Ministro das Relações Exteriores da Rússia culpa Ucrânia por crise de grãos

“As tentativas da Turquia e do secretário-geral da ONU teriam sido bem-sucedidas há muito tempo se a Ucrânia e seus mestres ocidentais tivessem resolvido a questão da remoção de minas no Mar Negro”, disse Sergey Lavrov

Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, em Moscou
Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, em Moscou 26/04/2022 Maxim Shipenkov/Pool via REUTERS

Anna Chernovada CNN

Ouvir notícia

A crise de exportação de grãos da Ucrânia já teria sido resolvida se Kiev e seus aliados ocidentais tivessem desminado os portos do Mar Negro, disse o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, em uma entrevista coletiva após conversas com o ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian.

“As tentativas da Turquia e do secretário-geral da ONU teriam sido bem-sucedidas há muito tempo se a Ucrânia e seus mestres ocidentais tivessem resolvido a questão da remoção de minas no Mar Negro”, disse o ministro.

“As tentativas de organizar uma coalizão internacional para desminagem nos portos do Mar Negro visam apenas intervir nos assuntos da região do Mar Negro sob os auspícios da ONU”, acrescentou Lavrov.

Mais cedo nesta quinta-feira (23), a secretária de Relações Exteriores do Reino Unido, Liz Truss, disse que é “urgente” resolver a crise de grãos da Ucrânia no próximo mês para evitar consequências “devastadoras”.

Falando em Ancara ao lado do ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, Truss mais uma vez acusou o presidente russo Vladimir Putin de “armamentar a fome” e enfatizou que, se essa situação difícil não for resolvida, provavelmente levará a “uma enorme fome em todo o mundo”.

“Ele [Putin] bloqueou os portos ucranianos e está impedindo a exportação de 20 milhões de toneladas de grãos para todo o mundo, mantendo o mundo como refém”, disse Truss, que está na Turquia para discutir o plano de retirar os grãos, apoiado pelo governo.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN