Nancy Pelosi é reeleita para presidência da Câmara dos EUA

Eleição se dá em meio a incertezas políticas provocadas pela luta republicana sobre o resultado das eleições presidenciais

A presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi
A presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi Foto: Reprodução (6.nov.2020)/CNN

Susan Cornwell, da Reuters

Ouvir notícia

Nancy Pelosi foi reeleita para a presidência da Câmara dos EUA neste domingo (3), em meio a incertezas políticas com a luta republicana sobre o resultado das eleições presidenciais.

A Câmara votou para restabelecer Pelosi, depois que os democratas perderam 11 assentos nas eleições de novembro para comandar uma maioria mais estreita. Cinco democratas optaram por não apoiá-la — dois votaram em legisladores que não concorreram, enquanto três outros simplesmente votaram “presentes”.

O Senado continua republicano antes das duas eleições na Geórgia na terça-feira, dando a seus membros uma plataforma para veicular novamente as alegações infundadas do presidente Donald Trump de que sua derrota para o presidente eleito democrata Joe Biden foi resultado de fraude.

Leia também:

Trump pediu ao secretário da Geórgia para ‘encontrar’ 11.780 votos, diz Post

Quatro senadores pedem ao Senado ratificação da eleição presidencial nos EUA

Múltiplas análises estaduais e federais não encontraram evidências do tipo de fraude generalizada que Trump afirma, mas senadores republicanos e membros da Câmara planejam contestar o resultado da eleição quando o Congresso ratificar na quarta-feira.

Uma pressão republicana liderada pelo senador Ted Cruz por uma auditoria de emergência de 10 dias dos resultados eleitorais atraiu críticas no domingo do senador republicano Lindsey Graham, um aliado ferrenho de Trump.

“Parece ser mais uma evasão política do que um remédio eficaz”, disse Graham em um comunicado. “Vou ouvir com atenção. Mas eles têm uma barreira elevada para superar.”

O equilíbrio mais estreito de poder em ambas as casas neste ano também pode encorajar os moderados de cada partido a flexionar seus músculos políticos, especialmente depois que Trump deixar a Casa Branca em 20 de janeiro e Biden, que concorreu como um centrista, assumir o cargo.

Mas os líderes na Câmara e no Senado tentaram parecer otimistas, apesar dos desafios crescentes.

“De divisão política a uma pandemia mortal para adversários ao redor do mundo, os obstáculos diante de nós são muitos e são sérios”, disse o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, no plenário do Senado.

“Mas também há muitos motivos para esperança”, acrescentou o republicano de Kentucky, citando o lançamento em curso da vacina contra o coronavírus. “Eu diria que 2021 já parece brilhante.”

O líder da maioria na Câmara, Steny Hoyer, o segundo democrata da Câmara, também disse em um comunicado que espera que o novo Congresso “vire a página” sobre a divisão partidária “e inicie um novo capítulo de cooperação entre democratas e republicanos”.

Uma maioria democrata menor e a pandemia de coronavírus ainda violenta tornaram a reeleição como porta-voz mais complicada para Pelosi, a única mulher a manter o emprego.

No Senado, o vice-presidente Mike Pence prestou juramento em 32 senadores no domingo, administrando o juramento de posse em pares devido às restrições da Covid-19.

A vitória republicana de uma ou de ambas as cadeiras do Senado da Geórgia na eleição de terça-feira consolidaria a maioria republicana liderada por Mitch McConnell.

As vitórias democratas na Geórgia produziriam um Senado 50-50, onde a vice-presidente eleita democrata Kamala Harris faria o desempate assim que ela tomar posse em 20 de janeiro.

 

Mais Recentes da CNN