Míssil da China amplia atenção para revisão da política de armas nucleares de Biden

Equipe de Biden tem trabalhado em prol de uma política de maior moderação e gastos mais limitados na modernização e produção nuclear

O teste da China de um míssil hipersônico com capacidade nuclear aquece discussão sobre agenda do presidente dos EUA, Joe Biden, para reduzir arsenal nuclear norte-americano
O teste da China de um míssil hipersônico com capacidade nuclear aquece discussão sobre agenda do presidente dos EUA, Joe Biden, para reduzir arsenal nuclear norte-americano Getty Images

Natasha Bertrandda CNN

Ouvir notícia

O teste da China de um míssil hipersônico com capacidade nuclear deu novo combustível aos críticos da ambiciosa agenda do presidente Joe Biden para reduzir o arsenal nuclear dos Estados Unidos. Oficiais de inteligência e defesa alertam que o lançamento chinês representou um salto tecnológico significativo que poderia ameaçar os Estados Unidos de novas formas.

A notícia do lançamento vem à tona publicamente enquanto o governo norte-americano se aproxima do final de sua revisão da postura nuclear. A equipe de segurança nacional de Biden tem trabalhado em prol de uma política de maior moderação e gastos mais limitados na modernização e produção nuclear.

O presidente também está avaliando uma política de “não primeiro uso” para as armas nucleares dos Estados Unidos, de acordo com pessoas familiarizadas com as discussões.

No entanto, outros dentro do governo estão agitando bandeiras vermelhas. Oficiais de inteligência disseram ao Comitê de Inteligência do Senado em briefings privados que o teste chinês – que eles acompanharam de perto enquanto acontecia – marcou um avanço substancial na capacidade da China de lançar um primeiro ataque estratégico contra os Estados Unidos, de acordo com pessoas familiarizadas com os dados.

Embora isso não dê necessariamente à China uma vantagem sobre os EUA, disseram os informantes, alguns elementos das capacidades do míssil e de como ele operava pegaram as autoridades de surpresa.

A China também construiu e testou com sucesso a tecnologia de forma mais rápida do que os EUA previram que seriam capazes, de acordo com um ex-oficial de controle de armas que serviu até janeiro. Um teste hipersônico realizado pelo Pentágono na quinta-feira (21), entretanto, falhou – o segundo teste a falhar desde abril.

O teste chinês também demonstrou a capacidade potencial de lançar um ataque por cima do Polo Sul, uma trajetória que há muito preocupa os EUA por causa da falta de sistemas projetados para fornecer um alerta antecipado de tal ataque, disseram autoridades de defesa.

“É uma capacidade de primeiro ataque e enfatiza a necessidade de continuarmos nosso programa de modernização rapidamente”, disse um membro sênior republicano do Congresso, referindo-se aos esforços em andamento do Pentágono e da Administração de Segurança Nuclear Nacional para reformar o arsenal nuclear americano. “Portanto, vai contra a narrativa de que podemos reduzir o papel das armas nucleares quando a Rússia e a China estão avançando a todo vapor”.

Outros oficiais e especialistas não estão tão preocupados com o teste do míssil e dizem que – embora tenha a intenção de ser provocativo – a tecnologia não dá a Pequim uma vantagem e, portanto, não é um fator de desestabilização.

“Meu conselho hoje é não reagir exageradamente ao sistema”, disse Jeffrey Lewis, professor e especialista em armas nucleares do Middlebury Institute for International Studies. “A China já tem 100 armas nucleares que podem ter como alvo os Estados Unidos e posso viver com esse fato. Isso é dissuasão nuclear”.

Ele acrescentou: “não estou alarmado com este passo em particular tanto quanto com o fato de que se trata de uma série de pegadas no que está se tornando uma corrida armamentista”.

Questionado sobre o lançamento durante o CNN “Town Hall” na quinta-feira, Biden afirmou que os americanos não deveriam se preocupar se a China e a Rússia algum dia terão forças armadas mais poderosas do que os Estados Unidos. A verdadeira preocupação, ele sugeriu, é uma escalada não intencional que saia do controle.

“O que você precisa se preocupar é se eles vão se envolver ou não em atividades que os colocam em uma posição onde podem cometer um erro grave”, disse ele.

Ao mesmo tempo, porém, Biden foi mais longe do que os presidentes anteriores ao sugerir que os EUA estariam prontos para enfrentar a China militarmente no caso de um ataque a Taiwan.

“Temos o compromisso de fazer isso”, disse ele. A Casa Branca mais tarde tentou ignorar esse comentário.

Um alto funcionário do governo disse à CNN que a “posição de Biden sobre a proliferação não mudou”, mas disse que a revisão da postura nuclear levará em consideração o ambiente de segurança atual.

“O governo Biden-Harris está empenhado em renovar a liderança americana na não proliferação e enfrentar a ameaça existencial representada pelas armas nucleares”, disse o funcionário.

“Os Estados Unidos iniciaram sua Revisão da Postura Nuclear no início deste ano para examinar essas questões. A revisão levará em consideração o ambiente de segurança atual e avaliará a estratégia, postura e política dos EUA. Continuaremos a manter um ambiente seguro, protegido e dissuasão estratégica eficaz ao mesmo tempo em que se procura enfrentar a ameaça existencial representada pelas armas nucleares”.

Ainda assim, o sucesso do lançamento chinês também influenciou a revisão da defesa antimísseis do governo, e o Congresso agora exige que o governo explique como está trabalhando para detectar e se defender contra mísseis hipersônicos.

No mês passado, o Comitê de Serviços Armados da Câmara adicionou uma emenda à marcação da Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA, na sigla em inglês) delineando sua preocupação “sobre a incapacidade dos sistemas de radar atuais de detectar, rastrear, engajar e derrotar ameaças emergentes de armas hipersônicas”, reportou a Defense News na época.

“Conforme identificado pela Estratégia de Defesa Nacional, o Departamento de Defesa tem uma necessidade imediata de reforçar os esforços para conter essas armas”.

O comitê revisou a inteligência sobre o teste de mísseis da China quando acrescentou a emenda, disseram funcionários do Congresso à CNN.

“Simplesmente não sabemos como podemos nos defender contra esse tipo de tecnologia”, disse o embaixador do desarmamento dos Estados Unidos, Robert Wood, a repórteres esta semana em Genebra.

Pressão sobre Biden para manter o status quo

A revisão da postura nuclear foi tema de muitos debates internos e politicagem mesmo antes da China testar o novo míssil, disseram as fontes.

Biden há muito é a favor de controlar o arsenal nuclear americano e ele e sua equipe de segurança nacional estão avaliando se uma política de “não primeiro uso” ajudaria a reduzir as tensões nucleares com os adversários.

“Estamos tentando dizer: ‘Não vamos atacar você com uma arma nuclear a menos que você nos ataque com uma arma nuclear'”, disse Bonnie Jenkins, subsecretária de controle de armas e segurança internacional de Biden, em janeiro.

Jenkins, que serviu no Departamento de Estado no governo do ex-presidente Barack Obama, disse que os EUA “deram alguns passos para trás” no governo do ex-presidente Donald Trump.

“Adicionamos todas essas condições nas quais podemos realmente usar uma arma nuclear. Nós retrocedemos”, disse ela.

No entanto, tem havido alguma oposição interna aos membros mais progressistas da equipe de Biden. A principal autoridade nuclear de Biden no Pentágono, Leonor Tomero, foi demitida no mês passado no que o Departamento de Defesa insistiu ser apenas uma reorganização. Mas os aliados de Tomero viram o movimento como uma tentativa de influenciar a direção da revisão da postura nuclear, que ela estava supervisionando.

“Ela é mais progressista nessas questões, e alguns no Pentágono estavam preocupados com o que ela poderia fazer”, disse Lewis, que é amigo de Tomero. “Este não foi o caso de ela ficar contrariada com o presidente. Foi apenas o caso da construção ser muito conservadora”.

Mallory Stewart – outra oficial de mentalidade progressista que foi nomeada por Biden para servir como secretária de Estado assistente para controle de armas, verificação e conformidade – também está enfrentando oposição no Capitólio.

O senador Jim Risch, um republicano de Idaho que é o membro graduado do Comitê de Relações Exteriores do Senado, disse que se opõe à nomeação de Stewart devido às objeções dos aliados dos EUA sobre a consideração do governo de uma política de não primeiro uso. Stewart esteve envolvida na revisão da postura nuclear em seu papel como líder da política nuclear e controle de armas no Conselho de Segurança Nacional.

“Eu definitivamente concordaria que há certas preocupações sobre o que está possivelmente no processo de consideração”, disse Stewart quando questionada sobre as objeções dos aliados durante sua audiência de confirmação no início deste mês. “Mas acho que o esforço que estamos fazendo para nos envolvermos com eles é realmente entender quais são essas preocupações e, esperançosamente, abordá-las por meio de parte do processo de engajamento”.

‘Preocupa-nos profundamente’

A relutância em investir muito dinheiro na modernização nuclear e a possibilidade de uma mudança para uma política de não primeiro uso abalou alguns aliados – incluindo Alemanha, Reino Unido e França – que estão extremamente preocupados com a ameaça representada pela Rússia, disseram as fontes.

O governo pesquisou mais de duas dúzias de aliados para obter feedback ao longo da revisão da postura nuclear, acrescentaram as fontes.

“A coisa mais importante” que os aliados vão querer ver da revisão é um “compromisso dos Estados Unidos com a renovação de suas próprias forças nucleares”, disse um ex-oficial de defesa britânico que esteve envolvido nas discussões antes de deixar o governo em julho.

De particular preocupação para o Reino Unido, disse o ex-oficial, é o desenvolvimento contínuo da ogiva W93, que seria a primeira recém-projetada adicionada ao estoque dos EUA em décadas.

Mas uma possível mudança na doutrina americana especificando as condições sob as quais usaria uma arma nuclear, em oposição à política deliberadamente ambígua que existe há muito tempo, “nos preocupa profundamente”, disse o ex-funcionário.

“A preocupação é que isso seja interpretado pelos russos como um enfraquecimento do compromisso da América de simplesmente não permitir uma coerção nuclear da Europa”, disse ele. “A Rússia agora parece mais ameaçadora do que em qualquer momento desde os anos 1980. Portanto, para os europeus, parece ser um momento realmente estranho para questionar um pilar da política da OTAN que funcionou até agora”.

Oren Libermann, da CNN, contribuiu para esta reportagem.

Este é um texto traduzido. Para ler o original em inglês, clique aqui.

Mais Recentes da CNN