Japão teve redução recorde no número de nascimentos em 2020

Foram 840.832 nascimentos em 2020, redução de 2,8% em relação a 2019 e o menor número desde 1899, segundo o Ministro da Saúde do país

Número de nascimentos no Japão teve queda recorde em 2020
Número de nascimentos no Japão teve queda recorde em 2020 Foto: Getty Image

da Reuters

Ouvir notícia

 

O número de bebês nascidos no Japão teve queda recorde no ano passado, anunciou o Ministro da Saúde do país nesta sexta-feira (4). Foram 840.832 nascimentos em 2020, redução de 2,8% em relação a 2019 e o menor número desde 1899, segundo o ministro.

Segundo as autoridades, esse é um reflexo da pandemia, já que as pessoas estão adiando para casar e começar uma família. Os registros de casamento no Japão caíram 12,3% no ano passado, chegando a 525.490, um recorde pós-guerra, de acordo com as autoridades do país. A taxa de fertilidade (estimativa de número de bebês por mulher) diminiu para 1.34, uma das menores do mundo.

O Japão já luta contra uma crise demográfica iminente há anos, devido à decrescente taxa de natalidade constante, o que tem trazido preocupações em relação ao envelhecimento da população e à diminuição da força de trabalho no país.

Trata-se de uma “nação superenvelhecida”, com mais de 20% da população acima dos 65 anos. A população do Japão era de 124 milhões em 2018, mas em 2065 a expectativa é de que esse número caia para cerca de 88 milhões

A Covid-19 impactou a taxa de nascimentos pelo mundo, incluindo os Estados Unidos, apesar das especulações de que o isolamento social levaria a uma explosão demográfica. 

A Coreia do Sul também tem enfrentado o mesmo problema por anos. Em 2020 foram reportadas mais mortes do que nascimentos no país pela primeira vez. 

Na China, o país mais populoso do mundo, o número de nascimentos caiu quase 15% no ano passado. O governo do país anunciou na semana passada que iria flexibilizar sua restrita política de planejamento familiar, permitindo aos casais terem até 3 filhos.

(Texto traduzido. Leia o original, em inglês)

Tópicos

Mais Recentes da CNN