Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Na Itália para o G7, Lula terá reuniões com Papa e Macron

    Contrariando expectativas, encontros com Javier Milei, da Argentina, e Volodymyr Zelensky, da Ucrânia, não estão previstos até o momento

    Gabriela Boechatda CNN*

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem cinco reuniões bilaterais com líderes mundiais confirmadas para os dias 14 e 15 de junho, quando estará na Itália para a Cúpula do G7.

    Segundo o Itamaraty, o petista terá encontros com o Papa Francisco; os presidentes da África do Sul, Cyril Ramaphosa, da França, Emmanuel Macron; e da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen; e do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

    Contrariando expectativas, a pasta informou que, até o momento, não houve pedido de reunião com os presidentes Javier Milei, da Argentina, e Volodymyr Zelensky, da Ucrânia.

    Essa é a primeira viagem de Lula à Europa neste ano. Dentre os assuntos a serem abordados tanto na Cúpula do G7 quanto nas reuniões com líderes estão a taxação global de 2% da renda de super-ricos, uma aliança global contra a fome e a transição energética.

    Após a sessão da Cúpula, na tarde de sexta-feira (14), o presidente brasileiro participará de jantar oferecido pela primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni. Ele retorna ao Brasil no sábado (15).

    Parada em Genebra

    Antes de ir à Itália, Lula fará uma parada em Genebra, na Suíça, para o evento de lançamento da Coalizão Global para Justiça Social, da qual será copresidente.

    O petista fará a fala inicial da cerimônia que, inserida no fórum anual da Organização Internacional do Trabalho (OIT), acontecerá na quinta-feira (13).

    Cúpula do G7

    Neste ano, a Cúpula acontece em Borgo Egnazia, na Itália. Lula vai a convite da primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni.

    É a oitava vez que o petista participa da reunião do G7, um grupo formado por Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e União Europeia.

    O evento contará com a presença do príncipe herdeiro da Arábia Saudita e do rei Abdullah, da Jordânia, que devem enfatizar a preocupação com a situação no Oriente Médio.

    Volodymyr Zelensky também marcará presença no dia 13, em sessão dedicada a discutir a guerra entre Rússia e Ucrânia.

    Outro destaque é a presença do Papa Francisco, primeiro pontífice a participar de uma cúpula do grupo.

    *sob supervisão de Brenda Silva, da CNN