Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    No Paquistão, afegãos que aguardam reassentamento nos EUA são deportados de volta para o Talibã

    Quase 90.000 afegãos foram reassentados nos Estados Unidos desde a tomada de Cabul pelo Talibã em 2021, mas muitos foram parar no acúmulo de pedidos de vistos de prioridade 2 ou vistos especiais de imigrantes esperando para serem processados

    Nick Paton WalshMasoud Popalzaida CNN

    Os afegãos a quem foi prometido um lar nos Estados Unidos depois que seu país caiu nas mãos do Talibã dizem que esperaram tanto tempo para que os EUA processassem seus pedidos que agora estão sendo enviados de volta ao inimigo de onde fugiram.

    Vários afegãos que trabalharam com os EUA e foram informados de que eram elegíveis para reassentamento no país foram deportados à força do Paquistão, para onde fugiram para aguardar o processamento após a tomada do Talibã em 2021.

    Um homem que esperava por um visto americano descreveu ter sido deixado na fronteira afegã pela polícia paquistanesa neste verão.

    “Eles não nos entregaram às forças de fronteira afegãs (Talibã)”, disse ele. “Eles acabaram de nos deixar na fronteira e nos mandaram voltar para o Afeganistão. Fui eu, meus quatro filhos e minha esposa deportados juntos”. Ele agora vive escondido na capital afegã, Cabul.

    Outro afegão deportado, também falando de um esconderijo em Cabul, disse: “Então isso é muito, muito perigoso e é muito difícil… Quantas pessoas foram mortas, torturadas, desapareceram?” O homem, ex-funcionário de uma empreiteira americana, disse que o Talibã “vai me punir, vai me colocar na prisão. Talvez eles vão me matar? Tenho certeza que sim”.

    Ele acrescentou: “Ainda assim, acreditamos que os EUA nos ajudarão. Acreditamos que ainda não perdemos a esperança.”

    Ambos os indivíduos falaram com a CNN anonimamente para sua segurança e forneceram documentação mostrando um número de processamento de visto dos EUA e evidências de sua presença no Paquistão.

    Muitos afegãos fugiram do Talibã após a tomada de Cabul em 15 de agosto de 2021 pelo grupo. Mais de 124.000 afegãos foram retirados do país por via aérea em uma grande operação liderada pelos Estados Unidos.

    No entanto, milhares também fugiram pela fronteira para o Paquistão, muitas vezes com documentos incompletos, seguindo a orientação dos EUA de que deveriam esperar em um terceiro país pelo processamento de seus pedidos de visto para os EUA.

    Quase 90.000 afegãos foram reassentados nos Estados Unidos desde então, de acordo com dados do Departamento de Estado, mas muitos outros foram parar no acúmulo de pedidos de vistos de prioridade 2 (P-2) ou vistos especiais de imigrantes (SIV) esperando para serem processados.

    Grupos de direitos humanos dizem que a situação mais aguda é enfrentada por aqueles no Paquistão, de onde centenas de afegãos foram deportados em uma repressão contra os migrantes após a recente instabilidade política.

    Pelo menos dois afegãos que aguardavam vistos P-2 foram capturados nesta repressão, soube a CNN, e reclamam da perseguição policial paquistanesa. Vários outros que ainda residem no Paquistão contaram à CNN sobre o que disseram ser assédio da polícia paquistanesa e a ameaça de deportação se não pagassem multas ou subornos.

    Os Ministérios das Relações Exteriores e do Interior do Paquistão não responderam ao pedido da CNN para comentar as reivindicações.

    Pelo menos 530 afegãos foram deportados do Paquistão até agora este ano, de acordo com Haseeb Aafaq, porta-voz do grupo de voluntários Conselho de Refugiados de Imigrantes do Afeganistão.

    Aafaq disse que o número veio de seus estudos de registros locais, mas acrescentou que pode ser uma estimativa baixa, já que muitos afegãos foram deportados sem documentação.

    Aafaq acrescentou que as autoridades paquistanesas não abriram exceções para casos pendentes de visto dos EUA.

    Soldado paramilitar paquistanês à direita e militante do Talibã à esquerda em fronteira entre Afeganistão e Paquistão
    Soldado paramilitar paquistanês à direita e militante do Talibã à esquerda em fronteira entre Afeganistão e Paquistão, logo após a tomada de Cabul pelo Talibã, em 2021. / AP Photo/Muhammad Sajjad

    “Não há diferenciação. As autoridades daqui nem pensam de onde você é. Se você é afegão, deve ser deportado se seu visto não for válido, seja SIV ou P-2 ou casos de patrocínio”. Ele disse que muitos dos deportados são casos P-2, mas não pôde fornecer um número preciso, já que muitos afegãos mantêm seu status P-2 confidencial por temerem comprometer sua segurança.

    Dois jovens afegãos se suicidaram em Islamabad desde junho, ambos aguardando vistos P-2 dos EUA, segundo ativistas. Aafaq disse que um deles, de 25 anos, que morreu na semana passada, sofreu “pressão mental e econômica e um futuro incerto”.

    Aafaq disse que o fracasso dos EUA em abrir um Centro de Apoio ao Reassentamento no Paquistão significa que o processamento de casos foi parcialmente paralisado. “O Centro de Apoio ao Reassentamento ainda não foi ativado, enquanto em outros países, como a Turquia ou o Tadjiquistão, as pessoas foram para os EUA”, disse ele.

    Afegãos esperando no Paquistão relataram assédio pela polícia paquistanesa, incluindo prisão e exigências de dinheiro.

    Um deles, que trabalhou com os militares dos EUA e pediu para não ser identificado por sua segurança, disse à CNN: “Eles estavam pedindo um visto. Eram muitos policiais, eles entraram na casa sem informações claras. E eles me tiraram de minha casa e apenas me colocaram na van. Meus filhos, eles foram muito assediados. Eles estavam chorando, eles estavam pedindo ajuda.”

    Ele também descreveu como certa vez salvou seus colegas americanos durante um protesto e recebeu cartas de recomendação de seus serviços. “Estou desapontado por causa da maneira como servi os americanos no Afeganistão. Eu esperava que eles me recebessem lá mais cedo. Parece que não tenho futuro algum.”

    O Departamento de Estado dos EUA disse à CNN em comunicado que o governo Biden “continua a demonstrar seu compromisso com os bravos afegãos” que trabalharam com os EUA.

    Acrescentou que sua “capacidade de processamento no Paquistão permanece limitada, mas (a equipe) está trabalhando ativamente para expandi-la”. A declaração exortou os “vizinhos do Afeganistão” a “manter suas fronteiras abertas” e “manter suas obrigações” quando se trata de requerentes de asilo.

    O Ministério das Relações Exteriores do Paquistão se recusou a comentar.

    Outro afegão, cujo nome a CNN não divulgou para sua segurança, serviu os EUA no Afeganistão e agora está no Paquistão com sua esposa e filhos. Ele descreveu a espera pela ajuda dos EUA como um “pesadelo”.

    Sua esposa soluçou: “Voltar para o Afeganistão é um grande risco e aqui estamos morrendo, a cada momento. Ficar no Paquistão é uma morte gradual.”