Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Juiza nega tentativa de Trump de reter registros sobre 6 de janeiro

    A decisão da juíza Tanya Chutkan, na terça-feira à noite, é um golpe para os esforços de Trump de manter em segredo mais de 700 páginas de registros da Casa Branca

    Katelyn Polantzda CNN

    Ouvir notícia

    Uma juiza federal permitiu que a Câmara dos Estados Unidos acesse centenas de páginas de documentos da presidência de Donald Trump sobre o ataque de 6 de janeiro no Capitólio dos Estados Unidos, em uma rejeição enérgica das recentes tentativas de Trump de controlar as informações.

    A decisão da juíza Tanya Chutkan, do Tribunal Distrital dos EUA em DC, na terça-feira (9), é um golpe para os esforços de Trump de manter em segredo mais de 700 páginas de registros da Casa Branca – embora sua equipe jurídica tenha informado ao tribunal que pretende apelar.

    “Os presidentes não são reis e o Requerente não é o presidente”, escreveu ela.

    A partir de agora, o Arquivo Nacional continua a caminho de entregar à Câmara uma série de documentos na sexta-feira, incluindo registros de chamadas da Casa Branca, registros de vídeo e cronogramas relacionados a 6 de janeiro, bem como três páginas de notas manuscritas pelo então de pessoal de Trump. O resultado no tribunal também pode ajudar a Câmara em sua busca por mais informações daqueles em torno de Trump, incluindo testemunhas que foram intimadas e não falaram com o comitê ainda.

    “O tribunal considera que o interesse público está em permitir – não em ordenar – a vontade conjunta dos poderes legislativo e executivo de estudar os eventos que levaram a e ocorreram em 6 de janeiro, e de considerar a legislação para evitar que tais eventos ocorram algum dia novamente”, escreveu Chutkan em uma opinião de 39 páginas.

    A juíza, em sua decisão, encerrou os argumentos de Trump no tribunal em várias frentes.

    Ela decidiu que a vontade de um ex-presidente não superaria as decisões do atual presidente em relação à proteção de informações privilegiadas do Poder Executivo. “É o presidente em exercício quem está mais bem situado para proteger os interesses do Poder Executivo”, disse Chutkan.

    Ela também vetou a Trump qualquer tentativa de se proteger do sigilo. O privilégio presidencial “existe para o benefício da República, não de qualquer indivíduo”, escreveu ela. Por isso, o Congresso e os tribunais podem acessar as comunicações presidenciais quando houver necessidade de informar o público, decidiu o juiz.

    Nesse caso, a juíza disse que não examinaria os registros de Trump documento por documento e não questionaria a decisão do governo Biden de liberá-los. Ela também observou que embora o comitê tenha feito pedidos abrangentes, ele “não excede” seu poder legislativo.

    Manifestantes invadiram o Capitólio, sede do Congresso dos EUA, em 6 de janeiro / Foto: Stephanie Keith/Reuters

    O ex-presidente republicano entrou com seu processo no mês passado no Tribunal Distrital de DC, alegando privilégio executivo e alegando que os pedidos de documentos da Câmara são “sem precedentes em sua amplitude e escopo” e ilegítimos.

    A Casa Branca de Biden se recusou a intervir para bloquear o acesso aos registros de Trump. O Arquivo Nacional, que herdou os registros presidenciais de Trump depois que ele deixou o cargo, disse que começará a entregar os registros ao comitê da Câmara na próxima semana, em 12 de novembro, com mais produções de documentos marcadas para o final de novembro.

    O caso já se tornou um teste histórico do poder de um ex-presidente.

    Alguns dos registros que Trump procurou manter em segredo incluem registros de visitantes da Casa Branca, registros de chamadas e notas de seus principais conselheiros relacionados às suas alegações de que a eleição presidencial de 2020 foi roubada e sua reação ao ataque de 6 de janeiro, de acordo com uma declaração juramentada dos Arquivos Nacionais.

    A Câmara argumentou ao tribunal que Trump não tem o direito de manter os documentos confidenciais de sua presidência e disse que a necessidade dos registros é reconstruir as ações de Trump em 6 de janeiro e seus esforços para minar a eleição de 2020.

    O deputado Bennie Thompson, que preside o comitê selecionado da Câmara, chamou a decisão de “grande coisa” para a investigação do Congresso, dizendo a Chris Cuomo, da CNN, no “Cuomo Prime Time” que espera que os investigadores do painel “avancem (os documentos) com um pente fino para garantir que nosso governo não fosse armado contra seus cidadãos. ”

    “Só podemos fazer isso tendo acesso às informações. Aplaudo nossos advogados que nos defenderam neste tribunal”, disse o democrata do Mississippi. “Eu aplaudo a decisão expedita que obtivemos porque temos que chegar a isso.”

    Esta história foi atualizada com detalhes adicionais na terça-feira.

    (Texto traduzido. Leia o original em inglês aqui).

    Mais Recentes da CNN