Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mais de 14 mil argentinos em Israel e na Ucrânia não poderão votar nas eleições

    Cidadãos da Argentina escolherão no próximo domingo (22) presidente, vice-presidente, 24 senadores e 130 deputados, além de 43 parlamentares do Mercosul

    Patricia Bullrich, Sergio Massa e Javier Milei são os principais candidatos presidenciais da Argentina no próximo domingo (22)
    Patricia Bullrich, Sergio Massa e Javier Milei são os principais candidatos presidenciais da Argentina no próximo domingo (22) Fotos de: Marcos Brindicci/Tomas Cuesta/Agustín Marcarian/Getty Images

    CNN Espanhol

    No próximo domingo (22) serão realizadas eleições da Argentina. Em 84 países, 451,2 mil cidadãos argentinos se inscreveram para votar para presidente, vice-presidente, 24 senadores, 130 deputados, além de 43 parlamentares do Mercosul. No entanto, devido às guerras, mais de 14 mil cidadãos daquele país em Israel e na Ucrânia não poderão votar.

    A informação foi confirmada à CNN por fontes do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

    Serão exatamente 14.201 argentinos registados em Israel e 152 na Ucrânia sem possibilidade de votar no próximo domingo.

    Normalmente, fora de contextos bélicos, os argentinos que vivem no exterior e desejam votar em suas eleições podem fazê-lo após se registrarem. A votação internacional ocorrerá no dia 22 das 8h às 18h, seguindo o horário local de cada país.

    A Ucrânia está em guerra desde a invasão de seu território pela Rússia em 24 de fevereiro de 2022. O conflito se arrasta com consequências para vários outros países da Europa e do mundo, além da morte de milhares de pessoas dos dois países.

    Já Israel está atacando os territórios palestinos desde a madrugada de 7 de outubro, quando o grupo radical islâmico Hamas fez um ataque surpresa contra seu território. O conflito já deixa centenas de mortos, segundo autoridades palestinas e israelenses.

    VÍDEO – Milei conquista eleitor argentino com ataques a Lula?

    *Publicado por Pedro Jordão, da CNN em São Paulo