Israel proíbe voos internacionais para conter disseminação da Covid-19

O país está sob um terceiro lockdown nacional desde 27 de dezembro

Foto: Reuters

Por Dan Williams e Maayan Lubell,

da Reuters

Ouvir notícia

Israel vai proibir voos de passageiros dentro e fora do país na noite de segunda-feira (25), por uma semana, anunciou o governo no domingo, enquanto manifestantes em algumas comunidades judaicas ultraortodoxas entraram em confronto com a polícia por causa de medidas de bloqueio contra o coronavírus.

Os confrontos eclodiram entre manifestantes ultraortodoxos na cidade de Bnei Brak e as forças policiais que vieram para reforçar o bloqueio. Um policial, sentindo que sua vida estava em perigo, atirou para o ar para repelir a multidão, disse a polícia. Confrontos menores com manifestantes ultraortodoxos estouraram em várias outras cidades, disse a polícia.

A proibição de voos entrará em vigor a partir de segunda-feira às 22h GMT e durará até o final de janeiro, disse o gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu em um comunicado.

“Além de raras exceções, estamos fechando o céu hermeticamente para evitar a entrada de variantes do vírus e também para garantir que progredamos rapidamente com nossa campanha de vacinação”, disse Netanyahu em declarações públicas no início de uma reunião de gabinete.

As fronteiras do país foram em grande parte fechadas para estrangeiros durante a pandemia, com permissão de entrada apenas para portadores de passaporte israelense.

O país está sob um terceiro lockdown nacional desde 27 de dezembro. Os críticos dizem que o governo lidou mal com a crise, sem uma estratégia clara de longo prazo e permitindo que a política obscurecesse suas decisões.

A raiva aumentou em Israel em algumas comunidades ultraortodoxas que desafiaram as restrições de bloqueio e abriram escolas e seminários. O estudo das escrituras judaicas é um dos decretos religiosos mais importantes para judeus ultraortodoxos.

Os partidos ultraortodoxos são aliados políticos do partido Likud de Netanyahu.

O governo pretendia suspender o bloqueio no final de janeiro, mas o ministro da Educação, Yoav Galant, falando na Ynet TV, disse que é muito cedo para saber se as escolas serão reabertas no próximo mês.

Israel expandiu sua campanha de vacinação rápida no domingo para incluir o final da adolescência no que o governo descreveu como um esforço para permitir sua participação nos exames escolares.

As vacinas foram inicialmente limitadas a idosos e outras categorias de alto risco, mas agora estão disponíveis para qualquer pessoa com mais de 40 anos ou – com permissão dos pais – aqueles entre 16 e 18 anos.

Israel tem a taxa de distribuição de vacinas mais rápida do mundo. Com as importações regulares de vacinas da Pfizer Inc., ela administrou pelo menos uma dose a mais de 25% de sua população de 9 milhões desde 19 de dezembro, diz o Ministério da Saúde.

Netanyahu anunciou no domingo que iria propor ao parlamento um novo pacote de ajuda para empresas, famílias e desempregados israelenses atingidos pela crise. 

Mais Recentes da CNN