Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    A 84 dias das Olimpíadas, governo do Japão diz que jogos não afetarão saúde

    Sindicato de enfermeiras revelou preocupação com a possibilidade do sistema de saúde entra em colapso com o possível aumento de casos por conta dos jogos

    Olimpíada de Tóquio seria realizada de 24 de julho a 9 de agosto
    Olimpíada de Tóquio seria realizada de 24 de julho a 9 de agosto Foto: Denis Balibouse - 24.mar.2020/ Reuters

    Reuters

    As Olimpíadas não devem ser um fardo para os sistemas médicos, disse o porta-voz do governo japonês nesta sexta-feira (30), em meio a temores de que os testes diários dos atletas taxem os recursos de saúde já estressados na luta contra a recuperação dos casos de Covid-19.

    Os Jogos serão realizados de uma maneira que fará com que todos se sintam seguros, disse o secretário-chefe do Gabinete, Katsunobu Kato, a repórteres, respondendo às preocupações levantadas por um sindicato de enfermeiras de que o maior evento esportivo do mundo esgotará os recursos médicos necessários ao público.

    Os organizadores do Tokyo 2020 divulgaram nesta semana a segunda edição dos “manuais” que estabelecem os padrões de prevenção de infecção para os Jogos de Verão, que devem começar em menos de três meses após um ano de atraso por causa da pandemia.

    As regras exigem testes diários dos atletas e restringem o uso do transporte público, complicando a logística em locais mais remotos. 

    O local para surfar nas Olimpíadas de Tóquio se recusou a criar instalações de teste e tratamento Covid-19 para atletas, citando a falta de instalações médicas, informou a NHK nesta sexta-feira (30).

    A cidade de Ichinomiya, cerca de 96 km (60 milhas) a leste de Tóquio, foi solicitada a instalar um centro de testes pela seleção brasileira, disse a NHK.

    Os surfistas brasileiros, que deveriam estar entre as medalhas na estreia olímpica do esporte, queriam se instalar perto da praia, em vez da Vila Olímpica, a cerca de duas horas de distância, disse NHK.

    Um representante do escritório de planejamento olímpico da cidade negou a reportagem quando contatado pela Reuters. Os representantes das Olimpíadas de Tóquio não responderam imediatamente quando contatados para comentar, e a seleção brasileira não foi encontrada imediatamente.

    O Japão está lutando para domar o ressurgimento do coronavírus e sua campanha de imunização, dependente até agora das importações da vacina da Pfizer Inc, está atrasada em relação a todas as outras nações ricas. 

    A ministra da Saúde, Norihisa Tamura, confirmou na sexta-feira que as primeiras doses da vacina da Moderna Inc, com previsão de aprovação em maio, chegaram ao Japão.

    O Japão inoculou apenas 1,8% de sua população, muito pouco para neutralizar uma quarta onda de casos causados ??por cepas mais infecciosas do vírus. 

    Buscando reduzir a propagação, Tóquio e Osaka permanecem em estado de emergência, previsto para durar até 11 de maio.

    “Se não avançarmos com a vacinação em massa, acabaremos com um ciclo interminável de declarações de emergência para sempre”, disse Hiroshi Mikitani, o principal executivo da empresa de comércio eletrônico Rakuten (4755.T) , à TV Asahi.

    Tóquio registrou 1.027 novos casos na quinta-feira, o maior desde 28 de janeiro durante a declaração de emergência anterior, e 698 na sexta-feira.