Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Em reunião, Lula diz ter discutido “possibilidade de normalizar situação na Venezuela”

    Em live semanal, presidente fala sobre a reunião realizada com Venezuela, Colômbia, Argentina e França na cúpula da Bélgica, que aconteceu na segunda-feira (17)

    Priscila Yazbek

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que, durante a reunião realizada na cúpula da Bélgica com Colômbia, Argentina, França e membros do governo e da oposição da Venezuela, na segunda-feira (17), os participantes falaram sobre caminhos para avançar no processo democrático no país sul-americano.

    “Inclusive, tivemos uma reunião com França, com Colômbia, com Argentina, com representante do negociador, das oposições da Venezuela, com a vice-presidenta [Delcy Rodríguez], para discutir um pouco a possibilidade de normalizar a situação na Venezuela”, disse o presidente durante sua live semanal, realizada nesta terça-feira (18).

    VÍDEO – Lula encontra chanceler da Alemanha em último dia da cúpula Celac-UE

    O encontro, realizado à margem da cúpula de líderes da União Europeia e da Comunidade dos Estados Latino Americanos e das Caraíbas (Celac), teve a presença dos presidentes da Argentina, Alberto Fernández, do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, da Colômbia, Gustavo Petro, e da França, Emmanuel Macron.

    A reunião foi convocada por Macron e inicialmente não previa a participação de representantes venezuelanos. Mas, ao final do dia, tanto a vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez – que representa o presidente Nicolás Maduro -, quanto o negociador da oposição, Gerardo Blyde, confirmaram presença.

    Fontes do governo afirmam que o presidente Lula defendeu, na reunião, que os problemas da Venezuela devem ser resolvidos pelos venezuelanos. Mas, ao mesmo tempo, o governo brasileiro teria defendido que o governo Maduro deve dar sinais de normalização no processo democrático e, por outro lado, Lula também cobrou dos europeus redução das sanções que, na visão do governo brasileiro, estrangulam a economia venezuelana.