Milhares protestam na Hungria contra abertura de campus de universidade chinesa

Manifestantes temem que o campus possa prejudicar a qualidade do ensino superior e ajudar Pequim a aumentar sua influência na Hungria e na União Europeia

Manifestantes protestam contra a construção de um campus universitário chinês em Budapeste, em 5 de junho de 2021.
Manifestantes protestam contra a construção de um campus universitário chinês em Budapeste, em 5 de junho de 2021. Foto: FERENC ISZA/AFP via Getty Images

da Reuters

Ouvir notícia

Milhares de húngaros, alguns deles segurando cartazes declarando “traição”, protestaram neste sábado (5) contra os planos de uma universidade chinesa de abrir um campus em Budapeste.

Os oponentes liberais do primeiro-ministro nacionalista Viktor Orban o acusam de se aproximar do governo chinês e temem que o campus possa prejudicar a qualidade do ensino superior e ajudar Pequim a aumentar sua influência na Hungria e na União Europeia.

“Não concordo com o fortalecimento das relações de nosso país com a China”, disse Patrik, um estudante de 22 anos que se recusou a fornecer seu nome completo, à Reuters no protesto na capital húngara. Ele disse que os fundos deveriam ser usados ??”para melhorar nossas próprias universidades, em vez de construir uma chinesa”.

O governo assinou um acordo com a Universidade Fudan, sediada em Xangai, em abril, para construir um campus em Budapeste, onde uma vila-dormitório para estudantes húngaros havia sido planejada anteriormente.

O governo afirma que Fudan é uma instituição de nível mundial e que o campus “permitirá que os alunos aprendam com os melhores”. A agência de notícias Húngara MTI citou Tamas Schanda, um vice-ministro do governo, dizendo que o protesto de sábado foi desnecessário. Ele também rejeitou a “histeria política” com base em fofocas infundadas e relatos da mídia.

Políticos de oposição e economistas criticaram o que dizem ser os altos custos do projeto e a falta de transparência. “O Fidesz está vendendo no atacado a moradia dos estudantes húngaros e seu futuro, apenas para trazer a universidade de elite da ditadura chinesa para o país”, disseram os organizadores do protesto de sábado no Facebook, referindo-se ao partido de direita de Orban.

O prefeito de Budapeste, Gergely Karacsony, se opôs publicamente ao plano. Como um ato de protesto, o prefeito anunciou na quarta-feira (2) que as ruas próximas ao campus planejado seriam renomeadas após importantes causas de direitos humanos sensíveis ao governo chinês.

Uma rua terá o nome do Dalai Lama, o líder espiritual exilado do Tibete, enquanto outra será chamada de “Estrada dos Mártires Uigur”, em homenagem ao grupo étnico predominantemente muçulmano que Washington e outras capitais dizem ter sido vítima de um genocídio chinês.

Duas outras ruas serão nomeadas em homenagem aos manifestantes pró-democracia de Hong Kong e a um bispo católico que foi preso na China. Pequim disse nesta semana que “alguns políticos húngaros” estão tentando chamar a atenção e obstruir a cooperação entre a China e a Hungria.

“Esse comportamento é desprezível”, disse Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China. Orban construiu laços cordiais com a China, Rússia e outros governos não liberais, enquanto brigava com aliados ocidentais ao restringir a independência da pesquisa científica, do judiciário e da mídia.

O líder húngaro foi criticado sexta-feira por um diplomata alemão sênior por bloquear uma declaração da UE que teria condenado a repressão de Pequim às liberdades civis em Hong Kong.
“A Hungria bloqueou novamente uma declaração da UE sobre Hong Kong. Três semanas atrás, foi sobre o Oriente Médio. A política externa e de segurança comum não pode funcionar com base em uma política de bloqueio”, escreveu o secretário de Estado do Ministério das Relações Exteriores alemão, Miguel Berger, no Twitter.

Orban enfrenta uma oposição unificada em casa pela primeira vez desde que assumiu o poder em 2010, antes das eleições parlamentares em 2022.

Mais Recentes da CNN