Lagosta azul é encontrada por pescador em Portland, nos Estados Unidos

Extremamente raras, lagostas azuis são uma a cada dois milhões, de acordo com o Lobster Institute

Reprodução/Twitter

Lucas Rochada CNN

em São Paulo

Uma a cada dois milhões de lagostas nascem na cor azul, de acordo com o Lobster Institute, da Universidade do Maine, nos Estados Unidos.

Um pescador capturou uma espécie de lagosta azul nas águas de Portland, na costa norte-americana no início do mês.

O empreendedor em tecnologia médica e biotecnologia, Lars-Johan Larsson, afirmou em publicação no Twitter que o crustáceo foi devolvido ao mar para continuar a crescer.

As lagostas são classificadas no filo Arthropoda, que também inclui camarões, caranguejos e insetos. A palavra Arthropoda vem da palavra latina “arthro”, que significa articulado, e da palavra grega “poda”, pé. Como crustáceos invertebrados, as lagostas também têm uma casca externa dura ou exoesqueleto, e nenhum esqueleto ou ossos internos.

As lagostas vivem no fundo do oceano, preferindo temperaturas de 15 e 18°C. As lagostas adultas são maiores e se movimentam mais. Elas habitam águas mais profundas, mas retornam sazonalmente para águas rasas e mais quentes.

De acordo com o Lobster Institute, a maioria das lagostas tem uma cor marrom esverdeada. Além dos raros espécimes azuis, há outros que podem ser amarelos ou brancos, ou até com mais de uma cor. Uma lagosta de qualquer cor ficará vermelha quando você a cozinhar, exceto as brancas.