Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Magnata sino-canadense enfrenta julgamento na China sem acesso consular, diz embaixada

    Xiao Jianhua foi capturado em 2017 por agentes de seguranças chineses de seu quarto no hotel Four Seasons, em Hong Kong

    Xiao Jianhua, um bilionário canadense nascido na China, fora do Centro Financeiro Internacional em Hong Kong em dezembro de 2013.
    Xiao Jianhua, um bilionário canadense nascido na China, fora do Centro Financeiro Internacional em Hong Kong em dezembro de 2013. Reprodução/ CNN

    Kathleen Magramoda CNN

    Ouvir notícia

    O julgamento na China de um magnata sino-canadense desaparecido que foi sequestrado de um quarto de hotel em Hong Kong há cinco anos acontecerá sem acesso consular, disse a embaixada canadense em Pequim nesta terça-feira (5) à CNN.

    O financista bilionário Xiao Jianhua, conhecido por suas conexões próximas com algumas das famílias políticas mais poderosas da China, desapareceu em 2017 depois que foi capturado por agentes de segurança chineses de seu quarto no hotel Four Seasons, em Hong Kong, e levado para a China continental.

    A Embaixada do Canadá disse que as autoridades consulares estão monitorando de perto o caso de Xiao e prestando serviços consulares à sua família, embora não tenha confirmado a data do julgamento.

    “O Canadá fez vários pedidos para comparecer ao julgamento do cidadão canadense, Sr. Xiao Jianhua. Nosso comparecimento foi negado pelas autoridades chinesas”, disse a embaixada.

    Citando a embaixada, a Reuters informou anteriormente que o julgamento de Xiao deveria começar na segunda-feira.

    O sequestro extrajudicial de Xiao ocorreu em meio a uma repressão mais ampla à corrupção lançada pelo líder chinês Xi Jinping, que prendeu uma série de altos funcionários e executivos de grandes empresas chinesas.

    Desde então, Xiao não foi visto em público. As autoridades chinesas não divulgaram as acusações contra ele ou quaisquer outros detalhes de seu caso.

    Xiao era um dos homens mais ricos da China e controlava o Tomorrow Group, uma gigantesca holding com participações em bancos, seguradoras e promotores imobiliários.

    De acordo com o Hurun, que analisa a riqueza chinesa, Xiao tinha um patrimônio líquido de US$ 6 bilhões e ocupava o 32º lugar em sua lista de ricos de 2016, uma tabela de classificação equivalente à lista da Forbes.

    Em fevereiro de 2017, uma pessoa familiarizada com o sequestro disse à CNN que houve uma pequena briga no hotel Four Seasons de Hong Kong entre duas dúzias de oficiais de segurança chineses e a própria equipe de segurança de Xiao, que normalmente contava com cerca de oito guarda-costas por turno.

    A fonte pediu para permanecer anônima por causa da natureza politicamente sensível do caso. Xiao não foi visto em público desde o incidente.

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que desconhecia a situação quando perguntado sobre o julgamento de Xiao em uma entrevista coletiva na segunda-feira.

    Quem é Xiao Jianhua?

    Cidadão canadense nascido na China, Xiao foi um dos vários magnatas chineses que se mudaram para Hong Kong e se estabeleceram em apartamentos privados no hotel Four Seasons de 5 estrelas durante a repressão de Xi aos excessos corporativos.

    O desaparecimento de Xiao causou ondas de choque na comunidade empresarial de elite de Hong Kong, onde foi amplamente interpretado como um sinal de que a cidade não estava mais fora do alcance do aparato de segurança do continente.

    Também alimentou temores mais amplos sobre a erosão das liberdades da cidade, conforme garantido pela política “um país, dois sistemas” acordada como parte da entrega de Hong Kong pela Grã-Bretanha em 1997 à China.

    O caso de Xiao atraiu comparações com Lee Bo, um livreiro e portador de passaporte britânico que desapareceu de Hong Kong em 2015 e depois apareceu sob custódia chinesa. Cinco livreiros desapareceram naquele ano, todos envolvidos com a editora Mighty Current e sua loja Causeway Bay Books, que vendia títulos de fofocas sobre a elite chinesa.

    Esses desaparecimentos ocorreram antes dos protestos antigovernamentais de Hong Kong em 2019, que foram inicialmente desencadeados por um controverso projeto de lei de extradição que propunha permitir que Hong Kong transferisse fugitivos da cidade para tribunais da China continental.

    O governo acabou suspendendo o projeto de lei para reprimir protestos em massa antes de Pequim impor uma lei de segurança nacional abrangente sobre a cidade em 2020. A lei, que estende o controle direto de Pequim sobre a cidade, concede às autoridades do continente o poder de “exercer jurisdição” sobre casos que ” comprometer a segurança nacional”.

    A lei criminaliza secessão, subversão, terrorismo e conluio com potências estrangeiras, e traz consigo uma sentença máxima de prisão perpétua.

    Críticos dizem que a lei foi usada para silenciar todas as dissidências contra o governo de Hong Kong, que defendeu repetidamente a legislação, dizendo que ela devolveu a estabilidade à cidade.

    Steven Jiang e Katie Hunt, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

    Mais Recentes da CNN