Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Nova York é processada por negar fertilização in vitro a servidores públicos gays

    Procedimento é oferecido em convênio de saúde dos funcionários da administração da cidade; ação movida na Justiça por casal afirma que homossexuais são excluídos

    Fertilização in vitro
    Fertilização in vitro Pixabay

    Daniel Wiessnerda Reuters

    A cidade de Nova York foi processada nesta quinta-feira (9) por supostamente discriminar os funcionários gays da cidade, cobrindo apenas os custos da fertilização in vitro para mulheres e casais heterossexuais.

    A ação coletiva proposta foi apresentada no tribunal federal de Manhattan pelo ex-procurador distrital assistente Corey Briskin e seu marido, que dizem que foram forçados a adiar ter uma família por anos porque o plano de seguro de saúde dos funcionários da cidade negou cobertura para procedimentos de fertilização in vitro.

    O plano só cobre tratamentos de fertilização in vitro para funcionários e seus parceiros quando eles são inférteis e define esse termo de forma estreita que exclui categoricamente os homens gays, de acordo com o processo.

    O Conselho Municipal de Nova York está considerando um projeto de lei introduzido em março que exigiria que a cidade cobrisse os tratamentos de fertilização in vitro para todos os funcionários, independentemente de seu estado civil ou orientação sexual.

    Muitos processos contestaram benefícios de seguro desiguais para pessoas LGBTQ, inclusive para tratamentos de fertilidade. Mas o processo desta quinta-feira (9) é a primeira ação coletiva proposta envolvendo alegações de que um plano de seguro de saúde discriminava especificamente homens gays, de acordo com Peter Romer-Friedman, advogado de Briskin e seu marido.

    “Nenhum tribunal ainda opinou sobre a questão de saber se os homens gays podem ser negados benefícios de fertilização in vitro dados a outros funcionários”, disse ele, acrescentando que o caso pode estabelecer um precedente nacional sobre o assunto.

    O processo alega que a política da cidade viola as leis federais, estaduais e municipais, impedindo a discriminação no local de trabalho com base no sexo e orientação sexual. Os demandantes também dizem que a negação de benefícios viola seus direitos à proteção igual e ao devido processo sob a Constituição dos EUA.

    A classe proposta poderia incluir milhares de pessoas. A cidade de Nova York tem cerca de 300 mil funcionários e seu plano de saúde cobre cerca de 1,25 milhão de pessoas, de acordo com a denúncia.