Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Japonês se incendeia em aparente protesto por funeral de Estado de Shinzo Abe

    Homem foi levado ao hospital com queimaduras em todo o corpo, e um policial que tentou apagar as chamas também ficou ferido;

    Polícia do Japão em local onde homem se incendiou em Tóquio
    Polícia do Japão em local onde homem se incendiou em Tóquio Kyodo via REUTERS

    Mariko KatsumuraElaine Liesda Reuters

    em Tóquio

    Um homem se incendiou perto do gabinete do primeiro-ministro japonês, nesta quarta-feira (21), em um aparente protesto contra a decisão do governo de realizar um funeral de Estado para o ex-primeiro-ministro Shinzo Abe, que foi assassinado neste ano, informou a mídia local.

    O homem foi levado ao hospital com queimaduras em todo o corpo, e um policial que tentou apagar as chamas também ficou ferido.

    O homem, na casa dos 70 anos, estava inconsciente quando foi encontrado pela primeira vez, mas depois disse à polícia que havia deliberadamente se encharcado de combustível, disse a mídia.

    Uma carta sobre o funeral de Estado de Abe e as palavras “Eu me oponho fortemente” foram encontradas nas proximidades do incidente.

    A polícia se recusou a confirmar o incidente, que ocorreu no que seria o aniversário de 68 anos de Abe.

    “Ouvi dizer que a polícia encontrou um homem que sofreu queimaduras perto de gabinete do governo e estou ciente de que a polícia está investigando”, disse o secretário-chefe do gabinete, Hirokazu Matsuno, em entrevista coletiva.

    Abe, o primeiro-ministro mais longevo do Japão que renunciou em 2020 alegando problemas de saúde, foi morto a tiros em um comício de campanha em 8 de julho.

    Seu funeral de Estado está marcado para 27 de setembro, com cerca de 6 mil pessoas do Japão e do exterior.

    A oposição ao evento vem crescendo devido a revelações após o assassinato de Abe de ligações entre o Partido Liberal Democrata (LDP), do qual ele era um membro poderoso, e a controversa Igreja da Unificação. O suspeito da morte de Abe disse que a igreja levou sua mãe à falência.