Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Nova Zelândia descarta a última de suas restrições contra a Covid-19

    País ficou conhecido por suas políticas rígidas de lockdown; 3.249 neozelandeses morreram por causa do coronavírus durante a pandemia

    Chris Lauda CNN

    A Nova Zelândia cancelou a última de suas restrições contra a Covid-19 na terça-feira (15), encerrando uma das políticas mais rígidas do mundo em relação à pandemia, já que o governo disse que o país sofreu uma taxa de mortalidade muito menor do que muitas outras nações.

    A ministra da Saúde, Ayesha Verrall, disse que a nação insular estava encerrando sua última regra, de isolamento obrigatório de sete dias para aqueles que testarem positivo para o coronavírus, bem como máscaras obrigatórias em unidades de saúde a partir da meia-noite de terça-feira.

    A Nova Zelândia era uma espécie de “garota-propaganda” de como as nações poderiam se defender com sucesso do coronavírus quando ele apareceu pela primeira vez em 2020, ordenando lockdowns antecipados e medidas rígidas nas fronteiras.

    A estratégia inicial de Covid-zero reduziu significativamente o impacto do surto de coronavírus, poupando a Nova Zelândia das mortes generalizadas e dos sistemas de saúde sobrecarregados vistos em grande parte do mundo, inclusive nos Estados Unidos.

    Mas também manteve a nação insular fechada internacionalmente e tornou-se cada vez mais impopular à medida que as regras se arrastavam e afetavam a economia.

    “Tem sido um longo caminho, no entanto, graças a muito trabalho duro, a abordagem da Nova Zelândia para a Covid-19 passou de uma resposta de emergência para uma gestão sustentável de longo prazo”, disse Verrall em nota na segunda-feira (14).

    “Embora nossos números de casos continuem flutuando, não vimos os picos dramáticos que caracterizaram as taxas de Covid-19 no ano passado”, acrescentou a ministra da saúde.

    A Covid pressionou consideravelmente menos o sistema de saúde neste inverno, a atual temporada da Nova Zelândia, com casos representando apenas 2,2% das internações hospitalares recentes, de acordo com o governo.

    Vídeo: CNN mostra laboratórios citados como origem da Covid; veja

    “Isso, combinado com os níveis de imunidade da população, significa que o Gabinete e eu fomos informados de que estamos posicionados para remover com segurança as regras restantes da Covid-19”, disse Verrall.

    Mas ela disse que aqueles que “não estão bem ou testaram positivo para Covid-19” são aconselhados a ficar em casa por cinco dias.Ela também enfatizou que as máscaras faciais continuam sendo um meio importante para prevenir a propagação de doenças respiratórias em instalações de saúde e atendimento a deficientes.

    O primeiro-ministro Chris Hipkins chamou a mudança de “marco significativo”. “A unidade da resposta Kiwi e os sacrifícios que eram comuns contribuíram para as muitas milhares de vidas que foram salvas”, disse ele durante uma coletiva de imprensa na segunda-feira.

    Hipkins disse que 3.249 neozelandeses morreram de coronavírus entre os 5,1 milhões de habitantes do país. “Se a Nova Zelândia tivesse uma taxa de mortalidade por Covid-19 semelhante à dos Estados Unidos, estaríamos relatando cerca de 15 mil mortes por Covid”, argumentou.

    Placa de distanciamento social em Auckland, Nova Zelândia / 31/08/2020 August 31, 2020. REUTERS/Fiona Goodall/Arquivo

    Os controles rígidos tiveram custos políticos para o Partido Trabalhista da Nova Zelândia. O sucesso inicial foi liderado por sua predecessora, Jacinda Ardern, e à medida que as duras restrições se arrastavam, a frustração pública cresceu com seus impactos que separaram famílias por meses e excluíram quase todos os estrangeiros.

    Os prolongados lockdowns e regras da Covid levaram a cenas alarmantes na capital do país, Wellington, em março passado, quando manifestantes acampados por semanas fora do Parlamento atearam fogo em tendas, colchões e cadeiras, em um momento em que o país lutava com ansiedade econômica e aumento do custo de vida.

    O apoio a Ardern e ao Partido Trabalhista despencou em 2022, antes que ela anunciasse sua decisão repentina de renunciar em janeiro, citando energia insuficiente para mantê-la em movimento. Como ministro da saúde durante grande parte da pandemia, Hipkins esteve intimamente associado aos controles de Covid-zero.

    A Nova Zelândia vai às urnas em outubro, e os trabalhistas enfrentam um forte desafio do Partido Nacional, a oposição de centro-direita.

    O país reabriu suas fronteiras gradualmente ao longo de 2022, revertendo o rigoroso controle implantado em março de 2020 para manter os estrangeiros afastados e limitar o retorno dos cidadãos.

    Em um plano de cinco etapas, a Nova Zelândia primeiro permitiu que os cidadãos voltassem para casa antes de dar as boas-vindas ao retorno do turismo generalizado.

    Nas últimas três semanas, o país coorganizou a Copa do Mundo Feminina de 2023 junto com a Austrália.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original