Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Moscou prorroga prisão de repórter do Wall Street Journal acusado de espionagem

    Evan Gershkovich deve ficar detido pelo menos até 30 de junho; EUA afirmam que russos usam cidadãos americanos como “peões”

    Repórter do Wall Street Journal Evan Gershkovich em audiência em Moscou
    Repórter do Wall Street Journal Evan Gershkovich em audiência em Moscou 28/11/2023 Divulgação via REUTERS

    Da Reuters em Moscou

    O repórter do Wall Street Journal, Evan Gershkovich, acusado pela Rússia de espionagem, teve sua prisão preventiva prorrogada por três meses nesta terça-feira (26) até 30 de junho, disse um tribunal de Moscou.

    Gershkovich, seu jornal e o governo dos EUA negam fortemente as acusações, que levam a uma sentença de até 20 anos de prisão.

    A audiência de terça-feira (26) foi fechada para a mídia, mas o serviço judicial de Moscou publicou fotografias e um breve vídeo mostrando Gershkovich em pé em uma caixa de vidro no tribunal. Ele parecia relaxado e estava sorrindo.

    Sexta-feira marcará o primeiro aniversário da prisão de Gershkovich na cidade de Yekaterinburg, nos Urais. Ele não teve sucesso em apelações repetidas contra sua detenção, que já foi prorrogada várias vezes. Nenhuma data foi definida para o julgamento.

    Washington prometeu fazer “o que for preciso” para trazer para casa Gershkovich e o ex-fuzileiro naval Paul Whelan, condenado em 2020 e servindo 16 anos em uma colônia penal russa por acusações de espionagem que ele também nega.

    O presidente russo, Vladimir Putin, disse que Gershkovich poderia ser libertado em algum momento em troca de um prisioneiro russo mantido no exterior, mas até agora nenhum acordo se materializou.

    Resposta dos EUA

    A embaixadora dos EUA em Moscou exigiu nesta terça-feira (26) que a Rússia liberte Evan Gershkovich e disse que o Kremlin estava usando ele e outros cidadãos americanos como peões.

    A última decisão de estender a prisão preventiva de Gershkovich na terça-feira “parece particularmente dolorosa, pois esta semana marca um ano desde que Evan foi preso e injustamente detido”, disse a embaixadora Lynne Tracy.

    “O caso de Evan não é sobre provas, devido processo legal ou estado de direito. Trata-se de usar os cidadãos americanos como peões para alcançar fins políticos, como o Kremlin também está fazendo no caso de Paul Whelan.”