Síndrome de Havana pode ter causado atraso no voo de Kamala Harris para o Vietnã

Os incidentes da síndrome de Havana começaram no final de 2016 em Cuba e um comitê do Senado disse no início deste ano que o número de casos suspeitos parecia estar aumentando

Kamala Harris, vice-presidente dos EUA
Kamala Harris, vice-presidente dos EUA Getty Images

Jasmine WrightJeremy Diamondda CNN

Ouvir notícia

A partida da vice-presidente Kamala Harris para o Vietnã foi atrasada em várias horas na tarde da terça-feira (24), depois que seu escritório foi informado pela embaixada dos EUA em Hanói, Vietnã, sobre “um possível incidente de saúde anômalo recente”.

Esse termo é a forma como o governo costuma se referir à misteriosa síndrome de Havana que adoeceu centenas de autoridades americanas nos últimos anos.

“No início desta noite, a delegação itinerante do vice-presidente foi adiada para deixar Cingapura porque o escritório do vice-presidente foi informado de um relatório de um possível incidente anômalo de saúde recente em Hanói, no Vietnã. Após uma avaliação cuidadosa, foi tomada a decisão de continuar com a viagem da vice-presidente”, disse Rachael Chen, porta-voz da embaixada dos Estados Unidos em Hanói, em um comunicado.

A bordo do Força Aérea Dois, a porta-voz chefe de Harris, Symone Sanders, disse a repórteres que Harris está “bem e ansiosa para as reuniões em Hanói amanhã”. Mais tarde, ela disse sobre o atraso: “Isso não tem nada a ver com a saúde da vice-presidente”.

Harris finalmente decolou da Base Aérea Paya Lebar de Cingapura às 19h32, horário local, após um atraso de mais de três horas.

Durante a coletiva de imprensa da Casa Branca na tarde de terça-feira, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, tentou assegurar aos repórteres sobre a segurança do vice-presidente no Vietnã, dizendo que Harris “não viajaria mais para um país se não houvesse confiança em sua segurança no local.”

Quando questionada se Harris ou sua equipe eram o alvo de um possível ataque, Psaki disse que nenhuma avaliação adicional foi feita. Ela também se recusou a fornecer detalhes adicionais de segurança, como a forma como o governo manterá a vice-presidente segura.

“Este não é um caso confirmado no momento. Levamos qualquer incidente relatado, que foi recente e foi relatado publicamente, observarei, muito a sério. Como resultado, foi feita uma avaliação da segurança do vice-presidente , e foi decidido que ela poderia continuar a viajar com sua equipe”, disse Psaki.

Psaki confirmou que as pessoas afetadas não estavam viajando com Harris, mas não quis dizer quantas pessoas adoeceram. Harris não foi avaliada clinicamente pois não estava no solo no momento em que o incidente foi relatado.

A comunidade de inteligência ainda não possui uma explicação oficial para a síndrome de Havana, que é uma mistura desconcertante de experiências sensoriais e sintomas físicos que já adoeceram centenas de diplomatas, espiões e soldados americanos em todo o mundo – alguns com gravidade suficiente para forçar sua aposentadoria.

A CNN não relatou nenhum caso da síndrome de Havana no Vietnã.

Os incidentes da síndrome de Havana começaram no final de 2016 em Cuba e um comitê do Senado disse no início deste ano que o número de casos suspeitos parecia estar aumentando.

Vítimas da síndrome de Havana relataram um conjunto variado de sintomas e sensações físicas, incluindo vertigem repentina, náusea, dores de cabeça e pressão na cabeça, às vezes acompanhadas por um “ruído direcional penetrante”. Alguns foram diagnosticados com lesões cerebrais traumáticas e continuam a sofrer de dores de cabeça debilitantes e outros problemas de saúde anos depois.

Investigadores federais dos EUA têm lutado para determinar o que ou quem está causando os sintomas misteriosos. Houve casos relatados na Rússia, China e outros países em todo o mundo. No mês passado, as autoridades austríacas disseram estar investigando relatos de que diplomatas americanos em Viena experimentaram sintomas da síndrome de Havana.

No início deste ano, a CNN informou sobre dois incidentes separados que ocorreram perto da Casa Branca no ano passado afetando funcionários do Conselho de Segurança Nacional.

Dois oficiais de defesa disseram em maio que o Pentágono estava redigindo um memorando para toda a força de trabalho civil e militar dos Estados Unidos, pedindo aos funcionários que relatassem qualquer sintoma anômalo de saúde que pudesse indicar que eles foram vítimas da síndrome de Havana.

A CNN informou ainda, no início deste mês, que a frustração está aumentando entre os funcionários do Departamento de Estado e diplomatas sobre o que vários trabalhadores dizem ter sido uma resposta morna da liderança do departamento, incluindo o secretário de Estado Antony Blinken.

O incidente relatado ocorre no meio da viagem de Harris a Cingapura e Vietnã, enquanto tenta transmitir aos países do sudeste asiático que os EUA são sinceros em seu compromisso de longo prazo com a região.

Funcionários da Casa Branca dizem que a missão abrangente de Harris na viagem é fortalecer as relações com os parceiros regionais.

Ela deve se concentrar nas questões de segurança regional em meio a preocupações com as reivindicações territoriais da China no Mar do Sul da China; prioridades econômicas, incluindo questões da cadeia de suprimentos, como produção global de chips; das Alterações Climáticas; e a pandemia Covid-19.

É sua segunda viagem ao exterior como vice-presidente. No início deste ano, ela viajou para a América Central – uma viagem que também teve problemas de viagem, já que Harris teve que trocar de avião momentos antes de partir para a Guatemala devido a um problema técnico.

Texto traduzido. Leia o original aqui.

Mais Recentes da CNN