Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mosquitos estão levando espécies de aves à extinção; cientistas tentam encontrar ovos para preservá-los

    Pássaros do Havaí estão sendo infectados pela malária aviária, doença considerada "quase sempre fatal"

    A espécie ‘akikiki está corre o risco de extinção
    A espécie ‘akikiki está corre o risco de extinção San Diego Zoo Wildlife Alliance

    Melissa Velásquez Loaizada CNN

    O ‘akikiki, um pequeno pássaro cinza nativo do Havaí, pode não parecer extraordinário, mas é raridade. Acredita-se que apenas cinco permaneçam na natureza e, de acordo com o Departamento de Terras e Recursos Naturais do estado, a espécie pode ser extinta dentro de meses.

    A maior ameaça a estas pequenas aves são os mosquitos transmissores da malária.

    Vivendo nas montanhas frias e exuberantes da ilha de Kaua’i, durante muitos anos a espécie esteve fora do alcance dos mosquitos, mas o aumento das temperaturas devido às alterações climáticas permitiu que os insetos chegassem nas aves, trazendo consequências terríveis.

    “As populações caíram drasticamente nos últimos 15 a 20 anos, à medida que o clima mudou e os mosquitos se mudaram para altitudes mais elevadas”, disse Hannah Bailey, chefe do Programa de Conservação de Aves Florestais Ameaçadas do Havaí, da Wildlife Alliance, Zoológico de San Diego.

    Sem resistência às doenças transmitidas por mosquitos, os ‘akikiki são vítimas da malária aviária, que “é quase sempre fatal”, explica.

    Com quantidades mínimas históricas, conservacionistas como Bailey, juntamente com o Projeto de Recuperação de Aves Florestais de Kaua’i e o Departamento de Terras e Recursos Naturais, estão intensificando esforços para salvar as espécies da extinção, criando uma população segura em centros de conservação de aves nas ilhas de Kaua’i e Maui.

    “Nossa missão é fornecer refúgio seguro às espécies ameaçadas, para que quando o ambiente for adequado para sua sobrevivência a longo prazo, possamos libertá-las novamente”, explica.

    O ‘akikiki vive nas exuberantes e úmidas florestas montanhosas da ilha havaiana de Kaua’i / Departamente de Terra e Recursos Naturais do Havaí

    Em busca de ovos

    Recentemente, a equipe deixou de tentar capturar as aves restantes e trazê-las para um local seguro, passando a se concentrar inteiramente na coleta de ovos não eclodidos.

    A cada temporada de nidificação, a equipe vai aos planaltos montanhosos de Kaua’i e, sabendo onde os ninhos foram vistos antes, vasculha as copas das árvores usando uma câmera montada em um longo poste. Ao encontrarem um ninho ocupado, montam um sistema de escadas, às vezes subindo até 14 metros de altura para alcançá-lo.

    Nos últimos meses, a equipe resgatou com sucesso 10 ovos, que foram colocados em uma incubadora portátil e levados em segurança para o Centro de Conservação de Aves de Kaua’i. Lá, os ovos coletados continuam a crescer e se desenvolver, e os filhotes que eclodem com sucesso juntam-se aos outros 50 ‘akikiki sob cuidados humanos.

    As aves resgatadas viverão em recintos cuidadosamente concebidos para imitar o seu habitat natural e protegê-las dos mosquitos, e a interação humana é estritamente limitada para que as aves mantenham o seu comportamento natural, diz Bailey.

    O objetivo é que, assim que a ameaça da malária aviária for erradicada, as aves possam ser libertadas no seu habitat natural.

    “[É a] melhor chance de sobreviver e criar esses filhotes, na esperança de que eles nos deem a próxima geração de ‘akikiki’”, diz ele.

    Acabar com os mosquitos

    O desafio que temos pela frente é como acabar com a malária aviária, que não só ameaça o ‘akikiki, mas também outras aves florestais em perigo de extinção.

    Historicamente, havia mais de 50 espécies de pássaros canoros que se alimentavam de néctar e insetos, no Havaí, mas hoje apenas 17 permanecem, pois as populações foram dizimadas por doenças transmitidas por mosquitos, bem como pela perda de habitat e pelas ameaças de outras espécies invasoras.

    Outras espécies, como a palila, também são atacadas pelos mosquitos portadores da malária / San Diego Zoo Wildlife Alliance

    Em junho, o governo dos EUA se comprometeu com quase US$ 16 milhões como parte de uma iniciativa para prevenir a extinção iminente das aves florestais havaianas. Isso inclui financiamento centrado na expansão de programas de cuidados em cativeiro e esforços para controlar e erradicar mosquitos invasores.

    O Departamento de Terras e Recursos Naturais do Havaí está aguardando a aprovação dos reguladores para usar a “técnica de inseto incompatível”, que envolve a liberação de mosquitos machos que possuem uma cepa de uma bactéria natural chamada Wolbachia, que gera ovos sem venenos ao acasalar com fêmeas selvagens.

    O processo poderia ajudar a reduzir a probabilidade de as aves florestais serem afetadas pela malária aviária, que só é transmitida por mosquitos fêmeas. Mas até que isso aconteça, é necessário se concentrar no crescimento das populações e na manutenção de uma variedade genética estável, diz Bailey.

    “Nossa maior esperança é que nosso centro não seja mais necessário, que tenhamos controle dos mosquitos aviários da malária e possamos controlar outras ameaças para que essas aves possam ser devolvidas à natureza e viver em seu habitat nativo”, disse ele. diz.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original