Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Japão realiza funeral polêmico para ex-primeiro-ministro Shinzo Abe

    Premiê foi assassinado em julho durante discurso de campanha na cidade de Nara

    Emiko Jozukada CNN

    O Japão se despediu do ex-primeiro-ministro Shinzo Abe em um elaborado funeral de Estado nesta terça-feira (27), apesar da oposição pública ao custo do evento, enquanto o país lida com o legado de seu falecido líder.

    Abe, o primeiro-ministro que mais ocupou o cargo no país, foi morto a tiros durante um discurso de campanha em Nara em julho, surpreendendo uma nação onde a violência armada é extremamente rara.

    Mais de 4.300 convidados participaram do culto na Nippon Budokan Arena em Tóquio, incluindo dignitários estrangeiros como a vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e o primeiro-ministro australiano, Anthony Albanese.

    As cinzas de Abe foram levadas para o local, onde o governo fez um vídeo em homenagem à sua vida e carreira. O primeiro-ministro, Fumio Kishida, então fez um discurso memorial, elogiando a “coragem” e dedicação de Abe.

    Outras figuras do governo, incluindo o ex-primeiro-ministro Yoshihide Suga — que foi o braço direito de Abe por muitos anos — também fizeram comentários, antes de os participantes fazerem oferendas de flores e se curvarem.

    Outros ritos cerimoniais do programa incluem uma guarda de honra, salva de tiros e apresentações musicais, antes de uma recepção do governo para dignitários estrangeiros visitantes.

    A polícia aumentou a segurança para o evento, com a emissora pública NHK relatando que cerca de 20 mil policiais foram mobilizados para manter a paz. Mas as brigas eclodiram de qualquer maneira entre a polícia e os manifestantes do lado de fora do local do funeral.

    Divisões sobre o legado

    Na manhã desta terça (27), multidões fizeram fila do lado de fora dos memoriais designados para deixar flores e prestar suas últimas homenagens a Abe, que dominou a política japonesa por uma geração.

    Mas, enquanto lamentavam, milhares de outros foram às ruas em protestos antifuneral em Tóquio, ilustrando uma profunda divisão pública na ocasião, o primeiro funeral de estado do Japão para um líder japonês desde 1967.

    Algumas multidões gritavam slogans enquanto marchavam perto do local do funeral, agitando faixas que pediam a interrupção dos procedimentos. Os líderes do protesto reuniram a multidão através de alto-falantes, e uma van passou com música explodindo de uma caixa de som.

    Os protestos às vezes ficaram tensos, com vários confrontos barulhentos e brigas entre manifestantes e policiais.

    A morte de Abe causou ondas de choque no Japão e na comunidade internacional, com milhares de pessoas se reunindo em Tóquio em julho, quando seu funeral particular ocorreu. Mas nos meses que se seguiram ao seu assassinato, a expressão de pesar deu lugar a um descontentamento crescente.

    O funeral de Estado de Abe acontece quando o país enfrenta o aumento da inflação e a raiva decorrente das revelações de que metade dos membros do partido no poder do Japão tinha laços com a controversa Igreja da Unificação, que enfrentou críticas por práticas de arrecadação de fundos.

    Alguns críticos também apontaram as políticas mais impopulares de Abe enquanto estava no cargo como uma razão para a mudança de humor e questionaram por que tanto dinheiro dos contribuintes está indo para o funeral do estado — que custará cerca de US $ 12 milhões (1,66 bilhão de ienes) — em uma época de aguda tensão econômica.

    “Foi uma tragédia que Abe foi morto a tiros e perdeu a vida, mas não devemos torná-lo um herói dessa tragédia”, disse um manifestante, Shinsaku Nohira, à CNN em uma recente manifestação fúnebre anti-Estado fora do parlamento do Japão.

    “Pelo menos metade da população do Japão é contra este funeral de estado, então não quero que as mensagens do governo sejam divulgadas, quero que as pessoas saibam que há cidadãos no Japão que se opõem a este evento”.

    Uma pesquisa de opinião da NHK no início de setembro mostrou que 57% dos entrevistados se opuseram ao funeral de estado, em comparação com 32% que o apoiaram – e o restante disse que não sabia ou se recusou a responder.

    O primeiro-ministro, Fumio Kishida, tentou apaziguar o público, dizendo que um funeral de Estado para Abe era “adequado” por suas conquistas como ex-líder. A cerimônia não pretende “forçar as pessoas a lamentar” ou se tornar uma “questão política”, disse ele em agosto.

    A posse e assassinato de Abe

    Abe ocupou o cargo por dois mandatos separados, durante os quais transformou a postura de segurança do Japão, levantando questões sobre o status do país como uma nação pacifista, e aprovou uma importante legislação de segurança em 2015 que expandiu o que o Japão poderia fazer militarmente para apoiar os EUA.

    Ele também foi uma figura proeminente no cenário mundial, cultivando fortes laços com Washington e buscando melhores relações com Pequim — ao mesmo tempo em que tentava conter a expansão chinesa na região unindo aliados do Pacífico.

    Um de seus últimos sucessos no cargo foi garantir as Olimpíadas de Tóquio de 2020 — embora a pandemia de Covid-19 tenha forçado a competição a ser adiada para 2021.

    Depois de deixar o cargo em 2020, alegando motivos de saúde, Abe permaneceu ativo na política, muitas vezes fazendo campanha por seu partido — que era o que ele estava fazendo no momento de seu assassinato.

    A NHK informou em julho que o suposto atirador, Tetsuya Yamagami, tinha como alvo o ex-primeiro-ministro porque acreditava que o avô de Abe — outro ex-líder japonês — havia ajudado a expansão de um grupo religioso contra o qual ele guardava rancor.

    A CNN não conseguiu confirmar de forma independente a que grupo Yamagami estava se referindo, ou ligações entre Abe e qualquer grupo contra o qual o suspeito nutria ódio.

    Mas o assassinato causou uma reação contra a Igreja da Unificação, que disse que a mãe de Yamagami era um membro que participava de eventos da igreja, embora o próprio Yamagami nunca tenha sido membro.

    Também disse que a igreja recebeu uma mensagem de apoio de Abe em um evento que organizou, mas que o ex-primeiro-ministro não era um membro registrado da igreja, nem fazia parte de seu conselho consultivo.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original