Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    México irá passar a cobrar visto de brasileiros a partir de dezembro

    Medida acontece devido ao aumento de pessoas que tentavam cruzar ilegalmente a fronteira com os Estados Unidos

    Governo dos Estados Unidos solicitava há meses para o México retomar a obrigatoriedade de visto para turistas brasileiros
    Governo dos Estados Unidos solicitava há meses para o México retomar a obrigatoriedade de visto para turistas brasileiros Marcelo Camargo/Agência Brasil

    Douglas PortoGiulia Alecrimda CNN

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    O México irá passar a cobrar visto para brasileiros que desejarem entrar no país como visitantes sem autorização para o exercício de atividades remuneradas a partir de 10 de dezembro. A medida foi anunciada em outubro e publicada nesta sexta-feira (26) no Diário Oficial local.

    A decisão acontece devido ao aumento de pessoas que estavam tentando cruzar ilegalmente a fronteira para os Estados Unidos. Segundo a agência Reuters, o governo de Joe Biden estava solicitando há meses para que o México retomasse a obrigatoriedade do visto para brasileiros.

    Em 2000, Brasil e México assinaram um acordo para a suspensão de visto para fins turísticos, de trânsito e de negócios, que entrou em vigor a partir de 2004.

    Entretanto, foi identificada um grande aumento de brasileiros que entravam no território mexicano “cujo perfil não coincide com o de visitante ou turista genuíno”, segundo cita a decisão.

    Eles ainda “apresentam inconsistências na sua documentação ou informação, reforçando a possibilidade de que um número significativo de pessoas que pretendem usar a isenção de visto indevidamente”, continua.

    O parecer do governo mexicano já foi comunicado pelo Ministério das Relações Exteriores ao governo brasileiro.

    Em nota, o Itamaraty afirmou que a decisão do governo mexicano de suspender, a partir de 11 de dezembro e em caráter temporário, o Acordo de Supressão de Vistos em Passaportes Comuns, assinado com o Brasil em 23 de novembro de 2000, foi unilateral.

    De acordo com o Itamaraty, o Brasil entende a medida como expressão da soberania do Estado mexicano no que diz respeito à determinação das condições de ingresso de estrangeiros em seu território. Leia a nota na íntegra:

    Autorização eletrônica prévia para viagens ao México – Nota Itamaraty

    Foi publicada, em 26 de novembro, decisão unilateral do governo mexicano de suspender, a partir de 11 de dezembro e em caráter temporário, o Acordo de Supressão de Vistos em Passaportes Comuns, assinado com o Brasil em 23 de novembro de 2000.

    O Brasil entende a medida como expressão da soberania do Estado mexicano no que diz respeito à determinação das condições de ingresso de estrangeiros em seu território.

    Segundo os termos da decisão mexicana, a partir de 11 de dezembro, cidadãos brasileiros portadores de passaporte comum que cheguem ao México por via aérea como turistas ou a negócios (sem autorização para realizar atividades remuneradas no país) deverão solicitar às autoridades migratórias mexicanas, previamente à viagem, autorização eletrônica para entrada naquele país, por meio de página eletrônica a ser disponibilizada.

    Brasileiros que possuam visto ou autorização de residência válidos para os Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Japão ou em qualquer dos países integrantes do espaço Schengen estarão dispensados do trâmite da autorização eletrônica.

    Nacionais brasileiros que viajem ao México por via terrestre ou marítima deverão solicitar o visto correspondente junto às autoridades consulares mexicanas.

    O governo brasileiro manifestou às autoridades mexicanas a expectativa de que a medida tenha vigência transitória e de curta duração e contribua para a redução do número de inadmissões.

    O Brasil estudará a aplicação de reciprocidade proporcional à medida mexicana.

    Ao mesmo tempo, reitera seu interesse em continuar a dialogar com as autoridades mexicanas para coordenar ações de combate ao tráfico e contrabando de pessoas, cujas redes exploram grupos vulneráveis, inclusive crianças.

    Mais Recentes da CNN