    EUA elaboraram uma resoulação para remover o país; votação acontece nesta quarta-feira (14)

    Bandeira do Irã
    Bandeira do Irã 1/3/2021 REUTERS/Lisi Niesner

    Da Reuters

    O Irã parece estar prestes a ser destituído de um órgão de mulheres da ONU por políticas contrárias aos direitos de mulheres e meninas, mas vários países devem se abster na votação solicitada pelos Estados Unidos, disseram diplomatas.

    O Conselho Econômico e Social da ONU (ECOSOC), de 54 membros, votará nesta quarta-feira (14) uma resolução elaborada pelos EUA para “remover com efeito imediato a República Islâmica do Irã da Comissão sobre o Status da Mulher pelo restante de seu mandato de 2022-2026”.

    A Comissão sobre o Estatuto da Mulher, composta por 45 membros, se reúne anualmente todo mês de março e tem como objetivo promover a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres.

    Uma autoridade dos EUA disse à Reuters que eles “viram apoio consistentemente crescente” para remover o Irã.

    O Irã, 17 outros estados e os palestinos argumentaram em uma carta ao ECOSOC que uma votação “indubitavelmente criará um precedente indesejado que acabará por impedir outros Estados-Membros com diferentes culturas, costumes e tradições… de contribuir para as atividades de tais Comissões”.

    A carta instou os membros a votarem contra a medida dos EUA para evitar uma “nova tendência de expulsar Estados soberanos e legitimamente eleitos de qualquer órgão do sistema internacional, se algum dia for considerado inconveniente e uma maioria circunstancial puder ser garantida para impor tais manobras”.

    Apenas cinco dos signatários da carta são atualmente membros do ECOSOC e podem votar.

    A República Islâmica enforcou um homem em público que a mídia estatal disse ter sido condenado pelo assassinato de dois membros das forças de segurança, a segunda execução em menos de uma semana de pessoas envolvidas em protestos contra a teocracia governante do Irã.

    A agitação em todo o país eclodiu três meses atrás após a morte durante a detenção da iraniana curda Mahsa Amini, de 22 anos, que foi presa pela polícia de moralidade que aplicava as leis de código de vestimenta obrigatórias da República Islâmica.

    As manifestações se transformaram em uma revolta popular de iranianos furiosos de todas as camadas da sociedade, representando um dos desafios de legitimidade mais significativos para a elite clerical xiita desde a Revolução Islâmica de 1979.

    O Irã culpou seus inimigos estrangeiros e seus agentes pela agitação.

    O Conselho de Direitos da ONU, com sede em Genebra, votou no mês passado para nomear uma investigação independente sobre a repressão mortal de protestos no Irã, passando a moção para aplausos de ativistas.

    Teerã acusou os Estados ocidentais de usar o conselho para atacar o Irã em uma ação “terrível e vergonhosa”.