Malásia fecha centro de vacinação após 200 trabalhadores se infectarem

Pessoas que foram vacinadas contra a Covid-19 ao longo da semana precisarão cumprir quarentena, alertou ministro

Centro de vacinação no aeroporto da Malásia
Centro de vacinação no aeroporto da Malásia Foto: Zahim Mohd/NurPhoto via Getty Images

Reuters

Ouvir notícia

Um centro de vacinação contra a Covid-19 na Malásia foi fechado para sanitização nesta terça-feira (13) após mais de 200 voluntários e trabalhadores testarem positivo para a doença ao longo da semana, afirmou o ministro das Ciências do país, Khairy Jamaluddin.

Os cidadãos que receberam a vacina entre os dias 9 e 12 de julho no centro, localizado 25 quilômetros de Kuala Lampur, foram orientados a a se isolar por 10 dias, disse o ministro.

O centro deve retomar a vacinação da população na quarta-feira (14) após a higienização e a troca da equipe, acrescentou o ministro. O local tem a capacidade de aplicar 3 mil doses diárias. Dos 453 funcionários habilitados, 204 testaram positivo. 

O incidente acontece em um momento em que a Malásia reportou novos 11.079 casos de coronavírus na terça-feira, o maior número registrado para um único dia desde o início da pandemia.

A variante Delta foi apontada como a responsável pela alta nas contaminações e é, neste momento, a dominante em todo o país, afirmou o diretor-geral de Saúde da Malásia Noor Hisham Abdullah em uma coletiva com outros especialistas.

Cerca de 70% dos novos casos foram reportados na capital Kuala Lumpus e nos estados adjacentes de Selangor e Negeri Sembilan, onde os hospitais têm enfrentado escazzes de leitos, vetiladores e tanques de oxigênio.

O governo aprovou um aporte adicional de 100 milhões de rinngit (US$23,86 milhões) para financiar a transferência de pacientes sem Covid-19 de hospitais públicos para privados, afirmaram os oficiais.

As autoridades também prometeram aumentar o número de hospitais exclusivos à Covid-19, além de comprarem mais tanques de oxigênio, camas hospitalares e outros insumos.

Mais Recentes da CNN