Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Líderes mundiais reagem à resposta militar de Israel ao Irã

    Ministros do G7 pediram contenção das tensões no Oriente Médio

    Reunião de ministros do G7 na ilha italiana de Capri
    Reunião de ministros do G7 na ilha italiana de Capri 18/4/2024 REUTERS/Remo Casilli

    Da Reuters

    Israel realizou um ataque ao território iraniano na sexta-feira (19), disseram fontes, dias depois que o Irã atingiu Israel com uma série de drones e mísseis.

    Veja as reações de líderes mundiais à resposta militar israelense, a partir de declarações oficiais e postagens nas redes sociais:

    Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen:

    “É absolutamente necessário que a região permaneça estável e que todas as partes se abstenham de novas ações”.

    Primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak:

    “Uma escalada significativa não é do interesse de ninguém. O que queremos é que a calma prevaleça em toda a região.”

    Ministro das Relações Exteriores da Jordânia, Ayman Safadi:

    “Alertamos contra o perigo de uma escalada regional. Condenamos todas as ações que ameaçam arrastar a região para a guerra. As retaliações entre Israel e o Irã devem acabar. A guerra desumana em Gaza deve terminar agora. O foco do mundo deve continuar a ser o fim da agressão catastrófica em Gaza.”

    Chanceler alemão, Olaf Scholz:

    “A desescalada continua a ser a ordem do dia no futuro próximo. E também falaremos sobre isso com todos os nossos amigos e aliados, e trabalharemos juntos com eles nessa direção.”

    Ministros das Relações Exteriores do G7:

    “Pedimos a todas as partes que trabalhem para evitar uma nova escalada. O G7 continuará a trabalhar para este fim.”

    Emirados Árabes Unidos:

    “O Ministério (das Relações Exteriores) afirmou a importância de se alcançar soluções substanciais para as disputas e crises em curso na região, com o objetivo de diminuir as tensões, além de resolver conflitos através do diálogo e dos canais diplomáticos, e de aderir ao Estado de direito e respeitar a Carta das Nações Unidas.”

    Vice-ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Noel Barrot:

    “Tudo o que posso dizer é que a posição da França é apelar a todos os intervenientes para a desescalada e a contenção”.

    Secretário-chefe do gabinete do Japão, Yoshimasa Hayashi:

    “O Japão está profundamente preocupado com a situação no Oriente Médio e condena veementemente quaisquer ações que levem à escalada da situação.

    “O Japão continuará a fazer todos os esforços diplomáticos necessários para evitar que a situação piore ainda mais.”

    Porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China:

    “A China opõe-se a qualquer ação que aumente as tensões no Oriente Médio após o ataque israelense ao Irã.”