Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Não é meu rei”: antimonarquistas enfrentam repressão policial no Reino Unido

    Para evitar prisões, manifestantes erguem cartazes em branco ou com mensagens simbólicas; Leis britânicas rígidas trazem à tona o debate sobre liberdade de expressão

    Manifestantes se reuniram do lado de fora das Casas do Parlamento na terça-feira (13), muitos carregando cartazes em branco para evitar prisões.
    Manifestantes se reuniram do lado de fora das Casas do Parlamento na terça-feira (13), muitos carregando cartazes em branco para evitar prisões. Carlos Barria/Reuters

    Christian Edwardsda CNN

    Londres

    Enquanto milhares de pessoas foram às ruas do Reino Unido para lembrar a rainha Elizabeth II após sua morte na semana passada, os críticos da monarquia aproveitaram a oportunidade para protestar, segurando cartazes como “Not my king” – “Não é meu rei”, uma referência ao novo Rei Charles III. A polícia interveio e, em alguns casos, prendeu manifestantes, levantando sérias questões sobre a maneira como algumas forças estão reprimindo a dissidência no país.

    Liberty, um grupo de defesa dos direitos civis, expressou sua preocupação, dizendo em um comunicado: “É muito preocupante ver a polícia aplicando seus amplos poderes de uma maneira tão pesada e punitiva para reprimir a liberdade de expressão”.

    A CNN conversou com alguns dos que enfrentaram ação policial esta semana depois de criticar publicamente a família real.

    Symon Hill, de Oxford, estava voltando da igreja no domingo por volta das 12h30. O homem de 45 anos disse à CNN que as estradas no centro da cidade foram isoladas para uma procissão, dificultando a atravessar a multidão. Percebendo que a ascensão do rei Charles III estava prestes a ser proclamada pelas autoridades locais, Hill decidiu ouvir em vez de insistir para chegar em casa.

    “Eles começaram a ler sobre Elizabeth II e expressar tristeza por sua morte”, disse Hill. “Eu certamente não interromperia isso. Eu nunca me intrometi em um ato de luto. Isso não é algo que eu jamais faria.”

     

    Mas quando o rei Charles foi declarado “nosso único senhor legítimo por direito”, Hill disse que gritou: “Quem o elegeu?”

    “Apenas as pessoas realmente próximas poderiam ter ouvido. Algumas pessoas me disseram para calar a boca. Respondi que um Chefe de Estado está sendo imposto sem nosso consentimento”, algo que ele achou “difícil de engolir”.

    Hill disse que ficou “chocado” com o que aconteceu em seguida, descrevendo como foi empurrado pelos seguranças. “Então a polícia interveio, me agarrou, me algemou e me colocou na parte de trás de uma van da polícia”, disse ele. “Provavelmente não passaram mais de cinco minutos desde que eu gritei ‘quem o elegeu?’”

    Hill disse que, uma vez que estava na van da polícia, perguntou repetidamente aos policiais sob qual lei ele estava sendo preso. “Eles não pareciam ter muita certeza, o que é bastante preocupante. Certamente a prisão arbitrária não é algo que deveríamos ter em uma sociedade democrática”.

     

    Hill disse que recebeu razões conflitantes para sua prisão, pois a polícia não tinha certeza se deveria levá-lo sob custódia.

    “Depois de muitos policiais conversando uns com os outros e com seus superiores através de seus rádios, o policial na van comigo me disse que eu seria detido e levado para casa, mas que seria contatado e solicitado a dar uma entrevista em uma data posterior. Ele disse que eu ainda poderia ser acusado de alguma coisa. Mesmo neste momento, eles não responderam às minhas perguntas sobre sob qual lei eu tinha sido preso.”

    Um manifestante antimonarquia aborda a mídia do lado de fora das Casas do Parlamento na segunda-feira (12). Chris J Ratcliffe/Getty Images

    Hill disse que foi informado por policiais no caminho para casa que ele havia sido preso sob a Lei de Polícia, Crime, Sentença e Tribunais de 2022, uma legislação controversa introduzida este ano que amplia os poderes da polícia para reprimir protestos.

    No entanto, uma declaração da Polícia de Thames Valley à CNN na quarta-feira (14) disse que Hill havia sido preso sob a Seção 5 da Lei de Ordem Pública de 1986, que abrange crimes que causam “assédio, alarme ou angústia”.

    A confusão mostra a incerteza em torno do direito à liberdade de expressão no Reino Unido, após a Lei de 2022, “ampliar a gama de circunstâncias em que a polícia pode impor condições a um protesto”. De acordo com a cláusula 78 da nova lei, é uma ofensa para os manifestantes “intencionalmente ou imprudentemente causar incômodo público” – incluindo causar “grave aborrecimento”.

    Onde isso termina?

    Falando à CNN, Steve Peers, professor de direito da UE e direitos humanos na Universidade de Essex, observou o quão amplos esses novos poderes policiais podem ser. “Tudo o que você precisa fazer é encontrar uma pessoa – o que não seria difícil em uma multidão de pessoas que estavam principalmente prestando homenagem à rainha – para se sentir ofendida por alguém que está lá para protestar contra a monarquia como um todo.”

    “Você poderia igualmente dizer que qualquer pessoa segurando uma placa dizendo ‘Nós amamos a monarquia’ está sendo seriamente irritante para alguém que não gosta do monarca. Onde termina?”

    Paul Powlesland, um advogado de Londres, estava trabalhando na segunda-feira (12) quando viu relatos da mídia de manifestantes sendo presos por expressarem opiniões antimonarquia. “Nestes momentos em que o consenso é tão uniforme, é quando a liberdade de expressão está em maior risco. Achei importante descer e fazer uma questão sobre a liberdade de expressão”, disse ele à CNN.

    Como Hill, Powlesland disse que não queria interromper as expressões de luto real. Ele não viajou para o Palácio de Buckingham, onde as pessoas estavam prestando homenagem à rainha. Em vez disso, ele foi para a Parliament Square, um local tradicional de protesto político em Londres, em frente às Casas do Parlamento.

    Powlesland ficou sozinho e ergueu um pedaço de papel em branco. Em poucos minutos, ele disse que “um policial veio e pediu meus dados. Ele disse que se eu escrevesse ‘Not my King’ nele, provavelmente seria preso porque é ofensivo sob a Lei de Ordem Pública.”

    Manifestantes antimonarquia seguram cartazes em branco durante cerimônias reais em Edimburgo na terça-feira (13). Louisa Gouliamaki/AFP/Getty Images

    “Eu não podia arriscar escrever nada sobre isso porque eu não poderia ser preso já que tinha que representar meu cliente em um tribunal na manhã seguinte. Esse é o ponto crucial: mesmo a ameaça de prisão tem um efeito muito assustador na liberdade de expressão e no direito de protestar.”

    Powlesland postou um vídeo da interação com o policial no Twitter, que já foi visto mais de 1,4 milhão de vezes.

    A CNN pediu à Polícia Metropolitana que confirmasse sua posição sobre aqueles que expressam opiniões antimonárquicas. O Met respondeu: “As pessoas têm direito à liberdade de expressão e devemos equilibrar os direitos dos manifestantes com os de outros que desejam sofrer e respeitar”.

    Um precedente perigoso para o futuro

    Enquanto isso, em um incidente isolado na capital escocesa na segunda-feira (12), um homem de 22 anos foi preso “em conexão com uma violação da paz na Royal Mile”, informou a agência de notícias britânica PA Media.

    Milhares de pessoas enlutadas encheram as ruas de Edimburgo enquanto o carro funerário da rainha, acompanhado por membros da família real, seguia do Palácio de Holyroodhouse para a Catedral de St. Giles. A polícia da Escócia disse que um membro da multidão quebrou o silêncio ao insultar o príncipe Andrew, chamando-o de “um velho doente”.

    Se a polícia está reprimindo usando poderes sob a Lei de Ordem Pública de 1986 ou a recém-criada Lei de Polícia, Crime, Sentença e Tribunais de 2022, há preocupações com a liberdade de expressão.

     

    Liberty disse em um comunicado à CNN: “A Lei de Polícia, Crime, Sentença e Tribunais tornou muito mais difícil para as pessoas defenderem o que acreditam sem enfrentar o risco de criminalização… sufocando nossa liberdade de protesto e estabelecendo um precedente perigoso para o futuro”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original