Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Israel diz ter retomado controle das áreas ao redor de Gaza após ataques do Hamas

    Anúncio vem mais de 48 horas após o Hamas lançar um ataque surpresa às áreas de Israel próximas à fronteira com a Faixa de Gaza

    Movimentação de militares do Exército de Israel em contraofensiva contra o grupo islâmico Hamas
    Movimentação de militares do Exército de Israel em contraofensiva contra o grupo islâmico Hamas Ilia Yefimovich/picture alliance via Getty Images

    Da CNN

    Tel Aviv

    O porta-voz das Forças de Defesa de Israel (FDI), o almirante Daniel Hagari, declarou, na manhã desta segunda-feira (9), que as tropas israelenses retomaram o controle de todas as comunidades ao redor da Faixa de Gaza. Segundo ele, não há mais combates entre as FDI e o Hamas.

    O anúncio foi feito mais de 48 horas após o Hamas ter lançado um ataque surpresa, no sábado (7), com milhares de foguetes e enviado combatentes através da fronteira, numa incursão que Israel não via desde a Guerra da Independência de 1948.

    A guerra se intensificou quando o grupo libanês Hezbollah emitiu um comunicado reivindicando a responsabilidade por atacar três locais israelenses em uma área conhecida como Fazendas Shebaa, usando mísseis e artilharia.

    Israel respondeu aos ataques disparando contra a área do Líbano onde o ataque se originou, de acordo com a FDI anteriormente.

    O número de mortos aumenta na medida em que os combates se intensificam — os números de domingo saltaram para mais de 430 em Gaza, com cerca de 2.200 feridos, segundo o Ministério da Saúde palestino em Gaza; e mais de 700 mortos em Israel, segundo a FDI.

    Contra-ataques

    Na cidade de Gaza, um campo de refugiados palestinos foi atingido por ataques aéreos de Israel nesta segunda-feira (9).

    “Sem aviso, eles nos atingiram sem qualquer aviso. Era um [avião] F-16. Não houve aviso, nada. E você pode ver a destruição, veja por si mesmo”, disse à Reuters um homem não identificado no campo de refugiados de Shati.

    Dezenas de milhares de pessoas foram deslocadas em Gaza enquanto a FDI continua a atacar as posições do Hamas na faixa, segundo a Agência de Assistência e Obras das Nações Unidas (UNRWA, na sigla em inglês) no domingo.

    Quase 74 mil pessoas estão agora em 64 abrigos da UNRWA, afirma a declaração da agência.

    “As escolas e outras infraestruturas civis, incluindo aquelas que abrigam famílias deslocadas, nunca devem ser atacadas”, criticou a UNRWA.

    O Hamas disse ter lançado mais 100 mísseis contra Israel, tendo como alvo o Aeroporto Internacional Ben Gurion. O grupo palestino disse também ter atacado Ashkelon, cidade ao sul de Israel.

    Veja imagens do segundo dia de conflitos entre Israel e Hamas

    Como surgiu o conflito?

    O professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pesquisador da Universidade de Jerusalém Michel Gherman relembrou, em entrevista à CNN no sábado (7), o início do conflito entre Israel e Palestina, que tem origem mais recente na virada do século 19 para o século 20.

    “O conflito palestino-israelense pode ser vinculado ao início da imigração judaica-palestina, que começa com o projeto de formação do estado judeu na Palestina ainda como referência, como horizonte de possibilidade. Começam a construir, no final do século 19 e início do século 20, colônias e uma estrutura própria estatal que tem como elemento fundamental a fuga do antissemitismo na Europa e a possibilidade de construção de um discurso nacional”, explicou Gherman.

    Segundo o professor, o conflito se acentua ainda nos anos 1920, quando o Movimento Nacional Palestino, que também estava nascendo, passou a tratar os judeus que chegavam às colônias na Palestina como inimigos, e ganha nova escala na década seguinte.

    Os anos 1930, conforme lembra Gherman, são marcados pelo antissemitismo pautado pelo surgimento e o fortalecimento do nazismo na Europa, sobretudo na Alemanha e na Áustria.

    “Neste momento, algumas lideranças palestinas começam a apoiar Hitler, e os judeus começam a chegar em massa na Palestina”, afirmou.

    Veja também: Número de mortos no ataque a Israel sobe para 1,1 mil e de feridos, para 2 mil

    Com informações de Gustavo Zanfer, da CNN, da CNN Internacional e da Reuters