Mudanças climáticas intensificam crise na fronteira dos EUA; situação deve piorar

Mais de 10 mil migrantes do Haiti foram para a fronteira dos Estados Unidos em Del Rio, Texas, esta semana

Agentes norte-americanos barram imigrantes na fronteira com o México
Agentes norte-americanos barram imigrantes na fronteira com o México 19/09/2021 REUTERS/Daniel Becerril

Rachel Ramirezda CNN

Ouvir notícia

Por conta da turbulência política após o assassinato do presidente do país, um terremoto de magnitude 7,2 que matou mais de mil pessoas e uma tempestade tropical, os haitianos estão fugindo de seu país.

Mais de 10 mil migrantes do Haiti foram para a fronteira dos Estados Unidos em Del Rio, Texas, esta semana e até 30 mil também podem querer viajar para o norte.

Suas experiências são semelhantes às de migrantes da América Central e do Sul, onde a instabilidade política e econômica e as mudanças climáticas estão ameaçando seus meios de subsistência .

Em conversas com a CNN, os haitianos apontaram a agitação social, a pobreza e os terremotos entre as razões de sua migração. A atual crise na fronteira mostra como os desastres naturais — e seus efeitos colaterais — podem levar as pessoas a deixar suas casas, mesmo que isso signifique arriscar suas vidas.

“O Haiti é um caso particular importante, mas está conectado a uma história mais ampla de expropriação dos negros, especialmente no Caribe”, disse Keston K. Perry, economista político e professor assistente de estudos africanos no Williams College, à CNN. “Fazer a conexão entre as desigualdades existentes que estão ligadas ao colonialismo e à escravidão dos povos africanos é importante para entendermos como essas comunidades se tornaram particularmente vulneráveis ​​e expostas às mudanças climáticas.”

A pesquisa mostrou que a migração climática se tornará cada vez mais intensa à medida que o planeta se aquece e as pessoas procuram lugares que consideram mais seguros e economicamente estáveis.

De acordo com um relatório da ONU em abril, desastres climáticos ligados à mudança climática levaram, em média, cerca de 21,5 milhões de pessoas em países que já lutam com o conflito a se mudar a cada ano, desde 2010. Embora os migrantes não citem isso como o principal motivo para saírem de suas casas, um estudo de 2020 encontrou conexões entre a crise climática e seus efeitos sobre a segurança, a economia e a subsistência deles.

“Tomar a decisão de deixar seu próprio país deve ser o último recurso”, disse Perry. “Esses países são incapazes de atender às necessidades, recuperação e socorro anualmente, quando passam por calamidades como deslizamentos de terra, inundações e furacões que vemos acontecer com mais frequência — e, portanto, veremos mais formas de migração.”

Um desafio político

O impacto da mudança climática na crise da fronteira dos Estados Unidos “não deve surpreender ninguém”, disse o senador democrata Ben Ray Luján, do Novo México, à CNN.

“A Avaliação da Segurança Nacional foi clara desde o início”, disse Luján. “Os Estados Unidos e nossos aliados precisam levar a sério a crise climática em todos os aspectos, ou tudo vai piorar. A ciência é clara, estamos vendo isso se desenrolar diante de nossos próprios olhos.”

O presidente Joe Biden solicitou recentemente uma estimativa da inteligência nacional norte-americana para explorar as implicações de segurança da crise climática, disse um alto funcionário do Departamento de Estado à CNN.

O funcionário disse que a preocupação com uma crise global de refugiados, desencadeada por condições climáticas extremas mais frequentes, é “realmente o motivo por trás” do pedido do relatório.

“O presidente queria ter certeza de que temos um bom entendimento e uma compreensão abrangente deste desafio”, disse o funcionário, falando sobre a ligação entre mudança climática e migração. “Vai ser tão grande e entendemos isso e queremos ter certeza que conseguiremos enxergar as ramificações, as consequências, os riscos e também que tipos de opções de política existem que estão funcionando bem.”

Mas Perry, que é originalmente de Trinidad e Tobago, disse que os Estados Unidos estão contribuindo para o problema com suas crescentes emissões de combustíveis fósseis e porque não fornecem o financiamento climático necessário para ajudar os países em desenvolvimento.

“Os Estados Unidos não estão sendo responsabilizados, visto que são o maior contribuinte para as emissões de gases de efeito estufa em todo o mundo”, disse ele. “Não têm demonstrado nenhum interesse em apoiar essas pessoas, que fogem de várias formas de crises climáticas e agrícolas vinculadas às formas de intervenção dos Estados Unidos nesses países”.

Um porta-voz da Casa Branca disse à CNN que os EUA “se comprometeram com metas climáticas ousadas e ambiciosas”, incluindo a meta de Biden de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em cerca de 50% dos níveis de 2005 até 2030.
“Simultaneamente”, disse o porta-voz, “o governo Biden continua a implementar uma estratégia abrangente para abordar os fatores que levam as pessoas a deixar seus países, criar canais legais para migrar, criar proteção para as pessoas na região, reformar nosso sistema de asilo e impedir migração irregular. ”

Os EUA são um ‘farol’

Como a nação mais pobre do Hemisfério Ocidental, de acordo com o Banco Mundial, o Haiti é extremamente vulnerável aos desastres naturais com mais de 90% da população em risco. Em todo o Caribe, espera-se que a mudança climática acelere a frequência e a intensidade dos perigos climáticos extremos, incluindo furacões.

Os países da América Central, incluindo Guatemala, El Salvador, Honduras e Nicarágua, também enfrentam níveis de insegurança alimentar que ameaçam a vida como resultado de uma seca devastadora que já dura anos e do aumento das tempestades.

E, assim como vastas áreas do oeste dos Estados Unidos, um estudo de 2020 publicado na revista Environmental Research Letters descobriu que a frequência, a duração e a intensidade das secas nesses países aumentarão à medida que as temperaturas continuarem a aumentar até o final do século.

O deputado Raúl Grijalva, democrata do Arizona e presidente do Comitê de Recursos Naturais da Câmara, disse que a migração climática não é exclusiva dos Estados Unidos, mas é do interesse do país liderar, pois já é um destino para pessoas que estão fugindo de suas terras natais .

“Goste ou não, os EUA são um farol”, disse Grijalva à CNN. “As pessoas veem isso como um refúgio, como um novo começo e como uma fuga, e isso não está indo embora.”

Mesmo que os migrantes atinjam seu objetivo de se estabelecer nos Estados Unidos, eles ainda enfrentam os impactos da crise climática. Somente neste verão, uma onda de calor sem precedentes matou centenas de pessoas no noroeste, e o furacão Ida devastou a costa do Golfo e o Nordeste com inundações. O Ocidente está enfrentando uma seca histórica que causa escassez de água.

Na fronteira dos Estados Unidos com o México, a maioria dos migrantes cruza o Vale do Rio Grande, no Texas. A região é um dos lugares que mais cresce nos Estados Unidos, mas também está ficando mais quente e seco para as pessoas que vivem lá.

O Rio Grande, que fornece água potável e de irrigação para 6 milhões de pessoas e 2 milhões de acres de terras agrícolas para os dois países, está drenando à medida que as ondas de calor se tornam mais severas e as chuvas diminuem.

Perry disse que países desenvolvidos como os EUA devem esperar ver mais migrantes e refugiados tentando escapar de desastres cada vez mais intensos.

“Essas crises revelam o que está acontecendo sob a superfície em termos de desigualdades estruturais”, disse Perry. “No final das contas, dado o que está acontecendo no Haiti e em outras partes da América Latina e do Caribe, veremos eventos futuros desse tipo, especialmente com o aquecimento do planeta.”

(Este é um texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN