Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Israel diz que Hamas continua a “se afastar” de acordo para libertar reféns

    Porta-voz israelense afirmou que o gabinete de guerra do país realizou uma reunião para discutir como “destruir os últimos vestígios dos batalhões do Hamas em Rafah

    Familiares de reféns do Hamas exigem investigação contra lideranças do grupo
    Familiares de reféns do Hamas exigem investigação contra lideranças do grupo Reuters

    Da Reuters

    O Hamas “se afastou” das negociações para libertar reféns, disse o porta-voz de Israel, David Mencer, nesta quinta-feira (25).

    “Eles se afastam de qualquer acordo potencial, apesar de Israel ter realmente feito esforços extremos para tentar levar o nosso povo para casa. É o Hamas que se afasta”, afirmou.

    Os Estados Unidos e outros 17 países com cidadãos sequestrados pelo Hamas emitiram também nesta quinta um apelo ao grupo para libertar os reféns doentes, idosos e feridos como forma de acabar com a crise em Gaza.

    Um funcionário de alto escalão dos EUA, ao informar os repórteres sobre a declaração, disse que havia algumas indicações de que poderia haver um caminho para um acordo sobre a crise dos reféns, mas que não estava totalmente confiante.

    Durante a coletiva de imprensa, Mencer acrescentou que o gabinete de guerra israelense realizou uma reunião para discutir como “destruir os últimos vestígios dos batalhões do Hamas em Rafah e outros locais de Gaza”.

    Israel intensificou os ataques aéreos em Rafah durante a noite, matando pelo menos seis palestinos, disseram médicos.

    Israel havia afirmado que retiraria os civis da cidade fronteiriça de Gaza e a atacaria, apesar dos avisos dos aliados de que isso poderia causar vítimas em massa.

    A guerra, agora no seu sétimo mês, matou pelo menos 34.305 palestinos, informaram as autoridades de saúde de Gaza numa atualização na quinta-feira.

    A ofensiva destruiu grande parte do território palestino densamente povoado e amplamente urbanizado, deslocando a maior parte dos seus 2,3 milhões de habitantes e aumentando o espectro da fome.

    Israel prometeu acabar com o Hamas desde o ataque transfronteiriço do grupo palestino em 7 de outubro, no qual 1.200 pessoas foram mortas e 253 feitas reféns, de acordo com registros israelenses.