Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Líderes europeus acusam Hungria de barrar ajuda bilionária à Ucrânia

    Ministros das Relações Exteriores afirmam que Budapeste tem defendido interesses da Rússia

    Chanceler da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, acusa Hungria de bloquear ajuda à Ucrânia
    Chanceler da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, acusa Hungria de bloquear ajuda à Ucrânia Reuters

    Andrew Grayda Reuters

    Bruxelas

    Os ministros das Relações Exteriores de nações da União Europeia apelaram à Hungria na segunda-feira (27) para que o país pare de bloquear o envio de bilhões de euros do bloco em ajuda militar à Ucrânia, enquanto a tensão de longa data com Budapeste aumenta.

    Mesmo antes do início de uma reunião dos 27 ministros das Relações Exteriores da UE, o principal diplomata da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, acusou a Hungria de bloquear sistematicamente as posições de política externa da UE.

    “Quase todas as nossas discussões e soluções e decisões necessárias por parte da UE estão sendo bloqueadas por apenas um país”, disse ele aos jornalistas ao chegar à reunião em Bruxelas.

    “Temos que começar a ver isto como uma abordagem sistemática em relação a quaisquer esforços da UE para ter um papel diplomático significativo”.

    A Estônia e a Itália também expressaram insatisfação com as táticas de bloqueio de Budapeste antes da reunião. Diplomatas dizem que a posição da Hungria está muitas vezes em linha com os interesses da Rússia, mas Budapeste insiste que defende a paz.

    Dentro da sala, disseram diplomatas, os ministros expressaram a sua frustração e apelaram ao colega húngaro Peter Szijjarto para levantar os bloqueios de Budapeste a pacotes que chegam a cerca de 6,5 bilhões de euros em ajuda militar à Ucrânia para ajudar a combater a invasão russa.

    “Os ânimos estavam bastante exaltados”, disse um diplomata que teve acesso às discussões. Várias autoridades disseram que a negociação estava entre as mais acirradas dos últimos anos entre os ministros das Relações Exteriores da UE.

    As decisões da UE em matéria de política externa exigem o apoio unânime de todos os 27 Estados-Membros.

    Em comentários no Facebook, Szijjarto disse: “Colegas alemães, irlandeses e polandeses criaram uma cena, mas isso não poderia mudar a nossa posição, independentemente do que gritam os políticos favoráveis ​​à guerra”.

    Landsbergis, da Lituânia, disse que a Hungria estava bloquando decisões sobre a ajuda militar da UE à Ucrânia, além do início das negociações de adesão à UE por parte de Kiev, Geórgia e a Armênia.

    “Analisamos isto e aparentemente cerca de 41% das resoluções da UE sobre a Ucrânia foram bloqueadas pela Hungria”, disse ele.

    “Foi muito, muito longe”, acrescentou Landsbergis. “Temos que encontrar uma maneira, realmente, como comunidade, de contornar isso”.

    Diplomatas dizem que Budapeste está bloqueando uma série de medidas ligadas ao Mecanismo Europeu para a Paz, um fundo apoiado pela UE que forneceu bilhões de euros em ajuda militar à Ucrânia.

    “Isto é crucial agora para a Ucrânia, e também para a Europa, usar estes fundos do EPF”, disse o chanceler da Estônia Margus Tsahkna.

    O ministro das Relações Exteriores italiano, Antonio Tajani, disse aos repórteres: “Somos contra o bloqueio. Queremos seguir em frente”.