Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Morre 343º socorrista por doença decorrente do 11/9, mesmo número de bombeiros mortos nos ataques

    De acordo com o Corpo de Bombeiros, 11 mil bombeiros sofrem de doenças relacionadas ao World Trade Center

    343 bombeiros morreram durante o socorro a vítimas no 11 de setembro
    343 bombeiros morreram durante o socorro a vítimas no 11 de setembro Mark Yokoyama - 11.set.2001/Flickr

    Maria Sole Campinotida CNN

    O número de socorristas do Corpo de Bombeiros da cidade de Nova York (FDNY) que morreram de doenças relacionadas ao 11 de setembro atingiu 343, igualando o número de profissionais da corporação que perderam a vida no dia dos ataques terroristas de 2001.

    Mais dois membros do FDNY morreram neste mês de setembro de doenças relacionadas ao 11 de setembro, logo após o 22º aniversário dos ataques ao World Trade Center, de acordo com um comunicado do corpo de bombeiros nas redes sociais.

    Hilda Vannata, técnica de emergência médica do corpo de bombeiros, morreu no dia 20 de setembro de câncer, informa o departamento.

    Vannata nasceu em Porto Rico e mudou-se para Nova York ainda criança, de acordo com seu obituário. Ela ingressou no Corpo de Bombeiros em 1988 e serviu como paramédica no Batalhão 14-Lincoln Hospital por 26 anos, afirma o obituário.

    O bombeiro aposentado Robert Fulco morreu na manhã de sábado (23) de fibrose pulmonar, tornando-o o segundo integrante a perder a vida esta semana, segundo o Corpo de Bombeiros.

    “Nunca os esquecerá”

    “Há muito que sabíamos que este dia estava a chegar, mas a sua realidade é surpreendente da mesma forma”, disse a comissária dos bombeiros, Laura Kavanagh, num comunicado. “343 dos nossos heróis perderam-se em um dia e hoje, mais 343. O FDNY nunca os esquecerá. Este é o nosso legado. Esta é a nossa promessa”, disse ela.

    Além do aumento no número de bombeiros e socorristas que morreram após operações de resgate no marco zero, o número de doenças ligadas aos ataques ao World Trade Center também continua a crescer, disse Kavanagh.

    11 mil bombeiros

    De acordo com o Corpo de Bombeiros, 11 mil bombeiros sofrem de doenças relacionadas ao World Trade Center, incluindo 3.500 que têm câncer. A exposição aos materiais tóxicos após o desastre tem sido associada ao aumento do risco de doenças cardiovasculares, doenças respiratórias, cancro e outras doenças.

    “Muitos de nossos membros apareceram para nós naquele dia fatídico, e muitos se perderam. O legado que criamos para eles é de honra e promessa”, disse Kavanagh. “É por isso que continuamos a defender os sobreviventes e não vamos parar de pressionar até que todos os nossos membros tenham os cuidados que merecem para o resto das suas vidas”, disse ela.

    Mais de 71 mil pessoas estão atualmente inscritas no Registro de Saúde do World Trade Center, que busca monitorar a saúde dos socorristas do 11 de setembro e de outras pessoas que estiveram nas imediações dos ataques.

    Além dos socorristas, os ataques deixaram efeitos contínuos na saúde dos trabalhadores do World Trade Center que evacuaram os seus locais de trabalho, dos transeuntes, dos residentes dos edifícios circundantes e dos voluntários que passaram algum tempo no marco zero nas semanas seguintes.

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original