No Vietnã, Kamala Harris oferece apoio para pressionar Pequim no Mar do Sul da China

Vice-presidente dos EUA sugere mais visitas de navios de guerra do país à região e cooperação em segurança marítima; ela também promete doar mais 2 milhões de doses de vacina contra Covid-19

Vice-presidente dos EUA, Kamala Harris (E), se encontra com presidente do Vietnã, Nguyen Xuan Phuc
Vice-presidente dos EUA, Kamala Harris (E), se encontra com presidente do Vietnã, Nguyen Xuan Phuc Manan Vatsyayana - 25.ago.2021/Pool Photo via AP

Nandita Boseda Reuters

Ouvir notícia

A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, reuniu-se com os principais líderes do Vietnã, nesta quarta-feira (25), e ofereceu apoio em várias áreas-chave, incluindo o aprimoramento da segurança marítima em um esforço para conter a crescente assertividade de Pequim no Mar do Sul da China (ou Mar da China Meridional).

Harris também ofereceu mais visitas de navios de guerra dos Estados Unidos durante suas conversas com o presidente do Vietnã, Nguyen Xuan Phuc, a vice-presidente Vo Thi Anh Xuan e o primeiro-ministro Pham Minh Chinh, de acordo com um funcionário da Casa Branca que não quis ser identificado.

A viagem de sete dias de Harris a Singapura e Vietnã é parte de uma estratégia mais ampla dos EUA para atrair aliados que Washington espera que ajude a desafiar a crescente influência econômica e em segurança da China na região.

Durante as negociações, Harris ofereceu vacinas para o Vietnã e ajuda para combater a Covid-19 e anunciou o lançamento de vários programas para ajudar a combater a mudança climática, disse o funcionário da Casa Branca.

Falando em Hanói, a vice-presidente dos EUA disse ser necessário aumentar a pressão sobre Pequim por causa de suas reivindicações marítimas.

“Precisamos encontrar maneiras de pressionar, aumentar a pressão… para que Pequim cumpra a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito Internacional Marítimo e para desafiar suas agressões e reivindicações marítimas excessivas”, disse Harris durante uma reunião com o presidente vietnamita.

Foi a segunda vez em dois dias que Harris atacou Pequim. Na terça-feira, em Singapura, ela acusou Pequim de coerção e intimidação para apoiar reivindicações ilegais em partes do disputado Mar do Sul da China.

A China rejeitou seus comentários, acusando Washington de tentar abrir uma barreira entre Pequim e seus vizinhos do sudeste asiático.

A potência asiática estabeleceu postos militares avançados em ilhas artificiais no Mar do Sul da China, que são atravessadas por rotas marítimas vitais e contêm campos de gás e são ricos em peixes.

China, Vietnã, Brunei, Malásia, Filipinas e Taiwan reivindicam partes das águas.

Nos últimos anos, as tensões entre a China e o Vietnã no Mar da China Meridional permaneceram altas e o Vietnã silenciosamente endossou a estratégia Indo-Pacífico dos EUA porque assume uma linha dura contra a China nas águas disputadas.

Comandada por Kamala (E), delegação dos EUA se reúne com governo do Vietnã em Hanói
Comandada por Kamala (E), delegação dos EUA se reúne com governo do Vietnã em Hanói / Manan Vatsyayana – 25.ago.2021/Pool Photo via AP

No entanto, com a competição EUA-China em todo o Indo-Pacífico aumentando, a nação do sudeste asiático tentou atingir um equilíbrio delicado.

A chegada de Harris em Hanói foi adiada na terça-feira depois que a Embaixada dos EUA no Vietnã disse ter detectado um “incidente de saúde anômalo”, potencialmente relacionado à misteriosa Síndrome de Havana.

Durante o atraso, o primeiro-ministro do Vietnã, Pham Minh Chinh, e o embaixador da China no Vietnã mantiveram uma reunião não anunciada, durante a qual Chinh disse que o Vietnã não toma partido na política externa.

O embaixador chinês disse a Chinh que Pequim doaria 2 milhões de doses de uma vacina contra Covid-19 ao Vietnã.

Funcionários do alto escalão da Casa Branca disseram que Harris vai encontrar um equilíbrio durante suas reuniões na região, oferecendo-se para conter a influência da China, sem forçar as nações a tomarem partido entre as duas potências.

A vice-presidente dos EUA anunciou o apoio à resposta do Vietnã contra o novo coronavírus com a doação de um milhão de doses adicionais de vacinas da Pfizer, elevando a doação total ao país para 6 milhões de doses, e um adicional de US$ 23 milhões para apoiar seus esforços para combater a pandemia.

Depois de conter com sucesso a pandemia durante grande parte do ano passado, o Vietnã está lidando desde abril com um grande surto da variante Delta do novo coronavírus na cidade de Ho Chi Minh.

O Vietnã tem uma das taxas de vacinação mais baixas da Ásia, com pouco menos de 2% de seus 98 milhões de pessoas totalmente vacinadas contra a Covid-19.

Cooperação em segurança marítima

A oferta da vice-presidente para apoiar o aumento da segurança marítima do Vietnã incluiu visitas de navios e porta-aviões dos EUA, disse o funcionário da Casa Branca.

Ainda dependente da aprovação do Congresso dos Estados Unidos, ela ofereceu a implantação de uma frota de 24 barcos de patrulha, instalações de base, cais, treinamento de aplicação da lei e outras atividades conjuntas que ajudarim o Vietnã a reforçar sua capacidade de segurança marítima, disse o funcionário.

Os EUA também lançaram um projeto da USAID de US$ 36 milhões de cinco anos que visa acelerar a transição do Vietnã para energia limpa e anunciaram tarifas mais baixas sobre as exportações dos EUA de milho, trigo e produtos suínos para o Vietnã para reduzir o déficit comercial com o país.

Harris também deve assinar um contrato de arrendamento para um novo complexo da Embaixada dos EUA em Hanói, em um esforço para expandir o relacionamento entre os dois países, disse o funcionário.

Mais Recentes da CNN