Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Meses após expulsar russos, cidade ucraniana Kherson volta a sofrer ataques violentos

    Nas últimas 48 horas, Kherson sofreu mais de 130 ataques de foguetes, artilharia, morteiros e até fogo direto de tanques das forças russas no rio Dnieper

    Um ataque de míssil russo deixou um buraco na prefeitura de Kherson, na Ucrânia
    Um ataque de míssil russo deixou um buraco na prefeitura de Kherson, na Ucrânia Will Bonnett / CNN

    Sam Kileyda CNN* Kherson, Ucrânia

    As imagens das multidões que enchiam a Praça da Liberdade, comemorando com as cores azuis e amarelas da bandeira da Ucrânia a expulsão dos russos do território ucraniano, ficaram para trás.

    Agora, o barulho da artilharia russa engolindo a cidade ecoa pela praça. A colheita da vitória no outono se transformou em um inverno rigoroso.

    Nas últimas 48 horas, Kherson sofreu mais de 130 ataques de foguetes, artilharia, morteiros e até fogo direto de tanques das forças russas no rio Dnieper. Quatro pessoas foram mortas no mesmo período, outras doze, ou até mais, ficaram feridas.

    Vários armazéns também foram incendiados. Um deles armazenava fogos de artifício – mercadorias bizarras para armazenar em meio a bombardeios. Mas também um símbolo de esperança, diante da experiência sangrenta, de que algum dia haja algo mais para comemorar.

    A capital regional foi capturada em março do ano passado, nos estágios iniciais da invasão russa. Muitos de seus 290 mil cidadãos partiram naquela época. Mais parecem ter fugido desde que a região foi liberta em novembro. A administração da Ucrânia implorou que eles saíssem desde então para escapar do bombardeio russo.

    Jovens mães, aposentados e um punhado de bêbados correm e cambaleiam o mais rápido que podem pela Praça da Liberdade para pegar os ônibus. O tempo acima do solo, a apenas algumas centenas de metros do rio, é tempo gasto em perigo mortal – especialmente aqui.

    Alguns dias antes, um pedaço do prédio da prefeitura foi arrancado como uma fatia de bolo por um míssil russo. Parte do edifício da administração local ficou desmoronado na rua.

    Jatos ucranianos sobrevoam as nuvens baixas – pelo menos, é o que todos dizem a si mesmos: “eles são ucranianos”.

    As pontes para o lado controlado pelos russos, onde os invasores do Kremlin ainda controlam 60% da província, foram todas explodidas.

    À noite, unidades de reconhecimento de ambos os lados investigam as posições de seus inimigos, ou caçam centros de comando. Um oficial ucraniano, que atende pelo indicativo de chamada “Sneaky”, disse que seus homens, que incluíam vários voluntários americanos e britânicos, “mataram 16 russos” em uma patrulha alguns dias antes.

    A Praça da Liberdade, onde as pessoas comemoraram a libertação de Kherson da Rússia apenas alguns meses atrás, agora está deserta e sem segurança / Sarah Dean / CNN

    “Nós os atacamos com drones e nossas próprias armas. Todos foram mortos rapidamente, exceto um”, disse Sneaky à CNN.

    “Ele estava ferido e ia morrer quando o pegamos. Conversamos com ele e lhe demos um pouco de água e seu último cigarro. Então… bem, ele morreu”, acrescentou.

    A frente de batalha da Ucrânia com a Rússia tem pelo menos 1.300 km de comprimento e tem se movido para frente e para trás enquanto pequenas aldeias sofrem um ataque russo no leste do país. Fala-se agora, de oficiais ucranianos, que a Rússia está planejando um grande ataque nas próximas semanas.

    Pode não vir em Kherson, onde o rio é uma barreira formidável para ataques terrestres em qualquer direção. Então, por enquanto, os russos batem na cidade dia e noite com golpes de martelo aparentemente aleatórios.

    Tatiana estava em uma passagem subterrânea sob a rua principal ao longo de um lado da Praça da Liberdade a caminho do ônibus. Ela voltou para a cidade porque não podia se dar ao luxo de morar em outro lugar.

    “Voltei porque onde eu morava fiquei sem trabalho. E eu não podia mais pagar meu aluguel. E voltei para casa porque é a minha casa”.

    Os russos estavam bombardeando a cidade, ela disse, “por vingança. Provavelmente vingança, porque eles fugiram”.

    Alguns moradores como Tatiana voltaram para Kherson porque não podem pagar em nenhum outro lugar para morar / Will Bonnett / CNN

    A vingança foi tão intensa no momento em que ela falava que equipes de emergência de bombeiros e médicos falaram com a CNN de um bunker em um local secreto. Eles disseram que o bombardeio foi muito intenso para que qualquer missão pudesse ajudar durante ele. A localização é secreta para evitar que sejam alvos dos russos.

    Bombardear Kherson assim não é totalmente sem sentido. A lógica brutal da Rússia é que alvejar civis corroerá o moral ucraniano. Que uma dieta diária desse tipo de miséria enfraquecerá a determinação de Kiev e até mesmo a determinação entre seus aliados de ajudar a Ucrânia a sustentar uma longa guerra.

    É mais provável que uma ofensiva russa por terra venha pela frente de leste a oeste até a cidade de Zaporizhzhia, ou em Donbass. Mas a Ucrânia também deve proteger áreas recentemente liberadas em Kherson ou arriscar um retorno russo – e isso absorve tropas.

    Em comparação com a Ucrânia, a Rússia tem tropas de sobra. E está jogando-os na batalha do “moedor de carne” por Bakhmut, no leste.

    A Ucrânia diz que precisa urgentemente de armas que compensem a vantagem estratégica quantitativa da Rússia, como mísseis de longo alcance e caças-bombardeiros. O tempo está do lado do Kremlin.

    “As armas de longo alcance mudarão o curso da guerra. Temos certeza de nossa vitória, mas a vitória será mais rápida”, disse o presidente ucraniano, Volodomyr Zelensky, na sexta-feira (3).

    Anatoly corta um pedaço de plástico para cobrir suas janelas que foram destruídas pelos bombardeios em Kherson, na Ucrânia / Will Bonnett / CNN

    Anatoly é um aposentado do bairro Antonivka, de Kherson. A área tem vista para o rio. Fica perto da ponte principal sobre o Dnieper. E é um alvo fácil para as forças russas.

    Ele veio encontrar algo para cobrir suas janelas que foram explodidas por um bombardeio. Ele encontra um pedaço de plástico sobre uma janela quebrada onde a prefeitura foi bombardeada e o corta com um canivete. Artilharia e foguetes soam ao fundo.

    Suportar invasões e atrocidades russas (e soviéticas) está no DNA de Kherson. A cidade foi um dos primeiros prêmios da conquista da região pela imperatriz russa Catarina, a Grande, no século 18.

    Seu conselheiro nesta expansão colonial, o príncipe Grigory Potemkin foi enterrado na Catedral de St. Catherine de Kherson. Quando os russos foram rechaçados no ano passado, levaram seus ossos com eles. Se aquele símbolo dos desígnios imperiais russos em Kherson nunca mais voltasse à cidade, sem dúvida as festas voltariam à Praça da Liberdade.

    *Com informações de Sarah Dean, Olha Konovalova e William Bonnett, da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original