Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Tudo está queimando”: CNN acompanha batalhas em cidade essencial para Ucrânia

    Existem algumas cidades que a Ucrânia nunca pode perder, e Lyptsi é uma delas; se a tomarem, russos poderão posicionar a artilharia ao alcance da segunda maior cidade do país, Kharkiv

    Nick Paton Walsh, da CNN, conversa com Oleksandr dentro de um bunker em Lyptsi, Ucrânia.
    Nick Paton Walsh, da CNN, conversa com Oleksandr dentro de um bunker em Lyptsi, Ucrânia. Brice Lainé/CNN via CNN Newsource

    Nick Paton WalshMick KreverKosta GakBrice Laineda CNN

    em Lyptsi, Ucrânia

    Existem algumas cidades que a Ucrânia nunca pode perder, e Lyptsi é uma delas.

    Mas o controle que a nação mantém é tênue: as ruas estão em chamas devido a um ataque aéreo momentos antes, quando entramos correndo, sob o manto da escuridão.

    A noite proporciona a eles a única trégua do ataque de drones; nas horas anteriores à nossa chegada, a cidade foi atingida oito vezes.

    No entanto, os soldados da 13ª Guarda Nacional de Khartiia têm de resistir, pois os riscos aqui são enormes.

    O ataque implacável da Rússia tem um objetivo fundamental: se tomarem Lyptsi, poderão posicionar a artilharia ao alcance da segunda maior cidade da Ucrânia, Kharkiv, a 20 minutos daqui.

    Em um bunker, Oleksandr, um comandante, observa um de seus muitos drones. “Você viu por você mesmo como tudo está queimando. É assim todas as noites.”

    Os seus homens foram dos primeiros a enfrentar o novo avanço da Rússia na região de Kharkiv, há quase duas semanas. Ele diz que eles estão lutando contra soldados profissionais treinados.

    “Podemos ver isso em seus equipamentos e táticas”, diz ele. “Eles não estão enviando qualquer um para os ataques.”

    Seu olhar se alonga quando questionado sobre quais fortificações existiam antes do ataque surpresa russo. “Nada foi preparado aqui. Nada. Nada. Todas as posições estão sendo construídas pelas mãos da infantaria.”

    Lá fora, a noite é abalada por mais explosões. “Há três semanas, os civis viviam uma vida pacífica aqui. Reconstruindo, deu tudo certo”, afirma. “E agora a maioria das casas está em ruínas.”

    Ao sairmos, um zumbido alto passa acima das nossas cabeças, próximo. Nossa escolta não recua nem corre. Pergunto se o drone é amigável. “Como diabos eu deveria saber?”, responde ele, puxando um cigarro.

    Em toda a cidade de Kharkiv, onde vivem cerca de um milhão de civis, as forças ucranianas estão tentando conter um ataque russo persistente de vários ângulos.

    Comandante ucraniano Artun.
    Comandante ucraniano Artun. / Mick Krever/CNN via CNN Newsource

    Ao longo de uma semana reportando nas vilas ao redor da cidade, a CNN viu unidades ucranianas mantendo suas posições sob grande perigo e risco, e às vezes usando artilharia antiga e escassa para afastar uma força russa muito melhor equipada, capaz de frustrar suas manobras mais básicas com enormes número de drones.

    Numa posição mais próxima da fronteira russa, a 92ª Brigada de Assalto mostrou à CNN um canhão de artilharia russa, capturado nos primeiros dias da guerra, do qual dispara agora morteiros franceses.

    A arma estava parcialmente escondida por uma rede de arame, destinada a fornecer alguma proteção contra um drone de ataque. No entanto, acima, um drone batedor não identificado começou a pairar, forçando a unidade a correr para um bunker.

    Outra unidade é forçada a usar uma arma de artilharia soviética fabricada na década de 1940. Escondido na folhagem densa, seu metal está enferrujado em algumas partes, limitando a frequência com que pode ser disparado.

    Artun, seu comandante, usa projéteis poloneses mais recentes, mas agora dispara apenas 10 por dia, quando no outono eram 100.

    Os drones são “um grande problema”, diz Artun. “Tenho estilhaços dentro de mim como lembrança”, acrescenta ele, referindo-se aos restos de um drone russo Lancet ainda em sua mão e estômago, que os cirurgiões não conseguiram remover. “Mas existem certas ações que podem salvá-lo dos drones.”

    Um deles ganha vida: um alerta de um scanner de frequência de US$ 30 em sua rede. Ele detectou a aproximação de outro drone Orlan, enviando Artun para o bunker.

    Ele olha para o céu acima e o vê passar por cima. Ele comanda uma unidade diversificada, sintetizando os desafios em termos de recursos humanos que a Ucrânia enfrenta no seu terceiro ano de guerra.

    Equipes de resgate trabalham no local dos ataques aéreos russos na vila de Lyptsi, na região de Kharkiv, na Ucrânia, em 10 de abril de 2024.
    Equipes de resgate trabalham no local dos ataques aéreos russos na vila de Lyptsi, na região de Kharkiv, na Ucrânia, em 10 de abril de 2024. / Volodymyr Pavlov/Reuters via CNN Newsource

    Alguns, como ele, são soldados de infantaria feridos. Outros são mais velhos, enquanto um de sua equipe está no primeiro dia na artilharia.

    Durante quase dois anos, Kharkiv pensou que a ameaça do seu vizinho tinha passado. Uma retirada relâmpago da Rússia no final de 2022 deixou a região de Kharkiv em paz e a plataforma de lançamento para ataques ucranianos através da fronteira com a Rússia propriamente dita.

    No entanto, os ataques persistiram à distância, mantendo os residentes da cidade acordados durante noites violentamente barulhentas, agora amplificadas pela ameaça da artilharia russa que se aproximava.

    Sinalizadores, disparos antiaéreos e explosões pontuam regularmente o apagão forçado, à medida que drones, foguetes e ataques aéreos russos atingem alvos no escuro.

    Na quarta-feira, autoridades municipais relataram um ataque a um posto de gasolina, que deixou quatro pessoas no hospital.

    No domingo, dois mísseis atingiram um resort à beira do lago em Cherkaska Lozova, fora da cidade – um ataque horrível a um alvo civil que também usou uma tática de “toque duplo”, na qual um segundo míssil atingiu 10 minutos depois do primeiro, ferindo os socorristas.

    Poucas horas depois das explosões de domingo, equipes de resgate escalaram as ruínas de um terraço à beira-mar, recuperando dois corpos dos sete que morreram no ataque.

    Uma delas era uma mulher, grávida de sete meses. Outro só foi encontrado mais tarde, com fragmentos de corpo nos destroços.

    Enquanto a polícia vasculhava o terraço eviscerado no lago em busca de provas, outro alerta aéreo soou, fazendo com que metade dos trabalhadores fugisse para se proteger, e alguns continuassem, quase inconscientes.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original