Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Míssil ucraniano mata 15 pessoas em prédio na região de Belgorod, diz Rússia

    Segundo autoridades russas, parte de um prédio de 10 andares desabou por conta do ataque

    Prédio atingido em Belgorod
    Prédio atingido em Belgorod 12/5/2024 REUTERS/Stringer

    Da Reuters

    Pelo menos 15 pessoas morreram e muitas ficaram feridas no domingo (12), quando uma parte de um prédio de apartamentos russo desabou após ser atingido por fragmentos de um míssil da era soviética, lançado pela Ucrânia e abatido pela Rússia, disseram autoridades russas.

    Em um dos ataques mais letais até hoje na região de Belgorod, a Ucrânia lançou o que as autoridades russas disseram ser um ataque maciço de mísseis, envolvendo mísseis balísticos Tochka e sistemas de foguetes de lançamento múltiplo Adler e RM-70 Vampire (MLRS).

    O Ministério de Emergências da Rússia afirmou nesta segunda-feira (13) que 15 pessoas morreram quando o prédio desabou. Vyacheslav Gladkov, governador da região, disse que mais quatro pessoas morreram no domingo em ataques separados por Kiev.

    Vinte e sete pessoas ficaram feridas no domingo em vários ataques, disse Gladkov no aplicativo de mensagens Telegram.

    Não houve comentário imediato da Ucrânia.

    O Ministério da Defesa da Rússia disse que pelo menos 12 mísseis estavam envolvidos nos ataques a Belgorod, que chamou de “ataque terrorista a áreas residenciais”.

    “Fragmentos de um dos mísseis Tochka-U derrubados danificaram um prédio de apartamentos na cidade de Belgorod”, afirmou o ministério.

    As imagens do local mostraram o desabamento de pelo menos 10 andares do prédio. Mais tarde, enquanto os serviços de emergência vasculhavam os escombros em busca de sobreviventes, o teto desabou e as pessoas correram para salvar suas vidas, com poeira e escombros caindo atrás delas.

    Tanto a Ucrânia quanto a Rússia dizem que não têm como alvo os civis na guerra que começou quando a Rússia invadiu sua vizinha menor em fevereiro de 2022. A guerra matou milhares de pessoas, desalojou milhões e transformou as cidades ucranianas em escombros.

    O Kremlin disse que o presidente Vladimir Putin havia sido informado sobre o ataque, que disse ser “bárbaro”. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou que o ataque a civis e à infraestrutura civil foi criminoso.

    Kiev afirma que atacar a infraestrutura militar, de transporte e de energia da Rússia prejudica o esforço de guerra de Moscou e é uma resposta aos inúmeros ataques mortais da Rússia contra a infraestrutura civil e áreas residenciais.