Kamala Harris participa da marcha do orgulho LGBTQIA+

Vice-presidente dos Estados Unidos assegurou que o governo Biden está comprometido com as diversidades

Vice-presidente Kamala Harris e marido Doug Emhoff acenam para o público
Vice-presidente Kamala Harris e marido Doug Emhoff acenam para o público Foto: Anna Moneymaker/Equipe/GETTY IMAGES

Amanda Alves, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, participou da parada do Orgulho LGBTQIA+ no centro de Washington D.C. neste sábado (12). 

Vestida com uma camiseta com o slogan “Amor é amor”, Harris juntou-se à marcha organizada por uma organização local ao lado de seu marido, Doug Emhoff.

“Temos que ter certeza de que nossa comunidade transgênero e nossos jovens estão protegidos. Ainda precisamos de proteções relacionadas a emprego e habitação. Há muito mais trabalho a fazer e sei que estamos comprometidos”, frisou a vice-presidente dos Estados Unidos.

Harris falou logo após o presidente dos EUA, Joe Biden, emitir um comunicado sobre o 5º aniversário do pior ataque à comunidade LGTBQIA+ na história do país, o tiroteio que deixou 49 mortos na boate Pulse de Orlando, Flórida.

Em sua declaração, Biden pediu um maior controle de armas e destacou “o impacto particular da violência armada nas comunidades LGTBQIA+”, além de condenar “a epidemia de violência e ódio contra mulheres transexuais, especialmente mulheres transexuais não brancas”.

Pelo menos 44 pessoas transgênero ou de gênero não binárias foram baleadas ou mortas por outros meios nos Estados Unidos em 2020, o ano mais mortal para esse grupo na última década; e 28 outros morreram da mesma forma até agora em 2021, de acordo com a organização Human Rights Campaign (HRC).

Biden pediu ao Senado que aprove rapidamente a Lei da Igualdade, já aprovada pela Câmara dos Deputados em fevereiro passado e que proibiria “a discriminação em razão do sexo, orientação sexual e identidade de gênero” em espaços públicos e em programas sociais financiados com recursos federais fundos.

Mais Recentes da CNN