Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Magnata do Vietnã condenada à morte em caso de fraude de US$ 12 bilhões

    Defesa de Truong My Lan disse que vai recorrer da decisão

    Magnata do Vietnã condenada à morte em caso de fraude de US$ 12,5 bilhões
    Magnata do Vietnã condenada à morte em caso de fraude de US$ 12,5 bilhões Reuters

    Da Reuters

    Um tribunal no Vietnã condenou nesta quinta-feira (11) a magnata do setor imobiliário Truong My Lan à morte por seu papel em um caso de fraude financeira de 304 trilhões de dong (US$ 12,46 bilhões), o maior já registrado no país, informou a mídia estatal.

    O seu julgamento, iniciado em 5 de março e terminado mais cedo do que o planejado, foi um resultado dramático de uma campanha contra a corrupção que o líder do Partido Comunista no poder, Nguyen Phu Trong, prometeu eliminar durante anos.

    Lan, presidente da incorporadora imobiliária Van Thinh Phat Holdings Group, foi considerada culpada de peculato, suborno e violações das regras bancárias no final de um julgamento no centro comercial da cidade de Ho Chi Minh, informou a mídia estatal.

    “Continuaremos lutando para ver o que podemos fazer”, disse um membro da família à Reuters, falando sob condição de anonimato. Antes do veredicto, ele havia dito que Lan entraria com recurso da sentença.

    Lan se declarou inocente das acusações de peculato e suborno, disse Nguyen Huy Thiep, um dos advogados de Lan, à Reuters.

    “É claro que ela recorrerá do veredicto”, acrescentou, observando que ela foi condenada à morte pela acusação de peculato e a 20 anos cada pelas outras duas acusações de suborno e violações dos regulamentos bancários.

    O Vietnã impõe a pena de morte principalmente para crimes violentos, mas também para crimes econômicos. Grupos de direitos humanos afirmam que o país executou centenas de condenados nos últimos anos, principalmente por injeção letal.

    O jornal Thanh Nien disse que 84 réus no caso receberam sentenças que vão desde liberdade condicional por três anos até prisão perpétua. Entre eles estão o marido de Lan, Eric Chu, empresário de Hong Kong, que foi condenado a nove anos de prisão, e sua sobrinha, que pegou 17 anos.

    De perfumes às altas finanças

    Lan começou como comerciante de cosméticos no mercado central da cidade de Ho Chi Minh, ajudando sua mãe, disse ela aos juízes durante o julgamento, segundo a mídia estatal.

    Mais tarde, ela fundou sua imobiliária Van Thinh Phat em 1992, mesmo ano em que se casou, segundo a mídia estatal.

    Ela foi considerada culpada, junto aos seus cúmplices, de desviar mais de 304 trilhões de dong do Saigon Joint Stock Commercial Bank (SCB), que ela controlava efetivamente por meio de dezenas de procuradores, apesar das regras que limitam estritamente grandes participações em credores, segundo os investigadores.

    Desde o início de 2018 até outubro de 2022, quando o Estado resgatou o SCB após uma corrida aos seus depósitos desencadeada pela detenção de Lan, ela apropriou-se de grandes somas conseguindo empréstimos ilegais a empresas de fachada, disseram os investigadores.

    “As ações da ré não apenas violam os direitos de gestão de propriedade de indivíduos e organizações, mas também colocam o SCB sob escrutínio, minando a confiança das pessoas na liderança do Partido e do Estado”, disse o jornal estatal VnExpress, citando o júri.

    O banco é atualmente apoiado pelo banco central e enfrenta uma reestruturação complexa em que as autoridades estão tentando estabelecer o estatuto jurídico de centenas de ativos que foram utilizados como garantia para empréstimos e obrigações emitidas pela VTP. Só os títulos valem US$ 1,2 bilhão.

    Alguns dos ativos são propriedades de alto padrão, mas muitos outros são projetos inacabados.

    Antes de cair em desgraça, ela desempenhou um papel fundamental no mundo financeiro do Vietnã, envolvendo-se no resgate anterior do problemático SCB, mais de uma década antes de contribuir para a nova crise do banco.

    Ela foi considerada culpada de ter subornado funcionários para persuadir as autoridades a desviarem a atenção, incluindo o pagamento de 5,2 milhões de dólares a um inspetor sênior do banco central, Do Thi Nhan, que foi condenado à prisão perpétua.

    A repressão à corrupção no Vietnã, apelidada de “Fornalha Ardente”, viu centenas de altos funcionários do Estado e executivos de negócios de alto nível serem processados ​​ou forçados a renunciar.

    A corrupção é tão generalizada que, em algumas províncias, muitas pessoas dizem que pagam subornos apenas para obter serviços médicos em hospitais públicos, de acordo com um inquérito recente realizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e outras organizações.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original