Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Israel chama proposta do Hamas de ridícula, mas vai enviar negociadores ao Catar

    O Hamas apresentou uma nova proposta na quinta-feira (14), incluindo pedidos para que um grande número de prisioneiros palestinos seja libertado e um eventual acordo sobre um cessar-fogo permanente

    Pessoas observam a destruição no campo de refugiados de Jabalia, em Gaza, após ataques israelenses ao enclave
    Pessoas observam a destruição no campo de refugiados de Jabalia, em Gaza, após ataques israelenses ao enclave nesta imagem estática de vídeo obtida pela REUTERS.14/10/2023

    Alex Marquardtda CNN

    Israel chamou o mais recente conjunto de exigências do Hamas de “ridículo” e “absurdo”, mas disse que enviará uma equipe de negociação ao Catar nos próximos dias para continuar as negociações sobre um cessar-fogo na guerra em Gaza e a libertação de reféns mantidos pelo grupo terrorista.

    O Hamas apresentou uma nova proposta na quinta-feira (14), incluindo pedidos para que um grande número de prisioneiros palestinos seja libertado e um eventual acordo sobre um cessar-fogo permanente.

    A resposta do Hamas foi muito aguardada depois que as discussões sobre uma pausa de seis semanas nos combates ficaram travadas. O governo de Biden tem dito repetidamente nas últimas semanas que o ônus era a resposta do Hamas e que Israel concordou, de forma geral, com a estrutura do acordo.

    O Hamas comunicou sua última proposta por meio de mediadores do Catar e do Egito na quinta-feira, disseram à CNN duas fontes familiarizadas com as negociações.

    Na sexta-feira (15), o gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que “o Hamas continua a manter exigências irreais”, mas anunciou que uma equipe israelense estará viajando, em breve, para Doha para novas negociações.

    Espera-se que um acordo, se acontecer, tenha várias fases e, no primeiro estágio, o Hamas propôs a libertação dos reféns israelenses que são mulheres – incluindo soldados das FDI – idosos, doentes e feridos.

    Acredita-se que esse número seja de cerca de 40 dos 100 reféns que permanecem vivos.

    A última proposta do Hamas exige que cerca de 700 a mil prisioneiros palestinos sejam libertados, disse um diplomata familiarizado com as discussões à CNN, confirmando reportagens anteriores da Reuters.

    Em uma segunda fase, o Hamas disse que cada lado deveria libertar todos os reféns e prisioneiros remanescentes, o que incluiria soldados e prisioneiros palestinos. A proposta do Hamas incluiu 100 prisioneiros cumprindo penas de prisão perpétua em prisões israelenses, disse o diplomata.

    Mas os pontos mais difíceis podem ser as exigências do Hamas de que, após a troca inicial de reféns e prisioneiros, Israel concorde com um cessar-fogo permanente e uma retirada dos militares israelenses de Gaza.

    O governo de Israel disse repetidamente que esses termos são inaceitáveis e que eles ainda pretendem continuar a luta contra o Hamas até “a vitória completa.”

    Os líderes de Israel também prometeram realizar uma ofensiva terrestre na cidade de Rafah, no sul de Gaza, onde quase 1,5 milhão de palestinos buscaram refúgio.

    O diplomata familiarizado com as discussões disse: “Não vai ser fácil convencer os israelenses dessa [proposta do Hamas].”

    ‘Negociações difíceis são esperadas’

    Um funcionário israelense ecoou o sentimento à CNN, prevendo que “negociações muito difíceis são esperadas”, mas disse que os negociadores estão indo para Doha porque o Hamas finalmente entregou uma resposta.

    A equipe deve deixar Israel no início da próxima semana, disse um segundo funcionário israelense, e uma decisão será tomada até o final do sábado sobre o escopo do que a equipe de negociação israelense pode concordar. Mesmo que tanto o Hamas quanto Israel participem das negociações, os dois lados não estariam na mesma sala.

    O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse na sexta-feira que o fato de Israel ter enviado uma equipe para prosseguir com as negociações “reflete o senso de possibilidade e urgência para obter um acordo, obter um cessar-fogo, recuperar os reféns, obter ainda mais assistência humanitária.”

    “O que posso dizer é que estamos trabalhando intensamente com Israel, com o Catar, com o Egito, para preencher as lacunas restantes e tentar chegar a um acordo”, disse Blinken.

    O diretor da CIA, Bill Burns, tem sido a pessoa de destaque do governo Biden nas discussões de cessar-fogo e recentemente retornou de uma viagem ao Egito, Catar e Jordânia, onde também se encontrou com o diretor israelense da Mossad, David Barnea.

    O governo de Biden não planeja enviar uma equipe ao Catar para a próxima rodada de discussões, mas na sexta-feira, o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, disse que a resposta do Hamas está “dentro dos limites do acordo em que estamos trabalhando há vários meses. Não quero entrar em mais detalhes do que isso”, disse ele, sugerindo que a delegação que vai a Doha para negociações é um sinal positivo, mas que qualquer acordo final pode mudar após as negociações.

    “O fato de que fisicamente não teremos uma delegação lá não deve ser tomado como qualquer tipo de sinal de que este não é um movimento sério e positivo. Achamos que poderia ser”, disse Kirby à MJ Lee da CNN em uma coletiva de imprensa na Casa Branca.

    A administração de Biden tem pedido cada vez mais um “cessar-fogo imediato” de pelo menos seis semanas. Eles definiram o início do Ramadã, no início desta semana, como um objetivo para que ele começasse e expressaram otimismo que seria possível. Mas o início do mês sagrado muçulmano passou sem um acordo.

    Em uma reunião do Salão Oval na sexta-feira, o primeiro-ministro da Irlanda pediu um cessar-fogo “o mais rápido possível”, que Biden acenou com a cabeça e disse que concordou.

    Um alto funcionário do Hamas observou a caracterização da Casa Branca da resposta do grupo, dizendo que “confirma a seriedade do movimento [Hamas] em chegar a um acordo para um cessar-fogo.”

    “Não aceitaremos nada menos do que o fim da agressão a Gaza, o retorno dos deslocados, a retirada da ocupação e a entrada da ajuda humanitária”, disse à CNN Basem Naim, membro sênior do escritório político do grupo.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original